Arquivo para ‘Policia’ Categoria

OLHA A FEDERAL!…

Por Carlos Eden*

 

 

 

Um já falecido jornalista jequieense gostava de contar um caso interessante, que teria acontecido aqui em Jequié há muito tempo atrás, numa época em que a administração municipal estava sendo acusada de corrupção, falcatruas, trambicagens, desvio de verbas e outras malandragens administrativas, havendo inclusive o comentário de que a Polícia Federal faria uma “visita” de surpresa à cidade, para apurar tais fatos. Não sei se a história a seguir era uma piada de domínio público, ou se era criação do citado jornalista gozador, entretanto, era assunto tido por alguns, como fato verdadeiro.

O caso interessante contado pelo jornalista era o seguinte: numa bela e ensolarada tarde, em pleno horário de expediente na Prefeitura Municipal, cochichava-se pelos cantos sobre as denúncias da Imprensa a respeito das referidas falcatruas, criando-se assim um clima tenso e de suspense, em todo o ambiente. Qualquer comentário, barulho, ou movimento fora da rotina gerava boatos e ameaçava criar pânico generalizado. Eis que de repente, ouviu-se uma voz ecoando pelos corredores, em alto e bom som: “olha a Federal!… olha a Federal”!…

 Aí o caos tomou conta do ambiente. Foi um “salve-se quem puder” terrível com gente esvaziando gavetas e arquivos, carregando montes de pastas, enchendo porta-malas de veículos e tomando rumos desconhecidos, um desespero total. Falava-se nervosamente, que a Polícia Federal tinha chegado e que a coisa ia ficar preta pra muita “gente fina” por ali, nesse “pega-pra- capar”. A coisa só veio a se acalmar muito mais tarde, quando ficou esclarecido que tudo não passou de um equívoco, pois, alguém descobriu que o alarme fora provocado pelos gritos de um senhor, antigo vendedor de bilhetes da Loteria Federal, que entrara pelo prédio da Prefeitura adentro, na esperança de vender uns bilhetinhos e anunciava gritando: “Olha a Federal!… Olha a Federal”!… Então, esclarecido o assunto, tudo voltou ao “normal”. Fora apenas um susto provocando pânico em quem certamente “tinha culpa no cartório”, ficando assim, realmente provado que quem não deve, não teme.

Mesmo não sendo verídicos em parte, os fatos aqui narrados, o que acredito que ninguém pode confirmar ou não, acho que não é nada recomendável passar na porta de certos órgãos públicos gritando “olha a Federal”, se não quiser ser acusado de criar pânico generalizado.

*Carlos Eden Meira Magalhães é jornalista e chargista

PF E CGU EXPLICAM EM COLETIVA DE IMPRENSA DESVIOS DOS RECURSOS DA EDUCAÇÃO EM JEQUIÉ

Superintendente da CGU e Delegado da Policia Federal quando falavam à imprensa

A Polícia Federal cumpriu mandados nas cidades de Jequié e Jaguaquara, além de Salvador, na manhã desta terça-feira (5). A operação visa combater crimes de desvio de recursos públicos destinados à área da educação. Cinquenta e oito policiais federais e seis auditores da Controladoria Geral da União cumpriram 23 mandados de condução coercitiva, 18 de busca e apreensão e cinco mandados de medidas cautelares nos três municípios, na Operação Melinoe [que na mitologia grega, é a deusa dos fantasmas]. Entre os alvos da operação está uma ex-vereadora de Jequié, que desviava recursos por meio de um suposto fornecimento de funcionários terceirizados fantasmas, segundo a PF. Entre esses funcionários, que deveriam atuar na Secretaria de Educação do Município, estavam dois sobrinhos da vereadora que não residiam na cidade. O nome da ex-vereadora não foi divulgado pela Polícia Federal. De acordo com o delegado da PF, a empresa, que era regularizada, concorreu a licitação com outros fantasmas – uma delas pertencia a um vereador do município. “A prefeitura contratou essa empresa de terceirização na área da educação e da saúde para gerir o contrato, que foi sendo prorrogado todos os anos. Inclusive continua em vigor”, explicou o delegado Rodrigo Souza Kolbe, durante uma coletiva de imprensa realizada na sede da PF em Vitória da Conquista.

