Arquivo para ‘Educação’ Categoria

MORRE AOS 70 ANOS TANAJURA, O MAIOR ARTILHEIRO DA HISTÓRIA DA ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA JEQUIÉ (ADJ)

O bancário aposentado João Alberto Tanajura [completaria 70 anos em 12 de janeiro do próximo ano) faleceu na manhã desta segunda-feira, 16, em Salvador, no Hospital da Bahia. Ele foi submetido a uma cirurgia do fígado havia 15 dias. Tanajura era natural de Paramirim e veio jogar na região, na década de 1960, convidado então por Dilermando, para  jogar futebol na equipe do Independente de Ipiaú. Posteriormente foi trazido para Jequié, juntamente com o conterrâneo e anfitrião, Dilermando, [atualmente médico em Feira de Santana] por Maneca Sampaio, que presidia a equipe amadora do Clube Recreativo Jequié, chegando daí, à seleção de Jequié, campeã do Intermunicipal em 1969, de onde ascendeu ao futebol profissional formando a equipe profissional da Associação Desportiva Jequié-ADJ.

Em 1970 envergando a camisa da ADJ chegou à condição de artilheiro. Tanajura em Jequié ingressou nos quadros do extinto Baneb, tendo se casado em Jequié, com Sônia Pinto. Era pai do ex-zagueiro do Vitória e do Flamengo, Flávio Tanajura, atualmente no quadro de comentaristas esportivos da TV Educativa. O sepultamento aconteceu na tarde desta segunda, 16, às 16h30, no Cemitério Jardim da Saudade, em Salvador.

Fica a saudade de um estilo, de um jogador de futebol elegante, cavalheiro, cujos dribles e gols empolgavam a torcida de toda a região. Compunha, junto com Dilermando, Cardoso, Marquinho, Edmilson, Mac Donald, Dermival Lucena, Cléo, Humberto Cabeleira, Everaldo Galvão e tantos outros, os craques de uma época, admirados por uma geração privilegiada por assistir bons jogadores de futebol.

REPROVADA, AUTORA DO IMPEACHMENT VÊ PERSEGUIÇÃO NA USP

Janaína Paschoal

Reprovada no concurso para professora titular da Universidade de São Paulo (USP), uma das autoras do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, Janaina Paschoal, vê “perseguição” no processo. Ela leciona na Faculdade de Direito desde 2003 e concorreu com três colegas a duas vagas de titularidade– último degrau da carreira acadêmica – e ficou em quarto lugar. Janaina entrou com recurso no qual pede a anulação da disputa e diz que o primeiro colocado apresentou um trabalho sem originalidade, um requisito para a aprovação. “Não tenho como negar a perseguição, não é só política. É maior do que isso, é de valores mesmo”, afirmou Janaina. “Eu já sabia que não teria a menor chance de ganhar pelas questões políticas, eu já esperava ser reprovada. Eles me veem como uma conservadora”, disse a docente. A direção da faculdade, no entanto, negou quaisquer irregularidades no concurso. O resultado da disputa saiu em setembro e a professora, à época, disse em sua conta no Twitter que “ganhou em último”. Janaina recebeu as notas mais baixas dentre os professores avaliados, entre 3,5 e 6 – de dez pontos possíveis. No microblog, ela afirmou que não iria recorrer, mas, depois de receber ligações de antigos professores da instituição alertando, segundo ela, para a estranheza das notas tão baixas, procurou se “informar mais”. Janaina apresentou uma petição ao diretor da faculdade, José Rogério Cruz e Tucci, para que ele analisasse o que ela chamou de “inverdades”. A professora alegou que tem 28 livros publicados e que a banca examinadora – formada por cinco professores – não reconheceu sua produção. A professora também recebeu notas menores às dos outros concorrentes quanto à prestação de serviços à comunidade. “Fui presidente do Conselho de Entorpecentes de São Paulo, estou na segunda gestão como membro do Conselho Seccional da OAB-SP, tudo de graça. Dá um Google no meu nome, vê o tanto de entrevista que dei sobre assuntos de interesse à comunidade. Como podem afirmar que não presto serviços? ” Na petição, Janaina solicitou que as “inverdades” nos pareceres da banca fossem corrigidas, a instauração de uma comissão isenta para apurar as irregularidades que apontou e ainda requereu falar à Congregação – órgão colegiado que homologa concursos. Após o pedido ser indeferido, ela apresentou um recurso na quinta-feira passada – dessa vez, pedindo a anulação do concurso. Se não for aceito, disse que vai judicializar.

