Archive for maio, 2016

MAIS UM MESTRE DE CAPOEIRA QUE SE VAI: MESTRE GIGANTE MORRE AOS 95 ANOS

O pequeno grande capoeirista. Mestre Gigante morre em Salvador

O pequeno grande capoeirista. Mestre Gigante morre em Salvador

Berimbaus e caxixis emudeceram nesta segunda feira (30) com o falecimento do mestre de capoeira Francisco de Assis.

O mestre Gigante morreu aos 95 anos. Ele era o capoeirista vivo mais velho do mundo. O velho mestre estava internado no Hospital Tereza de Lisieux, onde veio a falecer em razão de uma infecção respiratória. Mestre Gigante deixou duas filhas e três netos. O enterro aconteceu no Cemitério Campo Santo.

Emoção no enterro do mestre (imagens de Dadá Jaques):

Em texto publicado nesta terça o jornal Correio da Bahia afirmou, captando a reflexão dos capoeiristas da Bahia:

“Parece uma sina. Aconteceu com Bimba, Pastinha, Caiçara, Waldemar, Cobrinha Verde e, agora, com mestre Gigante. Francisco de Assis, 95 anos, o pequeno gigante da capoeira, morreu nesta segunda-feira (30), da mesma forma que os outros, na pobreza, sem o devido amparo e reconhecimento governamental”.

Aluno de Cobrinha Verde, mestre Gigante era, segundo pesquisa do Correio, o mais longevo dos capoeiristas baianos. Dedicou-se à arte mandingueira desde os anos 40, quando conviveu com Aberê, Noronha, Barbosa, Traíra, Najé e outros capoeiristas afamados do passado.

“Infelizmente Gigante confirma o destino dos mestres antigos, que morreram na miséria. Não têm qualquer apoio dos governos. Isso é um absurdo”, afirma mestre Itapuã, celebrado capoeirista remanescente dos inúmeros alunos de Bimba, odontólogo e um dos que ajudou Gigante no final da vida. Nada era mais marcante em Gigante do que a qualidade de seu toque. Poucos extraiam som do berimbau com tanta perfeição.

“Tanto que tocava em tudo que é roda. Tinha trânsito livre”, lembra Itapuã. “Gigante tocava berimbau. Tocava muito bem. Estava presente em formaturas, festas, shows culturais. Um cara muito importante para a capoeira. Ensinou muita gente a tocar. Uma perda gigante para a capoeira”, destaca Marinalva Machado, a Nalvinha, filha de mestre Bimba.

Conhecido também por compor cantigas e ladainhas tocadas nas rodas de capoeira, gravou o disco O Canto do Berimbauman, projeto do pesquisador e escritor Fred Abreu, morto em 2013. Segundo o próprio Fred escreveu, o disco apresentava a “perfeição do toque do berimbau de Gigante”. “Um trabalho que mostra a importância de Gigante para a musicalidade da capoeira”, afirmou o capoeirista Sapoti, que também participou das gravações.

Uma de suas músicas mais famosas ironizava justamente a sua estatura, que não passava de 1,50m.

“Meu pai era pequeno, minha mãe também. Por favor não me critique, que eu não critico ninguém. Eu sou pequeno, meu berimbau é grande. Na roda de capoeira eu toco São Bento grande”.

MARCELO ODEBRECHT FECHA ACORDO DE DELAÇÃO PREMIADA E DEVE COMPROMETER MUITA GENTE

Todos os partidos investigados no esquema de corrupção da Petrobras — PT, PMDB, PSDB e PP — podem ser implicados na delação da Odebrecht.

MARCELO2

O empresário Marcelo Odebrecht assinou acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal (MPF) na última quarta-feira (25) e já começou a prestar depoimentos aos investigadores da Operação Lava-Jato.

A informação foi confirmada pelo jornal “Valor Econômico”. Além de Marcelo, outros executivos da Odebrecht fariam delação. O pai de Marcelo, Emilio Odebrecht, também prestará depoimentos, de acordo com fontes ouvidas pelo jornal. A negociação da delação havia sido antecipada pela “Folha de S.Paulo” na edição desta terça-feira.