Ainda de acordo com o delegado Kolbe, que estava ao lado do Superintendente da CGU, Ronaldo Machado de Oliveira, a PF constatou também que a mesma vereadora pagou salário a pelo menos, 35 funcionários que nunca atuaram nas escolas que teriam sido designados. De acordo com o levantamento feito durante as investigações, a empresa terceirizada recebeu do município de Jequié, entre 2013 e 2017, cerca de R$ 63 milhões. Deste total, R$ 7 milhões já foram identificados como recursos federais, especificamente de Precatórios do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEF). A PF estima um prejuízo aos cofres públicos de mais de R$ 1,5 milhão. Os cargos foram cedidos por vereadores em troca de apoio político. “Esses pontos (empregos) eram loteados entre vereadores. Eles indicavam quem iria ser lotado, mas não necessariamente trabalhar, então, tinha escolas, por exemplo, que tinha 12 pessoas trabalhando como auxiliar de serviços gerais, mas, na prática, só tinha apenas uma pessoa prestando serviço”, completou o delegado. (Fonte: Wilson Novais Jr.)

 

TRE-BA ANULA AÇÃO DA PF CONTRA MARCELO NILO NA “OPERAÇÃO OPINIÃO”

Em sessão na tarde de segunda-feira (4), o Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) anulou por 6 x 1  as buscas e apreensões realizadas durante a “Operação Opinião”, deflagrada pela Polícia Federal (PF) e Ministério Público Eleitoral (MPE), no dia 13 de setembro, e que tinha como alvo principal o deputado estadual e ex-presidente da Assembleia Legislativa (AL-BA), Marcelo Nilo (PSL). Na prática, o TRE anulou a ação da PF.  O MPE suspeitava de que Nilo seria o controlador da Bahia Pesquisa e Estatística – Babesp, também conhecida como ‘Datanilo’, e que poderia estar manipulando os resultados das pesquisas divulgadas pelo instituto. Nos bastidores se dizia, ainda, que havia suspeitas de que Nilo utilizaria a empresa para contabilização fraudulenta de recursos utilizados de maneira ilegal em campanhas políticas, o chamado “caixa 2”, mas isto não consta do processo.

Na ocasião, a PF cumpriu mandados em sete locais relacionados a Marcelo Nilo em Salvador, incluindo seu gabinete na AL-BA e residência, de seu genro Marcelo Dantas Veiga e do sócio da empresa Babesp, Roberto Pereira Matos, além da sede da Leiaute Comunicação. Os mandados de busca e apreensão ocorreram para que fossem juntadas provas que pudessem confirmar as suspeitas. Na prática, porém, houve anulação da ação e todos os documentos apreendidos terão de ser devolvidos. O único que ainda não recorreu pela anulação foi Roberto Pereira Matos, sócio da Babesp. O único voto contra Nilo, Veiga e a Leiaute foi o do juiz eleitoral Jatahy Fonseca. (A Tarde)

 

MARLUCE QUADROS V. LIMA, MÃE DE GEDDEL E LÚCIO, ATRIBUI “INVERDADES” A JOB

A mãe do ex-ministro Geddel Vieira Lima e do deputado Lúcio Vieira Lima, ambos do PMDB da Bahia, atribuiu, por meio de sua defesa, ‘inverdades’ ao ex-assessor Job Ribeiro Brandão, que trabalhava para o parlamentar. A mãe dos peemedebistas, de 80 anos, se colocou à disposição da Justiça.

Em depoimento à Polícia Federal e à Procuradoria-Geral da República, Job afirmou que dinheiro em espécie era guardado em malas e caixas no closet de Marluce Vieira Lima. Segundo o ex-assessor, a família “possuía muito dinheiro guardado no apartamento de Marluce Vieira Lima”, em Salvador. O dinheiro, relatou Job, ficou guardado no closet do quarto da mãe em caixas e malas até o início de 2016.

Após as declarações de Job, a defesa da mãe de Geddel e Lúcio enviou manifestação ao Supremo Tribunal Federal. Segundo o advogado Gamil Föppel, que defende a família Vieira Lima, Marluce ‘está à disposição’ da Corte máxima, do Ministério Público e da Polícia Federal ‘para prestar todo e qualquer esclarecimento necessário, assim como fornecer documentos e/ou equipamentos’. “A peticionária (Marluce Vieira Lima) teve ciência, através da imprensa, da veiculação de diversas inverdades no bojo do depoimento de Job Ribeiro Brandão. Destarte, em vista do que fora exaustivamente veiculado pela imprensa, a peticionária informa ter interesse em prestar todos os esclarecimentos eventualmente necessários, a fim de estabelecer a verdade”, afirmou Marluce, por meio de sua defesa. Anexos à manifestação, a mãe de Geddel e Lúcio entregou ao Supremo relatórios médicos. “Cabe pontuar, entretanto, que a peticionária é idosa, já contando com oitenta anos de idade, sendo portadora de enfermidade que lhe dificulta sobremaneira a locomoção, razão porque pede que qualquer intimação que eventualmente lhe seja dirigida, guarde a antecedência necessária face à dificuldade de locomoção que acomete a peticionária, conforme atestados médicos”, relatou a defesa.

