BAIANA RELATA AO METRO1 MOMENTOS DE TENSÃO DURANTE TERREMOTO NA ITÁLIA

Terremoto na Itália

A baiana Paloma Del Sarto relatou ao jornal Metro1 ter passado por momentos de tensão durante um terremoto que atingiu a Itália nesta quarta-feira (24). Ao todo, 120 pessoas morreram e outras 360 ficaram feridas, segundo as autoridades italianas.

Natural de Jequié, Paloma morou na região 23 anos, precisamente em Porto Sant’Elpidio, uma comuna italiana da região dos Marche, na província de Fermo. Após retornar ao país a quatro anos atrás, ela seguiu visitando a região durante o verão europeu. “Eram 3h30 da manhã quando aconteceu o primeiro tremor”, disse ela. “São 23 anos que moro aqui e nunca tinha sentido tremores tão fortes. Os objetos começaram a cair. Foi terrível.”

Segundo ela, os hospitais da região se encontram lotados e muitos voluntários passaram a circular nos locais para tentar ajudar os feridos. “O terremoto atingiu as regiões de Umbria , Marche e Lazio. O perigo ainda não passou, a região ainda está em estado de alerta”, contou.

Paloma Del Sarto

Paloma Del Sarto

Em Sant’Elpidio, seria realizado o festival ‘Sagra degli Spaghetti all’Amatriciana’, um evento gastronômico que reuniria centenas de apreciadores da comida italiana entre 27 e 28 de agosto. Paloma conta que muitas casas foram alugadas para esse festival. “Iríamos amanhã para lá. Mas ainda não tem o número de pessoas resgatadas e nem de turistas que sobreviveram. Mas há muitos mortos e feridos, é uma coisa muito grave. A cidade praticamente foi dizimada. Uma coisa horrível, ainda estou em estado de choque pelo que aconteceu. Aqui em casa sentimos os tremores, tudo balançava. Temos medo de sair para as ruas e descer as escadas. Graças a Deus as coisas estão se acalmando agora”, disse ela.

Ainda segundo Paloma, as emissoras da Itália estão comparando a tragédia ao terremoto de Umbria e Marche, em 1997. Na ocasião, 11 pessoas morreram 100 ficaram feridas e cerca de 80 mil casas foram danificadas. “A destruição foi maior porque muitas casas são antigas. É uma região de montanhas, elas ficam no alto e não perto do mar”, contou. “De onde eu moro para Roma, é 1 hora 40 minutos de distância. As autoridades pedem que as pessoas não peguem essa estrada para Roma, porque é exatamente o trajeto onde passa próximo por Matrice. Eles pedem que as pessoas não vão para que a estrada fique livre para os socorros.”

Fonte: Metro1 http://metro1.navemestre.net/noticias/bahia

EXPULSÃO DO SINDIPAN AMPLIA CRISE NA FIEB

Dirigida hoje por nanicos, FIEB tem sido palco de confusões sem fim entre associados

Dirigida hoje por nanicos, FIEB tem sido palco de confusões sem fim entre associados

O Sindicato de Panificação e Confeitaria de Salvador (SINDIPAN) foi expulso da Federação das Indústrias do Estado da Bahia (FIEB), depois que supostamente seu presidente, Mário Pithon, negou-se a retirar um pedido dirigido ao Ministério Público Estadual para que investigasse irregularidades na Federação, decorrentes, segundo ele, do descumprimento do Estatuto e do Código de Ética.

O próprio Pithon, que era vice-presidente da FIEB, já havia sido expulso do Conselho de Representantes, que considerou a comunicação ao MP desrespeitosa à entidade. Ele, no entanto, recorreu à Justiça. O vice-presidente conta que recebeu do presidente da FIEB, Ricardo Alban, a sugestão para que suspendesse o pedido ao MP, o que ele não atendeu.

O SINDIPAN, então, teria sido excluído da Federação sob o argumento, segundo Pithon, de que novo constrangimento teria sido criado à FIEB. Depois de analisar a expulsão do Sindicato de Panificação, o Ministério Público teria enviado uma recomendação ao presidente da FIEB pedindo a anulação da reunião em que a exclusão foi decidida, alegando que o órgão representante dos panificadores apenas teria exercido o direito constitucional de petição ao Ministério Público.

De acordo com a comunicação do MP, a “motivação utilizada para abertura do referido processo viola frontalmente o princípio da moralidade administrativa, pois revela distanciamento da Presidência da FIEB com a transparência da sua atuação e o intuito de limitar o possível controle externo, através de expedientes destinados a desencorajar aqueles que pretendam questionar a regularidade dos seus atos”.