Todos os partidos investigados no esquema de corrupção da Petrobras — PT, PMDB, PSDB e PP — podem ser implicados na delação da Odebrecht. Na 26ª fase da Lava-Jato, deflagrada em março, os investigadores da Polícia Federal apreenderam uma planilha com listas de doações feitas pelo Grupo Odebrecht a mais de 300 políticos do país, de mais de dez partidos. O material era de posse de Benedicto Barbosa Silva Júnior, conhecido como “BJ”, presidente da Odebrecht Infraestrutura e um dos principais interlocutores do empresário Marcelo Odebrecht na alocação de recursos a campanhas políticas.

O juiz Sergio Moro, depois, decretou sigilo sobre o processo ao qual as planilhas foram anexadas. As planilhas relacionam políticos de diversos partidos do país a valores pagos pela Odebrecht, vários deles com foro privilegiado, como o presidente do Senado, Renan Calheiros, e o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, além de senadores e deputados federais.

A inclusão delas no inquérito em curso contra o publicitário João Santana, marqueteiro do PT, pode fazer com que a denúncia tenha de ser encaminhada para apreciação do Supremo Tribunal Federal, retirando a decisão do juiz Sérgio Moro. Até agora não foram identificados quais os valores relacionados a políticos são doações legais de campanha, se foram de fato pagos e se podem ser relacionados a esquemas de propinas. Além das planilhas também foram apreendidos documentos que citam obras feitas pela Odebrecht em diversos estados e municípios.

Fonte: Jornal O Globo

A JUSTIÇA E OS DECAÍDOS

Vale a leitura atenta, a reflexão profunda e a mais ampla divulgação.

Sergio Moro2

Por Sergio Fernando Moro*

 

 

 

Tommaso Buscetta é provavelmente o mais notório criminoso que, preso, resolveu colaborar com a Justiça. Um detalhe muitas vezes esquecido é que ele foi preso no Brasil, onde havia se refugiado após mais uma das famosas guerras mafiosas na Sicília. No Brasil, continuou a desenvolver suas atividades criminosas por meio do tráfico de drogas para a Europa. Por seu poder no Novo e no Velho Mundo, era chamado de “o senhor de dois mundos”.

Após sua extradição para a Itália, o célebre magistrado italiano Giovanni Falcone logrou convencê-lo a se tornar um colaborador da Justiça. Suas revelações foram fundamentais para basear, com provas de corroboração, a acusação e a condenação, pela primeira vez, de chefes da Cosa Nostra siciliana. No famoso maxiprocesso, com sentença prolatada em 16/12/1987, 344 mafiosos foram condenados, entre eles membros da cúpula criminosa e o poderoso chefão Salvatore Riina, que, pela violência de seus métodos, ganhou o apelido de “a besta”. Para ilustrar a importância das informações de Tommaso Buscetta, os magistrados italianos admitiram que, até então, nem sequer conheciam o verdadeiro nome da organização criminosa. Chamavam-na de Máfia, enquanto os próprios criminosos a chamavam, entre si, de Cosa Nostra.

Sammy “Bull” Gravano era o braço direito de John Gotti, chefe da família Gambino, uma das que dominavam o crime organizado em Nova York até os anos 80. Gotti foi processado criminalmente diversas vezes, mas sempre foi absolvido, obtendo, em decorrência, o apelido na imprensa de “Don Teflon”, no sentido de que nenhuma acusação “grudava” nele. Mas, por meio de uma escuta ambiental instalada em seu local de negócios e da colaboração de seu braço direito, foi enfim condenado à prisão perpétua nas Cortes federais norte-americanas, o que levou ao desmantelamento do grupo criminoso que comandava.

Mario Chiesa era um político de médio escalão, responsável pela direção de um instituto público e filantrópico em Milão. Foi preso em flagrante em 17/2/1992, por extorsão de um empresário italiano. Cerca de um mês depois, resolveu confessar e colaborar com o Ministério Público Italiano. Sua prisão e colaboração são o ponto de partida da famosa Operação Mãos Limpas, que revelou, progressivamente, a existência de um esquema de corrupção sistêmica que alimentava, em detrimento dos cofres públicos, a riqueza de agentes públicos e políticos e o financiamento criminoso de partidos políticos na Segunda República italiana.