Informações: jornal O Estado de São Paulo

COMUNIDADE UNEB VAI ÁS URNAS NESTA TERÇA (3)

A comunidade da UNEB, vota para Reitoria e Vice-Reitoria nesta terça (3 para o processo de votação da eleição direta –  Quadriênio 2018-2021.

A Assessoria de Comunicação do órgão distribuiu nota com informações elucidativas, confira:

Quem pode votar?

I – Docentes e técnicos administrativos do quadro permanente;

II – Discentes de graduação, pós-graduação e programas especiais, regularmente matriculados,

III – Docentes e técnicos administrativos contratados pelo Regime Especial de Direito Administrativo (REDA);

IV – os ocupantes de cargos de provimento temporário, ingressos na Universidade há mais de 04 (quatro) anos ininterruptos.

Os votos têm o peso de 1/3 para cada segmento, garantindo, assim, o voto paritário.

Observação: São impedidos de votar os docentes e técnicos administrativos em gozo de licença para interesse particular e à disposição de outro órgão.

Veja listas de técnicos administrativos, docentes e estudantes aptos para votar

Como faço para votar?

Para participar, basta que o votante se dirija a mesa receptora referente ao seu setor ou departamento, entre 8h e 21h, ou de acordo com o horário de funcionamento das unidades administrativas e dos polos Parfor e EaD.

Por ordem de chegada, o votante se identificará, mediante a apresentação de um documento de identificação com foto (RG, CNH, carteira de registro profissional ou carteira de trabalho) ao presidente da mesa receptora.

Há ainda a necessidade de assinar, em seguida, a lista de votantes correspondente ao seu segmento ou representação.

Observação: Em função do calendário das matrículas, os discentes dos programas especiais só poderão votar nos municípios onde funcionam os programas, ou seja, para esse eleitorado em específico, não haverá voto em separado (voto em trânsito).

Veja listas de mesas receptoras da capital e do interior do estado

Está fora da sua sede?

Caso o eleitor não esteja no seu local de votação, poderá votar em separado (voto em trânsito) em qualquer departamento ou órgão da universidade onde tenha mesa receptora.

Neste caso, além do documento com foto, o eleitor deverá apresentar comprovante de vínculo com a Universidade, tais como: comprovante de matrícula (no semestre 2017.2) para estudante e contracheque recente (do mês de setembro) para docentes e funcionários.

Ainda não possui matrícula?

Os eleitores que ainda não possuem matrícula devem apresentar um documento oficial e original (termo de posse, termo de assunção), que comprove seu vínculo com a Instituição.

Quando irá iniciar a apuração?

De acordo com informes divulgados pela Comissão Eleitoral, a apuração terá início a partir de 21h, para todos os locais de votação.

Veja resolução que aprova norma regulamentar para a eleição direta dos cargos de Reitor e Vice-Reitor (Resolução Consu nº 888/2012)

Mais informações no site www.portal.uneb.br. ou consultar Assessoria de Comunicação (Ascom) da UNEB – Tel.: (71) 3117-2245

PROFESSORA, EX-DIRETORA DO ILÊ AIYÊ, ARANY SANTANA, É A NOVA SECRETÁRIA ESTADUAL DE CULTURA

Professora Arany Santana

O governador Rui Costa informou na tarde desta sexta-feira (29) que a Secretaria de Cultura do Estado será comandada por Arany Santana, ex-diretora do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI). A cerimônia de posse será na próxima segunda-feira (1º), às 14h, no Salão de Atos da Governadoria.

