Arquivo para ‘Educação’ Categoria

LANÇAMENTO DO LIVRO “PORTAS DO ÉDEN” REVIVE OS MOMENTOS CULTURAIS DE IPIAÚ EM TEMPOS ÁUREOS

O salão do plenário da Câmara Municipal de Ipiaú esteve lotado na noite desta sexta feira (16) participando do lançamento de “Portas do Éden – a Poética de José Américo Castro e o Imaginário Coletivo de Ipiaú”. O livro, organizado e produzido pelo advogado, professor Paulo Andrade Magalhães, em parceria com a Editora Nós e Vós, reúne um significativo conteúdo com textos do jornalista e poeta José Américo da Matta Castro, e conta, também, com a prosa e poesia de vários ipiauenses e contemporâneos, em um conjunto de depoimentos sobre temas variados que envolvem Ipiaú em todos os tempos.

Foto Vicente Andrade (Blog Bote Fé)

A surpreendente programação coordenada pelos integrantes do grupo Coletivo Cultural preencheu a noite com talento e qualidade. Compositores, cantores, atores, poetas e instrumentistas se apresentaram com pronunciamentos, recitais e esquetes rápidos e inteligentes, relativos ao Cine Éden e ao autor. Foi assim com o grupo Concriz, da cidade de Maracás, os violonistas Caio Novaes na abertura e Paulo César Andrade (Caco), no encerramento.

“Portas do Éden” propõe um diálogo entre a literatura, a história sócio-cultural, as memórias e imagens de Ipiaú, através das narrativas do jornalista e poeta que assina a autoria e de grupos sociais da cidade, com seus hábitos e costumes; ideias e valores, gostos, comportamento, símbolos, sentimentos e sensações.

Na mesa diretora dos trabalhos, o organizador do livro, Paulo Magalhães, o ex-ministro da Cultura Juca Ferreira, a Secretária Municipal de Governo de Ipiaú, representando a prefeita Maria das Graças Mendonça, os vereadores Josenaldo de Jesus e Cláudio Nascimento, o primeiro representando a presidência do Legislativo, que se revezaram, em pronunciamentos curtos e objetivos, enaltecendo a iniciativa da obra.

O evento contou também com a presença do cineasta ipiauense Edson Bastos, autor do movimento “Por um novo Cine Éden”, do presidente da Academia de Letras de Jequié, Júlio Lucas, do diretor de Cultura do Município de Ipiaú, Marcelo Batista, do diretor do Território do Médio Rio de Contas, José Mendes da Silva, da totalidade dos membros do Coletivo Cultural, representado na Mesa por Ivan Santos e da ACENE – Associação Cultural Euclides Neto, do ex-deputado e ex-presidente do Conselho Nacional dos Produtores de Cacau, Ewerton Almeida, Tom Legal, que em seu pronunciamento teve oportunidade de reviver episódios do passado, inclusive envolvendo o ex-ministro Juca Ferreira, levando aos presentes um pouco da história de Ipiaú.

Foto Vicente Andrade (Blog Bote Fé)

Dois momentos de destaque: a participação do grupo cultural de Maracás, “Comcris” que declamou poesias de autoria de José Américo e outros autores bem assim o emocionante texto do jornalista, poeta e escritor Sergio Mattos, de quem José Américo foi aluno no curso de graduação de jornalismo na UFBA.

Emocionado, o jornalista, poeta e agora escritor, José Américo Castro, agradeceu a presença de todos, transferiu as homenagens  recebidas ao verdadeiro promotor do evento, o advogado Paulo Magalhães, seu amigo de infância, companheiro de agitações culturais ressaltou, ao concluir, a atual efervescência cultural de Ipiaú e a importância da luta coletiva.

SÃO JOÃO DE JEQUIÉ TEVE SUA ABERTURA LOGO APÓS O ENCERRAMENTO DOS FESTEJOS DE SANTO ANTÔNIO

De acordo a tradição, no dia seguinte ao encerramento do trezenário em homenagem a Santo Antônio. A Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, deu início à programação do São João 2017 de Jequié.

A solenidade de abertura, na Vila Junina, sem as adaptações anteriores da Praça Rui Barbosa, o prefeito Sergio da Gameleira acompanhado por seu secretariado ocupou o palco Patativa do Assaré, na noite de quarta-feira, 14, para a abertura oficial e ouvir do Secretário Alisson Andrade que estava tudo pronto para a grande festa de São João, agora em menores dimensões, mas, nem por isso, menos animada e com farta programação.