Nenhum dos três indivíduos foi preso ou processado para se obter confissão ou colaboração. Foram presos porque faziam do crime sua profissão. Tommaso Buscetta foi preso pois era um mafioso e traficante. Gravano, um mafioso e homicida. Chiesa, um agente político envolvido num esquema de corrupção sistêmica em que a prática do crime de corrupção ou de extorsão havia se transformado na regra do jogo. Presos na forma da lei, suas colaborações foram essenciais para o desenvolvimento de casos criminais que alteraram histórias de impunidade dos crimes de poderosos nos seus respectivos países.

Pode-se imaginar como a história seria diferente se não tivessem colaborado ou se, mesmo querendo colaborar, tivessem sido impedidos por uma regra legal que proibisse que criminosos presos na forma da lei pudessem confessar seus crimes e colaborar com a Justiça.

É certo que a sua colaboração interessava aos agentes da lei e à sociedade, vitimada por grupos criminosos organizados. Essa é, aliás, a essência da colaboração premiada. Por vezes, só podem servir como testemunhas de crimes os próprios criminosos, então uma técnica de investigação imemorial é utilizar um criminoso contra seus pares. Como já decidiu a Suprema Corte dos EUA, “a sociedade não pode dar-se ao luxo de jogar fora a prova produzida pelos decaídos, ciumentos e dissidentes daqueles que vivem da violação da lei” (On Lee v. US, 1952).

Mas é igualmente certo que os três criminosos não resolveram colaborar com a Justiça por sincero arrependimento. O que os motivou foi uma estratégia de defesa. Compreenderam que a colaboração era o melhor meio de defesa e que, só por ela lograriam obter da Justiça um tratamento menos severo, poupando-os de longos anos de prisão.

A colaboração premiada deve ser vista por essas duas perspectivas. De um lado, é um importante meio de investigação. Doutro, um meio de defesa para criminosos contra os quais a Justiça reuniu provas categóricas.

Preocupa a proposição de projetos de lei que, sem reflexão, buscam proibir que criminosos presos, cautelar ou definitivamente, possam confessar seus crimes e colaborar com a Justiça. A experiência histórica não recomenda essa vedação, salvo em benefício de organizações criminosas. Não há dúvida de que o êxito da Justiça contra elas depende, em muitos casos, da traição entre criminosos, do rompimento da reprovável regra do silêncio. Além disso, parece muito difícil justificar a consistência de vedação da espécie com a garantia da ampla defesa prevista em nossa Constituição e que constitui uma conquista em qualquer Estado de Direito. Solto, pode confessar e colaborar. Preso, quando a necessidade do direito de defesa é ainda maior, não. Nada mais estranho. Acima de tudo, proposições da espécie parecem fundadas em estereótipos equivocados quanto ao que ocorre na prática, pois muitos criminosos, mesmo em liberdade, decidem, como melhor estratégia da defesa, colaborar, não havendo relação necessária entre prisão e colaboração.

Na Operação Lava Jato, considerando os casos já julgados, é possível afirmar que foi identificado um quadro de corrupção sistêmica, em que o pagamento de propina tornou-se regra na relação entre o público e o privado. No contexto, importante aproveitar a oportunidade das revelações e da consequente indignação popular para iniciar um ciclo virtuoso, com aprovação de leis que incrementem a eficiência da Justiça e a transparência e a integridade dos contratos públicos, como as chamadas Dez Medidas contra a Corrupção apresentadas pelo Ministério Público ou outras a serem apresentadas pelo novo governo. Leis que visem a limitar a ação da Justiça ou restringir o direito de defesa, a fim de atender a interesses especiais, não se enquadram nessa categoria.

*Sérgio Fernando Moro é juiz federal

Publicado no Estadão em 31/5/2016

CONSELHO DE ÉTICA DA CÂMARA FEDERAL ACEITA DENÚNCIA E ABRE PROCESSO DE CASSAÇÃO DE JEAN WYLLYS

A maioria dos que comentam apostam na cassação do deputado cuspidor

A maioria dos que comentam apostam na cassação do deputado cuspidor

O Presidente do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, o baiano José Carlos Araújo (PR) afirma que vai dar andamento à representação que o PSC promete fazer contra o parlamentar Jean Wyllys (PSOL), que cuspiu em Jair Bolsonaro (PSC) na votação do impeachment da presidente Dilma Rousseff; “Estou esperando PSC entrar com a representação. Temos que respeitar o regimento. Quando chegar, grave ou não, eu tenho que dar andamento. Não posso segurar”… disse Araújo; segundo ele, Wyllys “é reincidente em processos no colegiado”.