Arany ocupa a vaga deixada por Jorge Portugal, que entregou carta ao governador para pedir exoneração do cargo na última quinta (28).

Professora, atriz e ex-diretora do Ilê Aiyê, Arany Santana diz que dar continuidade ao trabalho implementado na gestão é motivo de honra. “A cultura teve avanços na Bahia principalmente com o projeto de interiorização, com as Escolas Culturais. Como educadora, acho um dos projetos mais importantes junto às escolas públicas. Vamos continuar garantindo um trabalho de qualidade junto a artistas e grupos sociais”, declarou a nova secretária.

JORGE PORTUGAL PEDE EXONERAÇÃO DO CARGO DE SECRETÁRIO DE CULTURA DA BAHIA

Foto Lucas Rosário

A Secretaria de Comunicação confirma o recebimento, nesta quinta feira (28), de carta com o pedido de exoneração encaminhada ao governador Rui Costa, por Portugal, sob alegações de “questões pessoais e profissionais”.

Em nota, a governadoria destaca os “relevantes serviços prestados pelo professor, compositor, Jorge Portugal. Segundo circula nos meios de informação, o nome do substituto será anunciado nos próximos dias.

SERÁ ENTRE 5 e 8 DE OUTUBRO, A FESTA LITERÁRIA INTERNACIONAL DE CACHOEIRA – FLICA 2017

A Festa Literária Internacional de Cachoeira já se tornou tradição no calendário de eventos literários do Brasil. A sétima edição, entre os dias 5 e 8 de outubro, segue trazendo para o Recôncavo Baiano influentes nomes da literatura nacional e internacional, com programação para adultos e crianças. Em 2017, como nas edições anteriores, estão programados debates literários, lançamento de livros, exposições, apresentações artísticas, contações de histórias e saraus.

Este ano, Ruy Espinheira Filho será o homenageado. Autor de mais de 20 livros, recebeu diversos prêmios, como o Nacional de Poesia Cruz e Sousa,  Nestlé, Ribeiro Couto, da União Brasileira de Escritores, de Poesia da Academia Brasileira de Letras, Portugal Telecom, Rio de Literatura, além de ganhar o Jabuti. Tem contos e poemas em diversas antologias publicadas no Brasil e no exterior (Portugal, Itália, França, Espanha e Estados Unidos).

A Editora Galinha Pulando vai estar presente durante a programação. A escritora Rita Pinheiro e o poeta Valdeck Almeida de Jesus estarão no estande.

Entre os títulos que a Editora vai comercializar, durante o evento, está o “Memorial do Inferno”, de Valdeck Almeida de Jesus, que conta a história da família Almeida, natural de Jequié, que passou fome por mais de 25 anos e que conseguiu se estabelecer, apesar das adversidades. Valdeck Almeida também apresenta “Gayroto de Programa: 5000 mil tons de sexo”, que é o relato da vida nada romântica de um homossexual nascido na pequena Upabuçu, cidade da região de Lagedo do Tabocal, no Vale do Jequiriçá e emociona pela crueza e beleza da luta de um gay interiorano que tenta, a seu modo, ser aceito e conquistar um amor;

Já Rita Pinheiro estará autografando “Os poemas que eu não gostaria de escrever e nem você de ler”. A professora Rita Pinheiro faz poemas que cortam, dilaceram, sangram. A obra é forte, dura, incisiva, luta contra todo tipo de injustiça, principalmente contra a violência contra a mulher. Emocionante e pleno de afetividade, este livro marca um lugar na história da poesia da Bahia.