Geddel está preso desde setembro quando a Polícia Federal encontrou R$ 51 milhões em malas e caixas, dentro de um apartamento ligado a ele e ao irmão. Job Brandão tem intenção de fazer um acordo de colaboração premiada. Ele virou alvo da Tesouro Perdido após a PF identificar suas digitais em parte dos R$ 51 milhões. O ex-ministro e o deputado Lúcio são investigados pelo crime de lavagem de dinheiro.

Informações: Política Livre

PROCURADORIA SE MANIFESTA A FAVOR DA MANUTENÇÃO DA PRISÃO DE GEDDEL

Ex-ministro Geddel Vieira Lima

A Procuradoria Geral da República (PGR) se manifestou a favor da manutenção da prisão preventiva de Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Michel Temer.

Em documento encaminhado ao ministro Edson Fachin, do STF Supremo Tribunal Federal (STF), na sexta-feira (17), o vice-procurador-geral Luciano Maia afirmou que uma eventual concessão de liberdade a Geddel “coloca em grave risco a ordem pública e vulnera a garantia da aplicação da lei penal”. Maia ressalta que o ex-ministro é suspeito de ter ocultado quase R$ 52 milhões em um apartamento, que, quando descoberto, “constituiu a maior apreensão de dinheiro vivo da história criminal brasileira”.

O procurador destaca informações apresentadas por Job Ribeiro Brandão, ex-assessor de Geddel e de seu irmão, o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA). As digitais de Job foram identificadas no dinheiro que estava no imóvel.

No documento, Maia afirma que Job disse à Polícia Federal que destruiu anotações, agendas e documentos a pedido de Geddel, de Lúcio e de Marluce, a mãe deles, enquanto o ex-ministro cumpria prisão domiciliar, entre julho e setembro deste ano, em Salvador.

Os documentos destruídos, de acordo com Job, foram “colocados em sacos de lixo e descartados”, e “picotados e colocados na descarga do vaso sanitário”.

O procurador destaca que existe a suspeita de que os irmãos tenham cometido o crime de peculato, pois Job disse que devolvia cerca de 80% do salário como assessor parlamentar (R$ 8.000) aos políticos.

Job disse ter sido contratado como assessor parlamentar, mas que prestava serviços pessoais à família, para a qual trabalhou durante 28 anos. “Tal suposta prática de peculato do patrimônio da União teria perdurado até Job ser sido exonerado da função pública, em 27/10/2017, por efeito desta investigação”, escreveu o procurador. Mais adiante ele conclui: “Ao que tudo indica, portanto, uma relação criminosa de trato sucessivo, levada a efeito também por Geddel, subsistiu à sua prisão domiciliar e à atual prisão preventiva em Brasília/DF –decretada em 17/10/2017”, afirmou.

Maia também destaca que o corretor de valores Lúcio Funaro disse que sua mulher foi procurada por Geddel, que queria evitar que ele fizesse acordo de delação premiada com a Lava Jato.

Geddel foi preso em 5 de setembro, após a PF apreender mais de R$ 51 milhões em um apartamento em Salvador.

O caso era investigado na primeira instância, mas foi deslocado para o STF depois que surgiram indícios de participação do deputado federal Lúcio Vieira Lima.

Informações Bocão News e Folhapress

CIPE CENTRAL GANHARÁ MAIS DUAS BASES AVANÇADAS NA REGIÃO

A CIPE Central (Companhia Independente de Policiamento Especializado) estará instalando mais duas Bases Avançadas dentro dos próximos dias, nos municípios de Jaguaquara e Ipiaú. A confirmação foi feita na manhã desta terça-feira (14), pelo comandante da unidade, Major PM Fábio Rodrigo, em entrevista ao programa “Bahia Ponto a Ponto”, da Rádio Povo FM. No mês de julho deste ano foi inaugurada a primeira Base Avançada, no Território do Vale do Jiquiriçá, na cidade de Santa Inês.