O clima de hostilidades prossegue na Federação das Indústrias do Estado da Bahia, entidade até bem pouco tempo, quando era dirigida por representações industriais de peso, era discreta, austera e isenta de discussões públicas. Hoje, dirigida pelos chamados sindicatos nanicos, os temas mais polêmicos tendem a transformar-se em verdadeiros “barracos” e bate-bocas. Sinais dos tempos…

Fonte: Política Livre

ROTARIANOS FESTEJAM ANIVERSÁRIO DE ARI MOURA

Companheirismo

Uma réplica de Ari Moura revisando uma réplica do A Folha. Obra de arte.

Uma réplica de Ari Moura revisando uma réplica do A Folha. Obra de arte.

O presidente do Rotary Club Jequié Cidade Sol, jornalista Ari Moura, foi alvo de homenagem, neste domingo (21), pelos seus companheiros de clube pela passagem do seu aniversário.

Os rotarianos aproveitaram o encontro de companheirismo para fazer uma surpresa ao presidente Ari Moura, que completou ontem 70 anos de idade, vinte e cinco dos quais, dedicados ao clube de Rotary de Jequié.

Muito querido pelos seus pares, Ari ficou emocionado com a iniciativa, que contou com a presença de seu irmão, Antonio Carlos Moura, seu filho Dene e esposa Núbia, além de sua  netinha Carol, que deram um toque especial à festa. As homenagens ficaram por conta das manifestações de Rodrigo Queiroz, Jarolina Rodrigues Dias e Wilma Stock, que se pronunciaram com referências à convivência rotariana e ao homenageado. Foi servida a suculenta feijoada da Chef Tita.

DESAPOSENTAÇÃO – OPÇÃO NÃO FAZ COM QUE SE PERCAM DIREITOS E NEM GERA PREJUÍZOS AOS APOSENTADOS

Desaposentação

Os aposentados do Instituto Nacional do Seguro Social que retornam ao mercado de trabalho têm uma série de dúvidas sobre a possibilidade ou não de requerer um novo benefício, com um valor reajustado, na Justiça.

É a chamada desaposentação ou troca de aposentadoria. A dúvida mais comum é a seguinte: caso dê entrada na ação de troca de aposentadoria, perderei o direito de receber o benefício atual durante a ação?

A resposta é não. O segurado do INSS não perde o direito e nem tem o pagamento do seu benefício suspenso por conta de qualquer ação na Justiça que vise a troca da aposentadoria por um valor mais justo.

Não é preciso temer qualquer atitude ou reação da autarquia previdenciária com relação a este tipo de pedido judicial. Outra questão recorrente é sobre o período de entrada da ação. O aposentado que retornou ao mercado de trabalho pode requerer a desaposentação a qualquer momento.

Porém, vale destacar que o único caminho para pedir a troca de aposentadoria é a Justiça. Isso porque, esse é um instrumento que não foi transformado em lei. Trata-se de uma tese formada por juristas e que não foi aceita pelo Poder Executivo.

No final do ano passado, a então presidente Dilma Rousseff sancionou com vetos a Lei 13.183/2015, que altera o cálculo da aposentadoria, que varia progressivamente de acordo com a expectativa de vida da população. Porém, vetou o trecho da lei que tratava da desaposentação.

Em sua justificativa para o veto, a presidente alegou que a proposta contraria os pilares do sistema previdenciário brasileiro e causaria um rombo na previdência. Uma verdadeira falácia, pois o aposentado que retorna ao mercado de trabalho é obrigado a contribuir com a Previdência Social.

Esse aposentado já conquistou o direito de receber seu benefício, após trabalhar e contribuir com o sistema previdenciário por décadas. E, exatamente por receber um valor que não permite que ele goze com tranquilidade e dignidade a sua sonhada aposentadoria, ele se vê obrigado a não abandonar as atividades laborais.

O que isso contraria o pilar da Previdência no Brasil? Nada mais justo do que o aposentado que volta a contribuir para à Previdência Social possa desfrutar de seus benefícios e ter sua aposentadoria recalculada, com base nas novas e recentes contribuições.

E os tribunais brasileiros vêm reconhecendo esse direito. Diversos juízes federais entendem que o aposentado tem direito a um reajuste (alguns chegam a mais de 100%), de acordo com a nova contribuição. E os aposentados não precisam devolver os valores anteriores.

E isso ficou determinado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) desde maio de 2013. Aguardamos ansiosamente a decisão do Supremo Tribuna Federal (STF). O julgamento poderá ter um final ainda este ano pelo que sinalizou o ministro Luís Roberto Barroso.