Entre os convidados, esteve presente o deputado federal Antônio Brito, o vice-prefeito e Secretário de Saúde, Hassan Youssef, vereadores da base de apoio da prefeitura e a representante do Conselho do São João, a também vereadora Laninha.

Depois da execução da queima de fogos de artifício, alguns discursos e muita confraternização, foi apresentado o espetáculo “Chamego: uma fuxicação de Luiz a caatinga jequieense”, produzido pelos corpos artísticos da Secut/Prefeitura; a Cia de Teatro com o Canto da Saracura, quadrilha junina e arrasta-pé com o Forrozão Belo Xote.

JEQUIÉ: CATEDRAL RECEBE FIÉIS PARA MISSA DE ENCERRAMENTO DA TREZENA DE SANTO ANTÔNIO

O Bispo Diocesano Dom José Rui Gonçalves celebrou a missa de encerramento dos festejos de Santo Antônio em Jequié. A Tradicional festa do Padroeiro do município, este ano presidida pelo casal Beto e Keila, contou com uma extensa programação atraindo uma multidão à Catedral de Santo Antônio ao longo dos treze dias em que as homenagens foram prestadas. Apesar da restrição feita pela Comissão Organizadora da festa à venda de bebidas alcoólicas e outras manifestações consideradas pagãs, parte expressiva da população se fez presente às celebrações do trezenário que culminaram com a procissão e missa de encerramento. Como sempre, profissionais liberais, fazendeiros, bancários, estudantes, Políticos, autoridades e devotos do santo franciscano que nasceu em Lisboa em 1195 e que morreu em Pádua na Itália no ano de 1231, sempre muito festejado em Jequié e em todo o Brasil.

Na foto, o ex-deputado federal Leur Lomanto, fiel tradicional a Santo Antônio de Pádua, desde os seus pais, Hildete e Antônio Lomanto Júnior, acompanhado pelos deputados estaduais Deputado Leur Lomanto Junior e Sandro Regis.

A população compareceu (Foto Zenilton Meira)

INAUGURADA A SEDE DO PROGRAMA ASSEMBLEIA DE CARINHO NA ALBA

Sob a presidência da Bacharel em Turismo e “Primeira Dama” da ALBA, Eleusa Coronel, o programa “Assembleia de Carinho”, concebido para incrementar o incentivo e conscientização da importância do trabalho voluntário, inaugurou nesta terça (13) a sede da entidade, localizada na espaço ajardinado do térreo da Assembleia Legislativa.

A atividade da Assembleia de Carinho gira em torno da atuação das deputadas estaduais e esposas dos parlamentares, independentemente de vínculos partidários ou ideologia política. Apesar do pouco tempo de implantação, já conta com iniciativas vitoriosas como a participação da Assembleia Legislativa da Bahia, nas ações desenvolvidas pela Fundação Doutor Jesus, e, recentemente se dispôs, mediante convênio de cooperação, trabalhar em prol de instituições como o Hospital Aristides Maltez e a Organização Social Irmã Dulce.

Carismática, agradável no trato, Eleusa Coronel catalisa energias de solidariedade em torno do seu projeto, agrega funcionários efetivos e terceirizados, conta com o concurso de deputados e deputadas e já leva o nome do “Programa Assembleia com Carinho” a ter destaque nos principais municípios do estado da Bahia e até em outros estados da federação.

O novo espaço tende a dinamizar ainda mais as ações do grupo, conquista novos trabalhadores e influenciar a cada vez mais voluntários a ingressarem no projeto e, como diz Eleusa Coronel “… As pessoas crescem ao adotarem atitudes que transformam”. Parabéns à “primeira dama” da ALBA.

SENHOR GOVERNADOR

Por Aninha Franco*

Publicado em Trilhas: Correio da Bahia

 

 

Apesar de ter nascido no Pelourinho, na Rua 13 de Maio, e dele ter saído aos quatro meses para morar em Brotas, em urbanização, não podia freqüentá-lo do meu nascimento até os Anos 1990, porque não era seguro, nem próprio às mulheres honestas. Em 1994, ancorei num Pelourinho pujante, com um teatro intenso ocupando as ruas do bairro nos primeiros momentos pós revitalização. E quando as Praças Quincas Berro D’Água e Pedro Arcanjo foram construídas, receberam, até, 1200 espectadores para assistir atores e autores que lotavam os teatros noutros bairros da cidade. Tenho fotos de espectadores sob a chuva, com sombrinhas, assistindo “Esse Glauber”, porque não havia lugar sob os toldos.