O Major Rodrigo falou sobre o trabalho desenvolvido pela CIPE em parceria com os demais órgãos de segurança pública que atuam em Jequié e região e, destacou o fato da unidade de Jequié, ter conquistado por duas vezes consecutivas o primeiro lugar em produtividade no ranking das CIPEs do Estado. Comentou também sobre o permanente processo de treinamento do efetivo e do trabalho que desenvolve junto à comunidade, com a participação de cursos e palestras.

Major Rodrigo em uma de suas reuniões de avaliação com seus comandados

COLETIVO DE POLICIAIS BAIANOS PUBLICA MANIFESTO CONTRA JAIR BOLSONARO

Alguns oficiais, cabos e soldados  da Policia Militar do Estado da Bahia, representando um movimento interno, considerado  democrático divulgaram um manifesto nesta quarta-feira (8), declarando o seu repúdio ao deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ), pré-candidato à Presidência da República do Brasil em 2018. No texto, os representantes do grupo de Policiais Baianos Progressistas e Pela Democracia, trazem à reflexão a importância da garantia dos direitos humanos e a valorização da vida em sociedade.

Em trechos, os policiais afirmam que a profissão que escolheram tem como objetivo proteger as pessoas, entre elas, familiares, vizinhos, cidadãos do estado, e a atuação faz parte do zelo com o ser humano, com a intenção de acabar com o medo e não aumentá-lo. “Entendemos que não é abolindo ou desrespeitando os direitos humanos, como pedem alguns demagogos, que vamos reduzir a violência em sociedade; muito pelo contrário” afirmam.

Confira:

PORQUE REJEITAMOS E SOMOS CONTRA BOLSONARO

O coletivo de Policiais Baianos Progressistas e Pela Democracia é um grupo informal de Policiais que se inspira e se associa às ideias do Movimento Policiais Antifascismo e no Agentes da Lei Contra a Proibição, e acredita numa política de segurança pública que tenha os direitos humanos e a dignidade da pessoa humana como fundamento. Escolhemos essa profissão para proteger as pessoas — nossas famílias, nossos vizinhos, os cidadãos e as cidadãs do nosso estado —, para cuidar dos outros, para acabar com o medo e não para provocá-lo, para garantir a paz social e não para fazer a guerra. Entendemos que não é abolindo ou desrespeitando os direitos humanos, como pedem alguns demagogos, que vamos reduzir a violência na sociedade; muito pelo contrário.

Num contexto de profunda crise social, econômica, política, moral e educacional, o aumento da violência, em suas diversas formas, é perfeitamente compreensível que as pessoas queiram um governante forte e capaz de mudar isso. E esses anseios populares têm servido como desculpa para discursos que clamam por mais violência para enfrentar a violência, mais armas para enfrentar os tiros, menos direitos para proteger os direitos ameaçados pela criminalidade, penas mais duras que chegam tarde e não mudam nada, mais guerra para reduzir os danos de uma guerra que não deu certo. Respostas contraditórias, sem dúvida ineficazes, comprovadamente ruins em todos os países que as adotaram, porém, sedutoras, porque recorrem ao medo e ao desespero das maiorias para vender uma receita mágica, simplista, mas que não deu certo em lugar nenhum.

Diante desse quadro, não poderia haver alguém pior que Bolsonaro para resolvê-lo. Ele demonstra total despreparo teórico e prático pra enfrentar essa crise e governar um país tão grande, diverso e complexo como Brasil. Não tem formação e nem experiência de gestão pública. Não entende nada de Economia. É totalmente ignorante sobre Relações Internacionais e Política Internacional. Desconhece os problemas do país e, assim, também desconhece as soluções. Consequentemente não tem qualquer projeto de governo e de políticas públicas para saúde, educação, moradia, mobilidade urbana, geração de emprego e renda, e assistência social.

Nem mesmo para área de segurança pública tem propostas sérias, consistentes e que possam trazer algo de bom para o país. Embora, quando fala desse tema, pareça saber o que diz, é um completo incompetente, um político incapaz. Suas propostas para área se resumem a dar carta branca (sic) para policiais matarem e a liberação geral da posse e porte de armas de fogo. Como se já não ostentássemos as assustadoras estatísticas de mortes violentas intencionais – 61,5 mil assassinatos registrados em 2016 e mais de 3 mil mortes decorrentes de ações policiais.