O tema se arrasta na Corte Superior desde 2003. Até o momento, a votação está empatada, com dois ministros favoráveis ao mecanismo e outros dois contrários. No último mês de dezembro, o processo foi liberado para voltar ao plenário. O caso estava suspenso por um pedido de vistas da Ministra Rosa Weber, que já devolveu os autos, mas ainda não proferiu seu voto.

Esperamos que a troca de aposentadoria seja validada pelo Supremo, que o direito de milhares de aposentados seja reconhecido e que a Justiça Social seja feita.

HOMENAGEM AOS PAIS: PRESENTES E AUSENTES

homenagem-para-os-pais-falecidos-11Homenagem-aos-Pais

ILHÉUS CONFIRMADO COMO DESTINO DE TRANSATLÂNTICOS EM CRUZEIRO

transatlanticos

Ilhéus está entre os destinos brasileiros que vão receber transatlânticos na temporada 2016/2017. As embarcações começam a navegar por águas brasileiras em novembro deste ano.

De acordo com a Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos, das 7 embarcações que transportaram 597 mil passageiros no último verão, somente 4 vão operar nos próximos meses.

Os transatlânticos serão o Costa Fascinosa, Costa Pacifica, MSC Musica, MSC Orchestra, MSC Preziosa, Norwegian Sun e Pullmantur Sovereign. Na última temporada os navios levaram cerca de 90 mil turistas a Ilhéus.

Na próxima temporada, as embarcações navegarão por 12 destinos, dois a menos que em 2015. Além de Ilhéus, vão passar por Santos,Rio de Janeiro, Búzios, Ilha Grande, Angra dos Reis, Cabo Frio, Salvador, Fortaleza e Maceió.

VEJA O QUE É PERMITIDO OU VEDADO AO LONGO DA CAMPANHA ELEITORAL

eleições 2016.1eleições 2016

Os candidatos a prefeitos e vereadores estão autorizados pelo TSE, através da Resolução nº 23.457, a promover suas campanhas eleitorais para as eleições de 2016, do dia 16 de agosto até o dia 1º de outubro, quando se encerrarão os prazos determinados pela Lei. As regras impostas pela regulamentação preveem punições para quem cometer irregularidades que vão desde uma simples multa até detenção. Veja o que pode ser utilizado nas diversas ferramentas disponíveis:

Internet

É permitido fazer propaganda eleitoral na internet em sites do candidato, do partido ou coligação e por meio de mensagem eletrônica para endereços cadastrados gratuitamente por eles mesmos. O uso de blogs, redes sociais, sites de mensagens instantâneas e assemelhados também está autorizado. Sob qualquer forma, é vedada a propaganda paga na internet.

Som fixo ou móvel

O uso de alto-falantes ou amplificadores de som em veículos e sedes de partidos ou coligações é liberado das 8 horas às 22 horas. A circulação de carros de som e minitrios, como meio de propaganda eleitoral, devem observar o limite de 80 decibéis de nível de pressão sonora. Os comícios são permitidos das 8h à meia-noite, mas a Lei das Eleições (Lei nº 9.504/97) proíbe a realização de showmício e de evento assemelhado para promover candidatos, assim como a apresentação, remunerada ou não, de artistas com a finalidade de animar comício e reunião eleitoral.

Veiculação de vinhetas e propaganda de Rádio e TV

A propaganda em rádio e TV é restrita ao horário eleitoral gratuito, que começa dia 26 de agosto.

Jornais e revistas

Os candidatos estão autorizados a fazer anúncios pagos na imprensa escrita, com a respectiva reprodução na internet, de até 10 anúncios de propaganda eleitoral em datas diversas, por veículo, no espaço máximo por edição, para cada candidato, partido ou coligação, de 1/8 de página de jornal padrão e 1/4 de página de revista ou tabloide.

Bens públicos e particulares

É vedada a veiculação de propaganda de qualquer natureza, inclusive pichação, inscrição a tinta, colocação de placas, faixas, estandartes, cavaletes, bonecos e peças afins em bens em que o uso dependa de cessão ou permissão do poder público, ou que a ele pertençam. A proibição se estende aos bens de uso comum, inclusive postes de iluminação pública, sinalização de tráfego, viadutos, passarelas, pontes, paradas de ônibus e outros equipamentos urbanos.

Local fixo divulgação e distribuição de material

Mesas para distribuição de material e bandeiras ao longo das vias públicas devem ser móveis e não podem dificultar o bom andamento do trânsito de pessoas e veículos – a colocação e a retirada dos meios de propaganda devem ocorrer entre as 6h e as 22 horas. Já a propaganda em bens particulares pode ser feita somente em adesivo ou papel, com dimensão máxima de meio metro quadrado. Nos carros, são permitidos adesivos microperfurados até a extensão total do para-brisa e, em outras posições, adesivos até a dimensão de 50cm x 40cm.