Na Feira há sempre espaço para as crianças. Livros e brincadeiras criam um universo lúdico para a Fliquinha, um espaço literário direcionado aos pequenos. A curadoria é de Lília Gramacho e Mira Silva, que já estão no posto há cinco anos.

Aos amantes da literatura de todas as idades e gostos, a Flica é um espaço para contemplar o mundo das letras, sendo um dos maiores eventos literários do país.  As mesas de debate ocorrem, desde a primeira edição, no já mencionado Claustro, enquanto a Fliquinha tem lugar no Cine-Theatro Cachoeirano, outro prédio tombado pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Parte da programação acontece no Espaço Educar para Transformar, localizado em frente à Câmara Municipal de Cachoeira. Lá, o público pode participar de diferentes atividades, como lançamento de livros, exposições, apresentações artísticas, contação de histórias e saraus.

O Governo do Estado da Bahia apresenta a Flica 2017. O projeto é realizado pela Cali e Icontent e tem patrocínio do Governo do Estado, por meio do Fazcultura, e apoio do Hiperideal, da Prefeitura Municipal de Cachoeira e da Coelba.

JEQUIÉ: ACADEMIA DE LETRAS DISCUTIU, EM MESA REDONDA, A OBRA DE WALY SALOMÃO

 

A iniciativa da Secretaria Municipal de Cultura de Jequié, em parceria com a Academia de Letras de Jequié e outras entidades envolvidas, tem o reconhecimento do significativo público que tem acorrido todas as noites ao Museu Histórico.  Foi assim, também, na noite de ontem (21), quando foi dado prosseguimento, no salão da Academia de Letras, a mesa redonda que discutiu a obra de Waly Salomão. Os palestrantes convidados foram os professores Antônio Brito, Anísio Assis, Maurício Bastos e Lucas Ribeiro. O evento fez parte das atividades em homenagem ao poeta jequieense no Museu Histórico de Jequié, que se extende até o fim do mês. De parabéns o secretário de Cultura Alisson Andrade, o presidente da ALJ Júlio Lucas, o diretor de Cultura, Bené Sena, além dos representantes dos vários segmentos culturais da cidade que se irmanaram ao projeto.

Uma pena que mês de aniversário do poeta, escritor, compositor, produtor musical jequieense, quando a comunidade se reúne para discutir a sua obra e lembrar da data do seu nascimento, o seu irmão, Omar Salomão, se encontre no leito do hospital, em Salvador, acometido por uma crise cardíaca.

Mesmo abalada e orando pela recuperação do querido amigo, a sociedade continua celebrando as justas homenagens pela passagem do aniversário de nascimento de Waly.

Vale a pena conferir, até dia 30 de setembro, no Museu de Jequié a programação de homenagens à obra de Waly Salomão com apresentações teatrais, shows da Orquestra Municipal, espetáculos de dança, cordéis, saraus, mesas redondas e a esquete itinerante, que continuará rodando os coletivos e praças públicas do município. A homenagem a Waly Salomão será encerrada com um show musical com Rosy & Banda, com um repertório pinçado das composições criadas pelo artista.

Waly Salomão, era casado com Marta, pai de dois filhos, Omar e Khalid, irmão de Guilherne, Jorge, Omar, Kadija, Rilene e Samira, jequieense, filho de pai sírio e mãe sertaneja, foi um poeta que agitou o Rio de Janeiro nos anos 70, 80, 90 nasceu em 3 de setembro de 1943 e morreu precocemente em 2003, quando perdeu a luta contra um câncer. Foi também o compositor de canções como “Vapor Barato”, gravada por Jards Macalé, Gal Costa e O Rappa; “Mel”, sucesso gravado por Maria Bethânia e Caetano Veloso; e “Assaltaram a Gramática”, interpretada por Lulu Santos e Paralamas do Sucesso, entre muitos outros. A homenagem pública organizada pela Prefeitura de Jequié ganhará ainda exposições multimídias no Museu Histórico de Jequié João Carlos Borges, intituladas “Algaravias” e “Janela de Marinetti”, nomes de obras literárias do poeta.