O pior é que é mais que isso. Bolsonaro surgiu no cenário político nacional bradando contra a corrupção e em defesa da ordem. Contudo, ironicamente sua carreira política se iniciou a partir de atos de desordem, indisciplina e deslealdade perante o Exército Brasileiro. Após dar uma entrevista e escrever um artigo para a revista Veja, reclamando dos salários dos militares, foi punido administrativamente, e, por isso, planejou colocar bombas numa adutora da Companhia de Águas do Rio de Janeiro e na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, a fim de provocar uma desestabilidade política e a queda do Ministro do Exército.

Quanto à corrupção, apesar do discurso moralista e da autodeclaração de homem honesto, não explicou o aumento do patrimônio incompatível com os vencimentos. Além de ter recebido dinheiro da Friboi em sua campanha eleitoral e de fazer parte da “Lista de Furnas”. Seu silêncio em relação às acusações contra Temer, Aécio e outras figuras do PMDB, PSDB e DEMO chama bastante atenção sobre sua hipocrisia no que tange ao assunto.

Após a conspiração terrorista de 1987 denunciada pela revista Veja, acima citada, deixou o Exército e no ano seguinte elegeu-se vereador pelo município do Rio de Janeiro, onde se especializou em defender mamatas. De lá para cá, elegeu-se e reelegeu-se diversas vezes deputado federal, empanturrando-se nas benevolentes tetas do Estado, ganhando como legislador, mas sem quase nunca legislar. Ao longo desses quase 30 anos como parlamentar, só apenas duas vezes ele conseguiu convencer seus colegas de que o que estava propondo merecia se tornar lei. Sua atuação parlamentar se resumiu a ser um advogado de causa própria. Os projetos de lei que apresentou diziam respeito a questões corporativas, que visavam aumentar os benefícios de sua própria classe profissional, a dos membros das Força Armadas. A exemplo de um projeto de lei que, caso fosse aprovado, obrigaria o Estado a pagar parte das mensalidades escolares de filhos dos militares federais (incluindo os filhos dos militares da reserva, como ele).

Se por um lado, sempre se mostrou desinteressado, incompetente e ineficaz em apresentar propostas que viessem a impactar positivamente a vida dos trabalhadores e trabalhadoras, por outro, se mostrou bastante alinhado ao governo corrupto e golpista de Michel Temer. Tendo votado a favor da extinção de direitos trabalhistas. Inclusive, declarou em uma palestra (?) nos EUA que o brasileiro tem que decidir entre ter trabalho (precarizado, claro) ou ter direitos trabalhistas. Pois, como se percebe, não passa pela cabeça dele a possibilidade de o empresário diminuir um pouco os altos lucros e o trabalhador ter direitos e emprego. Tendo ainda votado na Lei que amplia a terceirização e precarização do trabalho. Além de ter também votado a favor da chamada “PEC do Fim do Mundo”, a Emenda Constitucional nº 95 que congela gastos em saúde, educação, segurança, assistência social e os investimentos públicos por 20 anos.

Também se mostrou bastante eficiente em ser um político boquirroto. Especializou-se no discurso de ódio. Sempre proferindo coisas que ninguém julgava possíveis de serem proferidas em público. Atacando mulheres, gays, negros, refugiados, sobretudo quando pobres. Chegou a dizer que Quilombolas “não deveriam procriar”, que os refugiados sírios e haitianos eram escórias, que mulheres deveriam receber salários menores, que preferia ver um filho morto a se declarar gay e que a ditadura militar matou pouco. Enfim, passou três décadas agredindo militantes de esquerda, ativistas de direitos humanos, gays, mulheres, negros. Além de fazer apologia à tortura, ao estupro e ao assassinato. Desta forma, ganhou notoriedade não pelo que produziu como parlamentar – praticamente nada –, mas pelo discurso de ódio contra as minorias.

Como vemos, tudo o que ele tem a oferecer é mais violência, medo e ódio. É mais rancor, mais frustração, mais retaliação, mais tiro, mais sangue. Mais morte, mais homicídios. Tudo isso para compensar o desemprego, a precarização do trabalho, a precariedade dos serviços públicos de saúde, educação e assistência social, a falta de moradia, a desigualdade socioeconômica. Isso que ele está prometendo e tem a oferecer para o povo brasileiro é o inferno para nós policiais honestos e bons servidores, que acabamos sendo vítimas de assassinatos, muitos desses gerados por essa lógica belicista e de culto ao ódio (o Brasil é também campeão mundial em mortes de policiais). Tudo isso é o contrário do que precisamos.