Vale ressaltar que a cassação diz respeito à falta de compostura do deputado, ao cuspir na cara do colega. Sua opção sexual nada a tem a ver com o processo, disse um dos membros do Conselho.

FIM DO GOLPE DO BAÚ: CONJUGE NÃO É MAIS OBRIGADO A DIVIDIR PATRIMÔNIO NEM BANCAR EX

Fim do golpe do baú...

Fim do golpe do baú…

A notícia de que o STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu que a partilha do patrimônio de casal que vive em união estável não é mais automática e que as partes vão ter de provar que contribuíram com dinheiro ou esforço para a aquisição dos bens vai mexer com a vida de muita gente. Essa mulherada que ainda acha que o que o homem tem de mais sexy é o cartão de crédito, o carro e o apartamento, vai acabar com uma mão na frente e outra atrás.

Se a bonita só entrar com a fachada na união estável, sem comprovar que suou a camisa (e não daquele jeito que vocês estão pensando), não terá direito ao patrimônio erguido só pelo cara. O mesmo, a princípio, deve valer para mulheres bem sucedidas. Caso seja ela a responsável exclusiva pela construção do patrimônio, se o fulano não comprovar que entrou com grana ou com esforço, vai ele para a rua da amargura.

No mínimo, é justo. Para se partilhar um patrimônio de casal que vive em união estável, o ideal é mesmo que cada um prove que contribuiu com dinheiro ou esforço para a aquisição dos bens. Alguém aí pode berrar, dizendo que há muitas mulheres que abandonam a vida profissional para cuidar da família e dos filhos. A Justiça precisa olhar caso a caso, mas se dedicar exclusivamente ao lar não deixa de ser um baita esforço para o enriquecimento mútuo.

Por outro lado, acho que ex-marido pagar pensão à mulher para o resto da vida é uma aberração. O STJ vem, de fato, entendendo que a obrigação de pagar pensão alimentícia à ex ou ao ex-cônjuge é medida excepcional. Segundo a colunista Mônica Bergamo, da Folha de São Paulo, em um julgamento recente,  o STJ decidiu converter a pensão definitiva da mulher, de 55 anos, em transitória. Ela receberá quatro salários por apenas dois anos. Procurada, a assessoria de comunicação do STJ não tinha informações sobre o caso. Rosane Collor também teve de se contentar com uma pensão por apenas três anos paga pelo ex-presidente Fernando Collor.

As mulheres podem e devem bancar seu próprio sustento. No caso de Rosane Collor, ela teve direito a alimentos “compensatórios” por não ter trabalhado, para seguir a vida política do ex. Mas até isso foi uma opção de vida dela. Depois não adianta chorar.

Os cônjuges aventureiros recebem do STJ uma ótima lição. Fim de linha para o parceiro que quer viver à sombra do outro, achando que estar com renda assegurada para a vida toda.

Agora, é bom que se diga e não custa lembrar: uma coisa é pensão para ex-mulher. Outra, muito diferente, é pensão para filhos. Bancar  ex-esposa ou ex-marido não deve, mesmo, ser uma função de nenhum dos cônjuges. Mas colaborar com o bem-estar das crianças que teve é, sim, obrigação do pai ou da mãe retirante.

Homens insensíveis que se casa, gera um ou mais filhos, separa e se faz de morto na hora de pagar pensão para as crianças merece o que a lei destina: cadeia.

DOM JOSÉ RUI GONÇALVES LOPES, BISPO DE JEQUIÉ CELEBRA MISSA NA BASÍLICA DE APARECIDA DO NORTE/SP

Grande Movimento nas Redes Sociais marca participação do povo Católico Jequieense assistindo a missa Celebrada por Dom José (Bispo Diocesano) e concelebrada por Padre Vitor Menezes (Pároco da Catedral de Santo Antônio de Jequié) no Santuário de Nossa Senhora Aparecida – SP.