Foi secretário nacional do Livro e Leitura, nasceu em 3 de setembro de 1943, em Jequié (BA), e notabilizou-se por escrever letras muito disputadas por cantores e cantoras nacionais.

Participou do movimento cultural Tropicália, na década de 60, protagonizado por Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, Torquato Neto, Jards Macalé, Gal Costa e Maria Bethânia. A Tropicália misturava temáticas e termos americanos aos utilizados pela popular Bossa Nova, sofrendo crítica na época.

Espera-se que a comunidade cultural, não apenas de Jequié, mas de toda a região, prestigie com suas presenças as atividades que a gestão do prefeito Sergio da Gameleira promove em Jequié, em homenagem a este artista nacional e poeta extemporâneo.

VEREADOR JEAN KLEBER SOLICITA SESSÃO ESPECIAL PARA HOMENAGEAR PROFESSOR TATAI E CAPITÃO MILTON

           Vereador Jean Kleber (PT do B)

Por José Américo Castro

 

Uma Sessão Especial para prestar homenagem póstuma aos ex vereadores, professores e cidadãos ipiauense, Edvaldo Santiago e Milton Pinheiro dos Santos, foi requerida pelo vereador Jean Kleber da Silva Cunha (PT do B) ao Presidente da Câmara Municipal de Ipiaú, José Carlos Bispo dos Santos.

O requerente sugeriu que a homenagem aconteça no próximo mês de dezembro com ampla participação popular. “Teremos a honra de homenagear a vida de dois educadores, religiosos, políticos, homens de bem, que muito fizeram por Ipiaú e que nos deixaram um grande legado”, disse o vereador.

Jean prevê que essa Sessão Especial venha a ser emocionante e muito bonita, assim como foram as vidas dos homenageados. O parlamentar fundamentou seu pedido em um versículo bíblico (Romanos 13:7) que diz: “Dai honra a quem tem honra”.

Prof. Tatai e Prof. Milton

Os ex-vereadores Edvaldo Santiago e Milton Pinheiro dos Santos muito honram as prerrogativas que lhes atribuíram o povo de Ipiaú. Foram íntegros no cumprimento dos seus mandatos políticos, cargos públicos e no pleno exercício da cidadania, referências para várias gerações.

*José Américo da Matta Castro é jornalista e Assessor de Comunicação da Cãmara Municipal de Ipiaú

DE MARCAS E RESSONÂNCIAS…

Jussara Midlej*

Após a presente jornada de trabalho, eis que o nosso eterno professor Tatai retorna à pátria espiritual! Agora, a caminho de mais iluminação interior, as lembranças de suas valiosas marcas avivam reverberações e dizem-nos de sua experiência cumprida na cátedra docente, em especial: prosseguem a relembrar-nos de seu jeito apascentado e amorável, suas mediações geradoras de aprendizagens prazerosas, sua compreensão dos movimentos da vida, seus exemplos indeléveis de humanidade ampliada!

Não há como esquecer a sua expressiva estética professoral que se constituiu como força potencial para todos nós, seus alunos, borboletas amarelas recém-saídas dos casulos e cheias de possibilidades de construir conhecimentos, através de suas lições relacionadas à Língua Materna, à Psicologia da Educação, à Didática…

Preciosos são os retalhos de lembranças: em meados dos anos sessenta, seu olhar iluminava-se e fabulava um mundo extraordinário ao discorrer sobre Jean Piaget e suas recentes pesquisas, ao trazer as experiências, bem atuais, do educador escocês A. S. Neill, o lendário criador de Summerhill – uma escola democrática, pioneira, cuja inspiração filosófica impulsionava a travessia pela força dos afetos e da não repressão, na busca pela crescente construção de autonomia como elemento potencial para a criação, a aprendizagem inventiva… Com sua professoralidade vanguardista e recheada de sensibilidade, orientava as nossas lidas aprendentes, de modo singular, em experiências-encontros, intensivos. Um mundo novo sempre se anunciava, para nós, como campo de possíveis aberturas a movimentos de professoralização diferenciados.