Enfim, por todo o exposto e por defendermos a construção de uma sociedade livre, justa e solidária; que possa garantir o desenvolvimento nacional, a erradicação da pobreza e da marginalização, a redução das desigualdades sociais e regionais, e que promova o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade, orientação sexual e quaisquer outras formas de discriminação, é que rejeitamos a candidatura do deputado Jair Bolsonaro à presidência da República.

Quem são os policiais:
Cap PM George de Matos Santos- Corregedoria
Cap PM Rogério de Oliveira Barbosa- 6ª CIPM
Cap PM Ricardo Penalva da Silva- 62ª CIPM
Cap PM André Francisco Campos- CPRC/ Atlântico
Cap PM Claudemir Cardoso Mota- Corregedoria
SubTen PM Misael de Souza Santos- CBMBA
Sub Ten Nelia de Souza Amorim Gomes – Corregedoria
1° Sgt PM Paulo César de Oliveira- RR
Cb PM Alexsandro dos Santos Moreira- 27ª CIPM
Cb PM Laércio Neres Brito- 56ª CIPM
Cb PM Angelo Márcio Santos da Silva- 6ªCIPM
Cb PM Gustavo Souza- CBMBA
Cb PM Carla Maia- 56ª CIPM
Sd PM Ricardo de Matos Santos- 97ª CIPM
Sd PM Gilmar Carvalho Figueiredo- 4° BPM
Sd PM Ewerton Santana Monteiro- EsqpMont/Fsa
Sd PM Diego Roberto de Almeida Adorno- 6ª CIPM
Sd PM Jean Carlos Ferreira Dourado- 38ª CIPM
Sd PM Luís de Oliveira Ferreira Júnior- 51ª CIPM
Sd PM Gabriel Matos- Departamento de Comunicação Social.

IPIAÚ: INCÊNDIO ATINGE ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA NO CENTRO DA CIDADE

 

Por volta das 2h00 da madrugada deste domingo (22), um incêndio de causas desconhecidas até o momento, atingiu um escritório de advocacia Euclides Neto Advogados, situado à Rua Castro Alves, ao lado do Ed. Otan, centro de Ipiaú.

Ao perceber as chamas que aparentavam se propagar do interior do escritório para fora, populares que residem nas imediações tentaram conter as chamas, utilizando baldes com água.

Um comerciante proprietário de um outro estabelecimento comercial próximo ao escritório presenciou o fato juntou-se às pessoas na tentativa de controlar as chamas. Segundo informações de testemunhas, em avaliação superficial, o incêndio atingiu a recepção do escritório, tendo atingido o mobiliário, além do computador e outros aparelhos eletrônicos.

Indícios apontam para ato criminoso

Há suspeitas de ato criminoso

Após a contenção das chamas que atingiram a sede do escritório da Euclides Neto Advogados, o Dr. Marcelo Teixeira, proprietário do imóvel informou que algumas medidas já foram tomadas no intuito de elucidar os fatos que deram origem ao incêndio.

De acordo com o Dr. Marcelo, ao chegar ao local, ele ficou estarrecido com o cenário de destruição e, segundo ele, militares que atenderam a ocorrência em uma análise preliminar levantaram a suspeita do incêndio ter sido causado por uma ação criminosa, já que no local haviam restos de materiais inflamáveis como uma “bucha” e um balde plástico queimado, além do forte cheiro de combustível.

Apesar do local estar isolado para realização de perícia técnica, era possível ver parte da destruição no interior do imóvel. Paredes, almofadas e até um aparelho de TV fixado à parede foram atingidos pelas chamas.

Os danos só não foram maiores porque haviam poucos materiais para alimentar as chamas, já que os bancos no local são de concreto, não havia tapete ou carpete e o teto é em lage. Mesmo assim as chamas se espalharam pelo ambiente, o que reforça ainda mais a hipótese de crime.

De acordo com Dr. Marcelo Teixeira, foi feito o registro da ocorrência pela Polícia Militar e em seguida foi feito o registo do BO também junto à Polícia Civil, que estará encaminhando uma equipe da Polícia Técnica de Jequié para períciar o local e tentar identificar as causas e causadores deste crime.