Dom José Rui

No bojo da preparação para os 300 anos da aparição de Nossa Senhora Aparecida, a imagem da Santa foi enviada da Básilica de Aparecida do Norte/SP para a Diocese de Jequié nesta segunda-feira (30). A imagem jubilar, que estava no Altar Central da Basílica, foi entregue ao bispo diocesano de Jequié, dom José Ruy, durante a missa que ele presidiu com a concelebração do padre Victor Menezes, pároco da Catedral de Santo Antônio e do Padre João Batista, reitor do Santuário de Aparecida. A celebração foi transmitida para todo o Brasil, ao vivo, pela TV Aparecida e canais alternativos.

A basílica de Aparecida é a segunda maior do mundo e a celebração foi um marco para a diocese que se prepara para receber a imagem da Santa nesta terça-feira (31) com grande carreata na entrada da cidade, com concentração inicial no extinto DERBA, às 16 horas, onde sairá em carreata pelas ruas da cidade e ficará durante a festa do Padroeiro da Diocese, Santo Antônio de Pádua, celebrada durante o período de 1 a 13 de junho.

A festa do Padroeiro além da imagem peregrina recebera vários Shows além de Valorizar a cultura nordestina, esse ano a igreja trará grandes nomes da musica Católica para se apresentar durante o trezenário como Aline Brasil (11), Rosa de Saron (12) e Cantores de Deus (13).

Fonte: http://www.catedraldejequie.com.br  e www.jequieeregiao.com.br  

ÁUDIOS PROVAM O GOLPE… DO PT CONTRA O ERÁRIO

Por Josias de Souza*

Os historiadores fascinarão os brasileiros do futuro quando puderem se pronunciar sobre os dias atuais sem se preocupar em saber o que vai sobrar depois que a turma da Odebrecht começar a suar o dedo. O relato sobre o apocalipse do PT no poder encontrará a exatidão no exagero. Buscará paralelos na dramaturgia grega ao relatar como o petismo saiu da História para cair na vida.

No início desta semana, o PT imaginou que poderia reescrever a história a partir da gravação de uma conversa em que Romero Jucá insinua para Sérgio Machado que a queda de Dilma e a ascensão de Temer poderia resultar num “pacto” para “estancar a sangria” da Lava Jato. Está confirmado o golpe, alardearam Dilma e os petistas.

Passaram-se os dias. Sobrevieram as gravações dos diálogos que Machado travou com Renan Calheiros e José Sarney. Veio à luz a delação do ex-deputado Pedro Corrêa, do PP. Antes que pudesse comemorar uma mudança dos ventos, o PT viu-se enredado num redemoinho que o devolveu rapidamente à defensiva.

Numa das conversas colecionadas por Machado, Sarney declarou que a própria Dilma pediu dinheiro à Odebrecht para nutrir a caixa registradora de sua campanha e remunerar o marqueteiro João Santana. Previu que madame será abatida numa confissão da turma da empreiteira, “metralhadora ponto 100”.

Em sua delação, Corrêa iluminou o submundo em que Lula se meteu para comprar apoio congressual com dinheiro roubado da Petrobras. Estilhaçou a retórica do “eu não sabia” ao relatar reuniões em que o morubixaba do PT apartou brigas dos aliados por dinheiro ilegal e ordenou a nomeação de diretores larápios para a estatal petroleira.

Quando puder relatar à posteridade tudo o que sucedeu, a História descreverá uma fantástica sequência de fatos extraordinários acontecidos com pessoas ordinárias —em todos os sentidos. E concluirá que houve, de fato, um golpe no Brasil. Um golpe do PT e da quadrilha que gravitou ao seu redor contra o erário.

*Josias de Souza é jornalista, articulista, analista político e escritor. Em 2011, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo (Regional Sudeste) com a série de reportagens batizada de “Os Papéis Secretos do Exército”.