Nesse tempo recente, as mazelas do corpo, desgastado, permitiu-lhe dobrar-se sobre si mesmo, voltar-se mais intensamente para seu interior. A longevidade, vivida no mais intenso aconchego da família, avivou sua potência de agir e deu-lhe renovadas possibilidades de vivenciar plenamente, com Wanda, o amor ágape – como gostava de referir-se aos movimentos amoráveis feitos de afetos sensíveis e sensações, crescentemente sutis. O tempo, a passar, nas convivências, deu-se como um grande privilégio e profunda demonstração do Amor Divino por quem soube auxiliá-Lo em sua Grandiosa Tarefa!

 Na luminosidade de nossas lembranças-imagens prosseguem a vicejar as ressonâncias de sua especial trajetória chamando-nos a compor sentidos novos para a vida. Surgem, a partir daqui outras linguagens que, entrelaçadas aos silêncios de saudade, convidam-nos a ativar as fissuras do infinito, em sentidos de compreender as forças intensivas do mundo espiritual.  Necessitamos apenas que a imortalidade, sempre acolhedora e ativa, se traduza em atos didáticos e criativos de interpretação da Vida a nos ensejar, a todos, traçados de diferentes planos de transcendências e reencontros…  

*Jussara Midlej é ex-aluna de Tatai e professora pesquisadora do DCHL da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

NOVE DE SETEMBRO É DIA DE HOMENAGEAR A MÉDICA E O MÉDICO VETERINÁRIO

Por Oscar Vitorino* 

 

 

 

 

 

Os profissionais que são muito mais que médicos ou médicas de animais. Parabéns aos responsáveis pela saúde animal, humana e ambiental.

Em 9 de setembro de 1933, o então Presidente, Getúlio Vargas, promulgou a primeira legislação que regulamentou a profissão e o ensino da Medicina Veterinária no Brasil. Tantos anos já se passaram, e, ainda hoje, a importância dessa profissão e dos seus profissionais não é bem conhecida nem compreendida em sua totalidade. Grande parcela da população ainda reconhece os médicos veterinários apenas como os “médicos dos animais”, “médicos dos bichinhos”, haja vista que, sempre que um médico veterinário se apresenta como tal, imediatamente surgem as perguntas: “Onde fica sua clínica?” ou “sabe, eu tenho um cachorrinho, e ele…… o que você acha que ele tem?” e perguntas outras semelhantes. Somos médicos de animais, sim! Na verdade, a clínica médica e cirúrgica de animais é hoje uma das inúmeras atribuições que este profissional possui e sem dúvida, uma das mais importantes por estabelecer uma agradável empatia com a sociedade e ser uma atividade sanitarista, tal o valor que o animal de companhia adquiriu dentro da família.

        De fato, de acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet, 2017) o Brasil possui a segunda maior população de cães, gatos e aves em todo o mundo e é o quarto lugar em população total de animais de estimação. Assim, a área de clínica de animais de estimação tem grande demanda por veterinários.  Mas somos médicos de animais, sim! Mas nem isso, faz dela o principal papel do Médico Veterinário. Em sentido amplo, poder-se-ia dizer que o médico veterinário está a serviço da sociedade, contribuindo com a conservação e melhoria da qualidade de vida do homem, e respeitando e protegendo a natureza, pois, além da saúde dos animais, o médico veterinário também auxilia na preservação da saúde da população humana, contribuindo decisivamente para diminuir a propagação de doenças transmitidas por animais para os seres humanos (as chamadas zoonoses).