Isso podia acontecer qualquer dia da semana, exceto terça-feira, quando todas as ruas do Pelourinho lotavam com as Terças das Bênçãos que movimentavam o bairro com shows musicais – Gerônimo era um escândalo na Escadaria da Igreja do Paço – e grupos de percussão. Diante do sucesso do teatro nas praças, ele foi convidado a montar a democracia republicana do Theatro XVIII, um teatro para todos, inaugurado em 13 de Junho de 1997, que rapidamente recuperou a Rua Frei Vicente, o Baixo Maciel, e nos anos seguintes solidificou-se com um problema: falta de espaço para abrigar as platéias que chegavam, furiosamente. O espetáculo “Três Mulheres e Aparecida”, em 2000, esgotava todas as sessões com três meses de antecedência, o espetáculo “Brasis” provocou o arrombamento da porta do Theatro, fechado por seus funcionários porque não podia receber público nem no foyer.

Os freqüentadores do XVIII, da Benção, do Miguel Santana com o Balé Folclórico dispunham de Gastronomia variada, possível a todos os preços, que hoje resta em sua totalidade no Guia de Bares e Restaurantes do Pelourinho, (Sebrae/Ba, 2004), porque centenas de comerciantes fecharam as portas a partir de 2007, com as políticas públicas estaduais, turísticas e culturais, impostas ao Centro Histórico, esvaziando o Pelourinho de soteropolitanos e turistas que o mantinham cheio. A partir de Janeiro de 2007, a pujança dos Anos 1990 que alimentava a economia da cidade foi secando e sendo transformada num deserto, perverso, onde nem mendigos vêem por falta de clientes. A sede dos Correios que era um Centro Cultural com exposições importantes foi fechada e a Agência do Banco do Brasil foi transformada em posto, aconselhando ao turista que quer efetuar câmbio que se dirija a outras agências.

O Pelourinho, parte importantíssima do Centro Histórico de Salvador, declarado Patrimônio da Humanidade, em 1985, está desértico sem suas âncoras, desaparecidas com políticas públicas equivocadas, como é equivocado, agora, o esvaziamento das praças durante o São João. Tenho na memória a propaganda do governo iniciado, em 2007, com Jaques Wagner, e continuado por V. Exa, de que o governo da Bahia trabalha para quem mais precisa. Os comerciantes que trabalham nas praças do Pelourinho já não conseguem sobreviver com as suas famílias por carência de clientela local ou visitante. E agora, às vésperas do São João, se não conseguirem trabalhar nele, perderão um dos seus poucos suspiros.

 *Aninha Franco é escritora, pensadora, poeta, dramaturga, crítica, advogada e ativista cultural.

PORTAS DO ÉDEN LIVRO DO JORNALISTA JOSÉ AMÉRICO CASTRO SERÁ LANÇADO PRÓXIMA SEXTA (16) EM IPIAÚ

Organizado pelo professor e advogado Paulo Andrade Magalhães e publicado pela Nós e Vós Editora, finalmente ficou pronto o livro “Portas do Éden” que retrata a poética do jornalista Zé Américo e o imaginário coletivo de Ipiaú.

Paulão, companheiro e amigo do ativo militante da cultura ipiauense desde sempre, decidiu juntar relatos, memórias, trechos de publicações, folclore e, sobretudo, retalhos da história contemporânea da Ipiaú dos anos 70 até o dias atuais, elegendo o Cine Éden, Rio Novo Tênis Clube e o Ginásio de Rio Novo como referências culturais da região, palco e cenário de uma época onde a irrequieta e engajada juventude as artes, peças teatrais, eventos populares e a imprensa escrita como instrumentos de manifestações culturais que contribuíram para a formação de leitores, plateias, agentes sociais e ativistas políticos, dotando a sociedade atual de profissionais comprometidos com o desenvolvimento da cidade.