Folhetos, cartões e assemelhados

A propaganda eleitoral por meio de folhetos, adesivos, volantes e outros impressos deve ser editada sob a responsabilidade do partido, coligação ou candidato, e deve trazer o CNPJ ou o CPF do responsável pela confecção, bem como de quem a contratou, e a respectiva tiragem. Brindes, camisetas, chaveiros, bonés, canetas, cestas básicas ou qualquer outro bem ou material que possa proporcionar vantagem ao eleitor são vedados pela legislação eleitoral.

JUSTIÇA CONDENA JOSÉ RAINHA JÚNIOR A 31 ANOS DE PRISÃO POR 3 CRIMES

Ele respondia por extorsão, formação de quadrilha e estelionato. Réu foi investigado em 2011 por desvio de verbas de assentamentos

José Rainha Júnior liderou movimento Abril Vermelho   (Foto: Cláudio Nascimento/ TV TEM)

José Rainha Júnior liderou movimento Abril Vermelho (Foto:CláudioNascimento/ TV TEM)

A 5ª Vara Federal em Presidente Prudente condenou o ex-líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), José Rainha Júnior, a 31 anos e 5 meses de reclusão pelos crimes de extorsão, formação de quadrilha e estelionato, além do pagamento de multa. O réu foi investigado em 2011 pela Polícia Federal na chamada Operação Desfalque, que descobriu um esquema de extorsão de empresas e desvio de verbas destinadas a assentamentos agrários.

Por telefone, José Rainha Júnior disse ao G1 que já recorreu da decisão e que “estranha” a medida ter saído neste momento. “Isso nunca aconteceu com nenhum outro latifundiário. Esse será mais um troféu na minha estante”.

Já em nota por e-mail, ele diz que a história é sua principal testemunha. “Essa condenação reforça minhas convicções de continuar minha luta em defesa da reforma agrária, em defesa dos povos oprimidos, índios, negros, sem terra e trabalhadores. A sociedade esclarecida me conhece. Não sou bandido e muito menos criminoso, nunca usurpei ou roubei dinheiro de ninguém. Isso provarei nas instâncias superiores dos tribunais”, declara.

Na mesma ação também foi condenado Claudemir Silva Novais, acusado de ser um dos principais integrantes do grupo liderado por José Rainha. Claudemir teve a pena fixada em cinco anos e seis meses de reclusão; quatro meses e 20 dias de detenção e pagamento de multa pelos crimes de estelionato, formação de quadrilha e favorecimento real. O G1 tentou contato com a advogada que responde pelo caso, Giane Álvares, mas não conseguiu até o momento desta publicação.

Devido à concessão de um habeas corpus, os réus poderão apelar da sentença em liberdade. Em relação aos demais acusados, houve o desmembramento da ação por ocasião do recebimento da denúncia.

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), os réus agiam utilizando trabalhadores rurais ligados ao MST como “massa de manobra” para invadir terras e exigir dos proprietários o pagamento de contribuições para o movimento social. No entanto, interceptações telefônicas comprovaram que na verdade o dinheiro era desviado para os próprios integrantes do grupo.

Em abril de 2011, época em que foi realizado o movimento chamado “Abril Vermelho”, José Rainha teria cobrado e recebido de duas empresas do agronegócio, R$ 50 mil e R$ 20 mil, respectivamente, para não invadir e queimar as plantações de cana-de-açúcar mantidas em fazendas na região do Pontal do Paranapanema e de Paraguaçu Paulista. Em outra ocasião, pediu R$ 112 mil aos representantes de uma concessionária de rodovias, a título de “ajuda solidária”, ameaçando obstruir e danificar as praças de pedágio da empresa caso o pagamento não fosse efetuado.

Além disso, o MPF diz que a organização também teria se apropriado de cestas básicas fornecidas pelo Instituto Nacional de Colonização e  Roforma Agrária (Incra) às famílias que residiam nos assentamentos, instituindo cobranças indevidas. Para ter direito aos alimentos, os réus exigiam que os trabalhadores rurais pagassem uma taxa por eles, sob a justificativa de ser o custo com o frete dos produtos. Claudemir Novais era o responsável por realizar essa tarefa utilizando os coordenadores dos grupos dos acampamentos.