        Essa profissão é muito antiga, e existem registros de sua existência desde 4000 a.C. É chamada de Medicina Veterinária “Ars Veterinária”, a arte de entender a vida pela natureza animal, a visão preventivista, a busca do diagnóstico, das soluções e do tratamento de doenças dos animais domésticos e por consequência dos seres humanos. O exercício da “ars veterinária” confunde-se com os primórdios da civilização humana e sua antiguidade pode ser referenciada a partir do próprio processo de domesticação dos animais.

Numa demonstração de avanços bastante significativos para a sociedade, desde 1998, a Medicina Veterinária foi incluída entre as profissões responsáveis pela área de saúde, mas a sociedade ainda não reconhece esse seu papel fundamental na promoção da saúde e qualidade de vida humana, assim como a sua participação na promoção da produção sustentável, visando à saúde ambiental. Saliente-se que são inúmeras as funções dos médicos veterinários: eles estão presentes no desenvolvimento da área de saúde através de pesquisas de novas tecnologias e produtos na área médica e farmacêutica. Estão presentes também na promoção da saúde pública do controle e combate das zoonoses, nas equipes de Vigilância Sanitária, Vigilância Epidemiológica e Vigilância Ambiental, assim como na Defesa Sanitária e Inspeção de Produtos de origem Animal. Outra opção é seguir a carreira acadêmica fazendo mestrado e doutorado em uma área de conhecimento específica para ser um futuro docente e/ou pesquisador em Universidades particulares ou públicas.

Desde 1998, pela Resolução do Conselho Nacional de Saúde (CNS) nº 287/98, a Medicina Veterinária é reconhecida no Brasil como profissão da área de Saúde, tendo confirmada a sua atuação na saúde pública através da inclusão do médico veterinário na lista de profissionais que podem compor o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), conforme Portaria do Ministério da Saúde/Gabinete do Ministro (MS/GM) nº 2.488, de 21 de outubro de 2011.

        Nos tempos atuais, a medicina veterinária tem tido participação efetiva no campo da saúde pública, estabelecendo a profilaxia das doenças de animais passíveis de atingir o homem (zoonoses), pondo a salvo a saúde pública, que não é tarefa fácil. Além disso, uma iniciativa de Saúde Única visa promover a cooperação e colaboração entre médicos veterinários e demais profissionais de saúde e meio ambiente para promover a saúde e o bem-estar de todas as espécies animais e vegetais. Nesse contexto, a Medicina Veterinária mostra a importância do seu trabalho para a Saúde Única por meio dos serviços prestados à sociedade, no cuidado com a saúde e bem-estar de animais, preservação da saúde pública e em atividades voltadas para garantir a sustentabilidade ambiental do planeta.

        É de grande importância, portanto, que se comemore esta data, pois o grande desafio do médico veterinário é buscar uma atualização constante e atuar de forma multidisciplinar, visando a saúde animal, ambiental e humana. Praticamente, junto com o produtor, o médico veterinário torna-se o guardião da capacidade produtiva e de exportação do Brasil no tocante as carnes bovinas, suínas e aves, por meio da defesa sanitária animal. A produção animal no Brasil é um dos segmentos mais importantes e o médico veterinário contribui para a produção de proteína animal, fonte alimentar e de qualidade para o mercado interno e externo (hoje somos o maior exportador de carne do mundo).

                Por fim, uma mensagem para a reflexão dos profissionais da Medicina Veterinária:

 “A vida é valor absoluto. Não existe vida menor ou maior, inferior ou superior. Engana-se quem mata ou subjuga um animal por julgá-lo um ser inferior. Diante da consciência que abriga a essência da vida, o crime é o mesmo.” (Olympia Salete, escritora)

A todos os apaixonados pela ‘Ars Veterinaria’, parabéns pelos caminhos trilhados.

*Oscar Vitorino Moreira Mendes – Méd. Vet. e Prof. Aposentado da UESB e presidente da Associação de Médicos Veterinários de Jequié – AMVEJ