Assim, o plenário da Câmara de Vereadores de Ipiaú deverá estar lotado na próxima sexta feira, 16 de junho, para a solenidade de lançamento do primeiro de uma série de livros que, por certo Zé Américo vai disponibilizar aos seus inúmeros e habituais leitores de crônicas, artigos e reportagens publicadas na imprensa desde que retornou para sua cidade natal.

Conforme texto publicado pelo dr. Paulo Andrade Magalhães, “A obra “Portas do Éden” é uma homenagem ao Cine Theatro Éden que foi a porta de entrada para um conhecimento mágico-cultural-político dos habitantes de Ipiaú. Retrata o imaginário sócio-cultural da cidade a partir da genialidade poética do jornalista José Américo Castro, que expõe parte da sua produção literária e pesquisas sobre personalidades folclóricas; também das lembranças retidas nas memórias de ipiauenses; além das imagens dos cronistas visuais (fotógrafos), que cumpriram um importante papel social ao focarem vivências comunitárias, construções físicas e comportamentos da vida urbana que estabelecem diálogos com o presente.

Com 272 páginas e formato de 17×24, teve a sua publicação viabilizada por edital e contou com apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda, Fundação Cultural do Estado da Bahia e Secretaria de Cultura da Bahia; além do apoio cultural da Faculdade da Cidade do Salvador (FCS) e da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Funcionários da CEPLAC (COOPEC). O projeto gráfico e a capa do livro foram elaborados por Tadeu Leite, as ilustrações por Lula Leite (Fenemê) e Jurnier Costa, todos artistas ipiauenses.

Os organizadores do evento confirmam presença de companheiros de imprensa de Zé Américo, artistas, agentes culturais, autores, professores e amigos da região para abrilhantarem a festa de lançamento de um livro que é um novo marco da renascente cultura ipiauense.

ESPERANDO O SÃO JOÃO: PERNAMBUCO

Finalmente começamos a ver o tradicional pé-de-serra prevalecendo nos palcos dos festejos juninos do Nordeste brasileiro. O cantor e compositor pernambucano, Flávio Leandro, apresenta sua excepcional composição “Oferendar” e apresenta sua filha, Sarah, pela primeira vez no palco para uma prévia de São João.

 

JORNALISTA E ESCRITOR SERGIO MATTOS LANÇA O SEU 50º LIVRO: “LEITURA EM PRIMEIRA MÃO”

Por Luiz Guilherme Ponte Tavares*

O livro “Leitura em primeira mão” (Salvador: Quarteto, 2017), do escritor Sérgio Mattos, não será vendido no dia do lançamento (quinta-feira, 08.06, das 17 às 20h) no IGHB. O exemplar será trocado e as fraldas geriátricas arrecadas serão doadas ao Abrigo Irmã Maria Luiza.

Este novo trabalho do escritor reúne prefácios e orelhas de livros de ficção e não-ficção e inova, como se fosse estímulo aos autores, com a publicação de textos que permanecem inéditos porque os livros para que se destinavam não foram (ainda) publicados.

O jornalista, poeta, professor e escritor Sérgio Augusto Soares Mattos, que completará sete décadas de atuante vida em 1º de julho de 2018 (nasceu em Fortaleza em 1948), é professor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), diretor da editora dessa universidade, é o 2º vice-presidente da Associação Bahiana de Imprensa (ABI) e é o editor da Revista do IGHB.

Somos amigos há mais de 40 anos.

*Luiz Guilherme Ponte Tavares é jornalista, doutor em Comunicação, historiador e escritor

DÓRIA OBTÉM NOVA VITÓRIA NA LUTA CONTRA O CRACK E JUSTIÇA AUTORIZA INTERNAÇÕES À FORÇA

Só quem conhece a realidade da rua Sta Ifigênia e adjacências no centro de São Paulo, pode avaliar a degradação da horda de viciados que vivem naquelas artérias da cidade.

São Paulo – A Justiça autorizou o município de São Paulo a efetuar internações à força de usuários de crack. É mais uma vitória parcial do prefeito João Dória Júnior na luta contra o ‘crack’, uma droga avassaladora e de difícil tratamento, que nunca nenhuma autoridade ousou enfrentar.

O primeiro grande trunfo nesta luta árdua foi o fim da ‘cracolândia’ e devolução da área ao povo paulistano.

