Arquivo para ‘Arte e Cultura’ Categoria

OLHA A FEDERAL!…

Por Carlos Eden*

 

 

 

Um já falecido jornalista jequieense gostava de contar um caso interessante, que teria acontecido aqui em Jequié há muito tempo atrás, numa época em que a administração municipal estava sendo acusada de corrupção, falcatruas, trambicagens, desvio de verbas e outras malandragens administrativas, havendo inclusive o comentário de que a Polícia Federal faria uma “visita” de surpresa à cidade, para apurar tais fatos. Não sei se a história a seguir era uma piada de domínio público, ou se era criação do citado jornalista gozador, entretanto, era assunto tido por alguns, como fato verdadeiro.

O caso interessante contado pelo jornalista era o seguinte: numa bela e ensolarada tarde, em pleno horário de expediente na Prefeitura Municipal, cochichava-se pelos cantos sobre as denúncias da Imprensa a respeito das referidas falcatruas, criando-se assim um clima tenso e de suspense, em todo o ambiente. Qualquer comentário, barulho, ou movimento fora da rotina gerava boatos e ameaçava criar pânico generalizado. Eis que de repente, ouviu-se uma voz ecoando pelos corredores, em alto e bom som: “olha a Federal!… olha a Federal”!…

 Aí o caos tomou conta do ambiente. Foi um “salve-se quem puder” terrível com gente esvaziando gavetas e arquivos, carregando montes de pastas, enchendo porta-malas de veículos e tomando rumos desconhecidos, um desespero total. Falava-se nervosamente, que a Polícia Federal tinha chegado e que a coisa ia ficar preta pra muita “gente fina” por ali, nesse “pega-pra- capar”. A coisa só veio a se acalmar muito mais tarde, quando ficou esclarecido que tudo não passou de um equívoco, pois, alguém descobriu que o alarme fora provocado pelos gritos de um senhor, antigo vendedor de bilhetes da Loteria Federal, que entrara pelo prédio da Prefeitura adentro, na esperança de vender uns bilhetinhos e anunciava gritando: “Olha a Federal!… Olha a Federal”!… Então, esclarecido o assunto, tudo voltou ao “normal”. Fora apenas um susto provocando pânico em quem certamente “tinha culpa no cartório”, ficando assim, realmente provado que quem não deve, não teme.

Mesmo não sendo verídicos em parte, os fatos aqui narrados, o que acredito que ninguém pode confirmar ou não, acho que não é nada recomendável passar na porta de certos órgãos públicos gritando “olha a Federal”, se não quiser ser acusado de criar pânico generalizado.

*Carlos Eden Meira Magalhães é jornalista e chargista

8 DE DEZEMBRO: FESTA EM COMEMORAÇÃO A N.S. DA CONCEIÇÃO DA PRAIA, TRISTEZA POR 37 ANOS SEM JOHN LENNON E 23 ANOS SEM TOM JOBIM

8 de dezembro nos remete à perda de dois privilegiados talentos que expressavam sua genialidade através das músicas que compunham. Suas letras, bem como as melodias, se destinaram à mesma eternização alcançada por Mozart, Chopin, Bach, Villa Lobos,.. O mundo reverencia a data e lembra dos dois com pesar.

A data de 8 de dezembro ficou definitivamente marcada pela morte repentina de dois dos maiores músicos do século 20: John Lennon, assassinado a tiros numa noite fria, em frente ao edifício onde morava; e Tom Jobim que, assim como o ex-Beatle, tornou-se lenda em vida. Morreu em consequência de uma parada cardíaca, dois dias depois de ser operado, por causa de um câncer na bexiga. As duas estrelas desapareceram com uma diferença de 14 anos uma da outra. John tinha 40 anos quando tombou e Tom ia fazer 68.

Um integrou a banda de rock mais famosa e influente de todos os tempos. O outro é considerado um dos inventores da bossa nova. Em comum, a data e o local da morte. Tom Jobim e John Lennon morreram em um 8 de dezembro, em Nova York, nos Estados Unidos.

Encontrei no site entretenimento.r7.com esse artigo sobre as coincidências entre as mortes dos dois músicos, em Nova York:

“Vivemos num mundo onde nos escondemos para fazer amor! Enquanto a violência é praticada em plena luz do dia”. J.Lennon

John Lennon nos deixou há 34 anos. A notícia, mesmo na era anterior à Internet, correu feito um jato pelo mundo: o cantor, compositor e músico britânico foi assassinado em frente ao Dakota, edifício em que morava, em Nova York.

Mark Davis Chapman, um fã obcecado por Lennon, havia conseguido um autógrafo do músico na manhã daquele mesmo dia, fato que foi registrado por um fotógrafo. Quem poderia imaginar que, horas depois, o mesmo cidadão faria tamanha loucura?

O mundo ficou rapidamente de luto. As homenagens ao ex-Beatle se espalharam pelos quatro cantos do planeta, frequentemente acompanhadas por pessoas cantando as músicas de Lennon, especialmente o hino pacifista, Imagine.