CONCESSIONÁRIA VIA BAHIA PAGOU R$ 6,2 MILHÕES A ALVO DA LAVA JATO

Segundo os investigadores, a firma aberta em 2004 com sede em Sumaré (SP) é “uma lavanderia de dinheiro”

LAVA JATO - OPERAÇÃO VÍVIO        Os empresários Eduardo Aparecido de Meira e Flávio Henrique Macedo, sócios da Credencial Construtora, que foram presos nesta terça-feira, 24, na 30ª fase da Lava Jato Foto: Giuliano Gomes/Estadão

LAVA JATO – OPERAÇÃO VÍCIO
Os empresários Eduardo Aparecido de Meira e Flávio Henrique Macedo, sócios da Credencial Construtora, que foram presos nesta terça-feira, 24, na 30ª fase da Lava Jato Foto: Giuliano Gomes/Estadão

As investigações da Operação Lava Jato na movimentação financeira da Credencial Construtora Empreendimentos e Representações – principal foco da 30ª fase batizada de Operação Vício – abrem novas frentes de apurações, segundo o jornal Estadão. Uma das empresas que aparece na quebra de sigilo da Credencial por ter feito depósitos na conta da investigada é a ViaBahia Concessionária de Rodovias S.A..

De acordo com a reportagem, ela repassou em 2013 um total de R$ 6,2 milhões para a empresa alvo da Operação Vício. Segundo os investigadores, a firma aberta em 2004 com sede em Sumaré (SP) é “uma lavanderia de dinheiro”. A ViaBahia foi formada pela espanhola Isolux Corsán Concesiones e pelas brasileiras Engevix – do cartel denunciado na Lava Jato – e da Encalso.

A empresa venceu, em 2009, um dos pacotes do leilão de concessão do governo Luiz Inácio Lula da Silva para administrar por 25 anos 680 quilômetros de rodovias, entre elas trecho da BR-116 (rodovia Santos Dumont) entre Feira de Santana até a divisa com o Minas Gerais, e a BR-324 (rodovia Engenheiro Vasco Filho) entre Salvador e Feira de Santana. A Isolux deixou a sociedade neste ano.

Jornalista da Jovem Pan desmonta farsa de vídeo publicado por Dilma com ‘mulher das 10 horas..

vale a pena conferir com Madeleine Lacsko:

RADIALISTA JORGE NUNES INTERNADO NO HGPV

Nossas preces pela recuperação do companheiro Jorge Nunes

Nossas preces pela recuperação do companheiro Jorge Nunes

Recebemos informações dos companheiros da imprensa, em especial do sempre solidário Waldemir Vidal acerca do agravamento da enfermidade do radialista Jorge Nunes que vem lutando há três anos contra um câncer no cérebro. Transcrevemos o texto do jornalista Wilson Novaes com quem compartilhamos os sentimentos e as palavras sobre o estado de saúde desse profissional competente, estudioso, profundo conhecedor de programação musical e sensível técnico de som:

“O radialista Jorge Carlos Nunes Vieira – Jorge Nunes (Rádio Cidade Sol FM), deu entrada na manhã desta quinta-feira (26/5), com o estado de saúde bastante comprometido na emergência do Hospital Geral Prado Valadares-HGPV, em Jequié, sendo determinado de imediato o seu internamento na unidade hospitalar. Jorge Nunes convive com uma grave enfermidade há cerca de três anos, decorrência de um tumor no cérebro. Em 2014, Jorge Nunes foi submetido a uma segunda cirurgia em Salvador, tendo retornado posteriormente a sua residência em Jequié, onde chegou a obter recuperação satisfatória, dando continuidade ao tratamento. Recentemente ele retornou a Salvador e não teve o aconselhamento médico para ser submetido a uma nova cirurgia. Colegas de trabalho que acompanhavam o radialista na sua condução ao hospital, informaram ao blog Jequié Repórter, que seu quadro de saúde teve agravamento nas últimas horas, levando-o inclusive à perda temporária da consciência. O estado de saúde de Jorge Nunes é muito delicado e inspira cuidados.

Conclamamos a todos os colegas, amigos de Jorge Nunes e a todos os nossos leitores que direcionem suas orações pedindo a proteção de Deus para esse profissional da radiodifusão de Jequié, que convive com momento extremamente difícil, ao lado de seus familiares.