“No caso dos autos, verificou-se o aproveitamento, pelo réu [Claudemir] e demais membros do ‘grupo de frente’, do comportamento ou das fraquezas das vítimas para lhe facilitar a prática criminosa. É dizer, o réu valeu-se do temor que incutia nas pessoas, em regra analfabetas e já fragilizadas pela sua atual condição de sobrevivência, para auferir vantagem indevida”, afirma o juiz federal Ricardo Uberto Rodrigues.

De acordo com a sentença, José Rainha valeu-se de sua condição de líder de um movimento socialmente legítimo para a prática dos crimes. A decisão acrescenta ainda que o réu aproveitou-se da exclusão social de seus seguidores para obter lucro pessoal. “A ganância desenfreada se mostra na realização de diversas ameaças ou invasões de terras, sempre com o objetivo de auferir proveito próprio”, afirma.

Para o magistrado, a atuação do líder da quadrilha reveste-se de maior gravidade por ter mobilizado um contingente de pessoas (inclusive mulheres, crianças e idosos), expondo-as ao perigo das invasões e submetendo-as à tensão dos conflitos agrários, tudo em nome do ganho particular. “Colocou-se, portanto, em risco, a vida e a saúde de diversas pessoas em nome de um objetivo mesquinho de ganho pessoal”, conclui o juiz.

OLIMPÍADA RIO 2016: BAIANO JOEDISON TEIXEIRA VENCE E SEGUE PARA OITAVAS NO BOXE

joedison-teixeira-boxeador

O baiano Joedison Teixeira venceu nesta quinta-feira, 11, o argelino Abdelkader Chadi na categoria peso meio-médio-ligeiro (64 kg) do boxe. Com isso, o boxeador segue para as oitavas de final.

O argelino era considerado favorito, mas o brasileiro levou vantagem nos três rounds em decisão dos juízes. O baiano não teve uma luta fácil contra Chadi, que é o quinto colocado no ranking da Associação Internacional de Boxe Amador.

Chadi teve boa movimentação no ringue e aplicou golpes contundentes, mas Joedison apostou nas esquivas e contragolpes para vencer. No primeiro round, o baiano ganhou por decisão de dois juízes contra um, que viu a vitória do argelino.

No segundo round, Joedison foi mais ofensivo e aplicou diversos golpes. Mas uma vez, ele convenceu dois juízes. O brasileiro foi mais defensivo no terceiro round, que foi vencido pelo argelino, mas Joedison acabou ficando com a vitória no duelo geral.

Ele agora voltar a lutar no domingo, 14, às 19 horas, contra Batuhan Gozgec, da Turquia.

JUSTIÇA DETERMINA O RETORNO DA DRA. TÂNIA BRITTO AO COMANDO DA PREFEITURA DE JEQUIÉ

Retorno-de-Tânia-Britto-5 Retorno-de-Tânia-Britto-13A prefeita de Jequié, Tânia Britto, que estava afastada desde o mês de maio, voltou a ocupar o cargo nesta tarde de terça-feira (9). Tânia foi afastada sob a acusação de improbidade administrativa na gestão da educação. Com a mudança, ela volta a administrar a cidade de Jequié substituindo, Sérgio Suzart Almeida, o Sergio da Gameleira, vice prefeito, que assumiu o cargo durante o período de afastamento.

O retorno da prefeita foi assinado pela Presidente do Tribunal de Justiça da Bahia, Maria do Socorro Santana Barreto. A decisão publicada no Diário da Justiça Eletrônico desta terça-feira (9), derruba sentença anterior, de 6 de maio do corrente.

Após assinar o termo de recondução no Fórum Bertino Passos, Tânia Britto, acompanhada dos vereadores, João Cunha, Neto da Água, Manoel Gomes, Beto de Lalá e centenas de pessoas dirigiu-se a prefeitura Municipal.

Mais uma vez a prefeitura de Jequié vai passar por verdadeira dança das cadeiras voltando a ser substituídos todos os cargos de livre nomeação do prefeito, sendo reconduzidos os secretários e diretores da equipe da prefeita, bem assim, dos seus mentores políticos.

Em nota pública distribuída pela assessoria do deputado deputado federal Roberto Britto (PP), no final da tarde desta terça-feira (9), Ele se refere ao retorno da prefeita Tânia Britto:

“Decisão judicial não se discute, cumpre-se! Como fato político, devolve-se ao cargo uma prefeita que foi eleita democraticamente pela esmagadora maioria do povo de Jequié. A Justiça foi feita. Agora é arregaçar as mangas e com humildade, trabalhar para recuperar o tempo perdido e unir o povo em torno do que é relevante para o município”, subscreveu o parlamentar.

Veja o vídeo
Publicidade