Por se encontrar em uma área comercial, provavelmente câmeras de vigilância nas imediações deverão ajudar na elucidação deste incêndio com indícios de ter sido proposital.

Em entrevista concedida à imprensa, o Dr. Marcelo Teixeira levantou o questionamento à respeito da ausência de uma equipe de brigadistas de combate a incêndio na cidade. “Em outros tempos, ainda tínhamos o apoio e auxílio da iniciativa privada, para socorrer em casos como este. ”

 “Pelo porte da cidade de Ipiaú, creio que já deveríamos contar com ao menos uma viatura de combate a incêndios, não ficando reféns do deslocamento de uma equipe do Corpo de Bombeiros da cidade de Jequié  (distante 50 Km) sempre que houver alguma ocorrência de maior gravidade”, registrou o site Ipiaú Online.

Fonte: Ipiaú Online

JEQUIÉ: TRÊS SUSPEITOS DE INTEGRAR QUADRILHA MORREM EM CONFRONTO COM A CIPE CENTRAL

Sidnei, também conhecido como Piá, o Barão do Pó, Edvan, o Didiu e Fabrício foram mortos em confronto com a CIPE Central (Fotos: Divulgação)

O traficante de drogas, assaltante de banco e homicida Sidnei Leal de Araújo, 32 anos, conhecido no ramo do crime pelo apelido de ‘Piá, o Barão do Pó’, foi surpreendido, na noite desta sexta feira (13), por guarnições da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe) Central e do 19° Batalhão da Polícia Militar (Jequié), quando tentou escapar de uma barreira montada na BR-116, próximo da cidade de Jequié.

Quando visualizaram as forças de segurança, Piá (32), Edvan Alves da Silva, (34), o ‘Didiu’, e Fabrício Félix Silva Ferreira, (30), abandonaram um veículo e se esconderam em um matagal. Durante varredura o trio disparou contra as guarnições e no confronto foi atingido. Os criminosos foram socorridos para o Hospital Geral Prado Valadares, mas não resistiram. Piá, que em 2012 foi apresentado no auditório da Secretaria da Segurança Pública por ter explodido caixas do banco Bradesco em Itatim, liderava uma quadrilha na cidade de Santo Estevão e região. Segundo informações iniciais Sidnei estava escondido fora do país e agia em conjunto com quadrilhas do Sudeste do Brasil em ações de tráfico e explosões de bancos.

Major Fábio Rodrigo de Melo Oliveira – Cmte da Cipe Central

Com o grupo foram apreendidos uma pistola calibre 9mm de uso restrito das Forças Armadas e Polícia Federal e dois revólveres calibres 38. “Intensificamos os bloqueios nas principais rodovias da região, principalmente no período noturno, pois é o momento utilizado por criminosos especializados em ataques a instituições financeiras para se locomoverem “, relatou o comandante da Cipe Central, major Fábio Rodrigo de Melo Oliveira. O militar informou ainda que as armas apreendidas foram apresentadas na Delegacia Territorial de Jequié, onde toda a ocorrência foi registrada. “Estamos aqui atentos, sem dar tréguas e com a guarda alta contra as organizações criminosas e seus líderes”, finalizou.

TURISTA MINEIRA É RESGATADA POR HELICÓPTERO APÓS ACIDENTE EM TRILHA NA CHAPADA DIAMANTINA

Jovem de 28 anos foi encontrada em mata fechada. Foto: SSP/BA

Uma turista mineira que se feriu após acidente na trilha do Pati, local que fica próximo a Cachoeira do Calixto, na Chapada Diamantina, Bahia, precisou ser resgatada por um helicóptero do Grupamento Aéreo da Polícia Militar (Graer), na tarde da última quarta-feira (11). Segundo informações da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), Nathalia Guimarães Oliveira, de 28 anos, foi levada até o aeroporto de Lençóis, onde uma ambulância do Hospital Itaquera já aguardava. O estado de saúde da turista e as circunstâncias do acidente não foram informados. Ainda de acordo com a SSP-BA, Guarnições do 11° Grupamento de Bombeiro Militar (GBM/Itaberaba) foram comunicadas da situação da turista e, por saberem do difícil acesso ao local, solicitaram o acionamento do Graer. A turista estava em um vale com mata densa, às margens de um córrego. Através do guincho, um tripulante operacional do Graer foi lançado até o chão. Em seguida a jovem foi estabilizada na prancha e retirada. (Giro).