Enfrentando ferrenha oposição de movimentos de esquerda e dos defensores de ‘direitos humanos’, o prefeito conseguiu ordem judicial para que num período definido de 30 dias, agentes sociais e de saúde e guardas-civis, possam retirar à força os usuários das ruas para uma avaliação de psiquiatras e médicos e posterior de um juiz. Esse tipo de abordagem não era permitido e sempre deverá ser individualizada e feita só a maiores de 18 anos.

Entidades defensoras de direitos humanos, defensoria pública, Ministério Público e o próprio CREMESP (Conselho Regional de Medicina de Estado de São Paulo) estão contra a atuação da prefeitura. Da mesma forma como se agregaram para as permissividades que complementou a Constituição de 1988, enchendo-a de penduricalhos que acabou prejudicando o funcionamento da nação brasileira com paternalismos, cota disso, cota daquilo…

Agora, no episódio da “Cracolândia”, esses órgãos estão encarando a internação compulsória como uma prisão e alegam que o usuário de drogas não é criminoso. Preferem ignorar o fato de que o viciado sequer admite tratamento para livrá-lo da dependência. Que é necessário uma iniciativa, um movimento externo para determinar o começo do tratamento. Enquanto isso, a sociedade, a família, a nação vem se degradando com o crescimentos de legiões de drogados, com o fortalecimento do comércio de droga que alimenta o tráfico, tendo como consequência o crescimento vertiginoso da violência, que já chegou a todo o país, inclusive nas pequenas cidades do interior do Brasil.

Mesmo diante do quadro, a esquerda, que domina algumas dessas entidades, considera um erro o extermínio da ‘Cracolândia’. O Conselho Regional de  Medicina do Estado de São Paulo, por exemplo, promete instaurar procedimento administrativo contra os médicos que realizarem a internação na forma planejada pelo prefeito de São Paulo, João Dória.

Com tanta gente defendendo os ‘craqueiros’ e, por consequência’ protegendo traficantes, não é sem razão que o número de viciados vinha aumentando de maneira assustadora em São Paulo e em todo o país.

IPIAÚ: AUDIÊNCIA PUBLICA DISCUTE DESTINO DO RIO NOVO TÊNIS CLUBE

Por José Américo Castro

Acontece nesta sexta-feira, 29, a partir das 19hs:30min, no Salão do Plenário da Câmara Municipal de Ipiaú, a Audiência Publica que definirá as futuras formas de uso e modelo de gestão do Rio Novo Tênis Clube -RNTC- uma das mais tradicionais instituições da cidade que tornou-se palco de eternas emoções da comunidade local.

A ideia é transformar o espaço em um Centro Cultural Integrado, abrigando harmoniosamente as diversas formas de manifestação da cultura artística, desde salões de exposição, bibliotecas setoriais, cinema, oficinas, até um museu, além da dinamização dos equipamentos esportivos e parque aquático.

O evento decorre de uma proposição do vereador Claudio Nascimento, com apoio do Coletivo Cultural de Ipiaú e da coordenação do Território de Identidade do Médio Rio das Contas.

No próximo domingo, 29, o RNTC completa 68 anos de existência e desde já foi presenteado com um Projeto de Lei que dispõe sobre o tombamento do seu prédio como patrimônio histórico, artístico e cultural do município de Ipiaú.

O Projeto nº 010/2017, da autoria do vereador Claudio Jussi Nascimentoo-PSD- está em consonância com o Capitulo Quinto da Lei Orgânica do Município que reza ser da competência do município proteger os documentos, as obras e outros bens de valor histórico e cultural, cabendo à Prefeitura intervenções de manutenção,conservação e adaptações que venham beneficiar a segurança e bem estar da comunidade.

A fachada original do prédio (foto) deve ser restaurada caso a audiência decida pela manutenção do patrimônio.

Fotografias e depoimentos

No decorrer da Audiência Publica serão projetadas em um telão uma serie de fotografias históricas do clube e veiculados depoimentos de antigos sócios e ex presidentes da entidade.

Inaugurado no ano de 1949, o RNTC teve como primeiro presidente o farmacêutico Waldemiro Santos que esteve à frente de uma diretoria formada por Salvador da Matta, Protogenes Jaqueira, Manoel Pinto (Mapin), Ademar Esteves, Edvaldo Santiago e Odilon Santos Costa, dentre outros homens que dedicaram amor a esta cidade e alicerçaram a cultura entre nosso povo.

Veja o vídeo