“Quando uma árvore é cortada ela renasce em outro lugar. Quando eu morrer quero ir para esse lugar, onde as árvores vivem em paz”. Tom Jobim

Quatorze anos depois, foi a vez de Tom Jobim tornar essa data motivo de luto. Na época, o cantor, compositor e músico carioca vivia uma fase das mais produtivas em sua carreira.

Seu CD Antonio Brasileiro havia acabado de sair, com participações especiais de Dorival Caymmi e Sting. Um trabalho com alta qualidade artística, no qual Jobim se mostrava mais inspirado do que nunca.

Um câncer na bexiga, em estágio já adiantado, foi diagnosticado no músico em um exame rotineiro, dias antes. Tom foi operado, mas dois dias depois, morreu de parada cardíaca, no hospital Mount Sinai, em Nova York, em 8 de dezembro de 1994.

Lennon amava Nova York e Tom Jobim também se deu muito bem por lá, sendo presença constante na cidade americana.

Outro fato em comum entre eles é que seus legados continuam sendo apreciados e cultuados por fãs nos quatro cantos do mundo, além de gerar novos produtos.

No caso de Lennon, os discos dos Beatles mereceram um relançamento luxuoso em 2009, além do lançamento do game Beatles Rock Band, um sucesso de vendas.

Tom Jobim é tema de dois documentários dirigidos pelo cineasta Nelson Pereira dos Santos: A Música Segundo Tom e A Luz do Tom. Veja o primeiro, em versão completa, aqui:

 

ANÉSIA CAUAÇU, LENDA E HISTÓRIA NO SERTÃO DE JEQUIÉ SERÁ LANÇADO NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA BAHIA

Depois do lançamento em Jequié e Ipiaú, o livro que conta a história e as lendas sobre personagens históricos da região de Jequié, episódios que culminaram com a emancipação política do município, antes vinculado a Maracás, será agora lançado em Salvador, mais precisamente, no Saguão Deputado Nestor Duarte da Assembleia Legislativa da Bahia, a partir das 15h30 do dia 19 de dezembro. Além das autoridades convidadas pelo Cerimonial da ALBA, também estão convidados os jequieense que moram em Salvador e os que se interessam pelas histórias de Jequié, Maracás, Ituaçu, Tanhaçu, Ipiaú, Itagibá e Boa Nova,  palcos dos episódios que envolveram as lutas entre facções políticas. A narrativa aborda acontecimentos ocorridos a partir de 1896 a 1917, acrescidos de anotações da imprensa da época, além de relatos ficcionais.

O livro, editado e produzido pela ALBA CULTURAL, através dos editores Paulo Bina e Délio Pinheiro, com projeto gráfico e execução de Bira Paim e capa de Lula Martins, será adquirido mediante doação de produtos de higiene pessoal que serão cedidos à campanha natalina do Instituto Assembleia de Carinho, presidida por Eleusa Coronel. Cerca de 400 exemplares foram disponibilizados para este fim.

ASSIM VENCEM OS TIRANOS

 Por Carlos Eden*

 

 

 

 

Não sendo nenhum versado em História, muito menos em Filosofia ou coisas semelhantes, mas, tendo aprendido um pouco ao longo da minha vida, lendo sobre o passado histórico da Humanidade e vivendo alguns momentos importantes da História Contemporânea, os quais, desde a infância, marcaram minha formação de cidadão, vi rolarem diante dos meus olhos, acontecimentos políticos mais ou menos traumáticos, (é claro, já que a maior parte deles eu soube através da imprensa), e que o Brasil felizmente, nunca sofreu um ataque tipo Hiroshima, nem foi invadido por nenhum Hitler e seus asseclas. Entretanto, tivemos ditaduras cruéis, uma delas imposta pela famigerada “guerra fria”, gerada pelo capitalismo imperialista dos EUA e de seus adversários, representada também, pelo expansionismo comunista da URSS. Eu era apenas um adolescente quando deram o golpe de 1964 para “moralizar” o País.

Entretanto, a falência dos valores democrático/republicanos, a decadência institucional e ideológica da esquerda, todas contaminadas pela corrupção que o poder lhes proporciona, causando promiscuidade entre o crime organizado e os poderes da República (no nosso caso), levaram enorme parte das pessoas a perder o respeito pelas instituições ditas livres, o que consequentemente, poderia levar ao caos institucional, à violência absoluta, à busca pela justiça pelas próprias mãos. Seria uma “Revolução Francesa” reeditada.

Porém, grupos radicais de direita já se preparam para “salvar a pátria”, usando suas oportunas razões, para, justificando a incompetência ou conveniência dos nossos políticos, porem em prática uma operação, cujo objetivo seria usar com irrestrito apoio da classe média, grupos radicais violentos, dos quais são alvos os políticos corruptos, os assaltantes, os sequestradores, os cruéis bandidos assassinos cada vez mais odiados pela população, o que para muitos se justifica, já que tais indivíduos visam apenas enriquecer, pouco importa os meios cruéis usados para alcançar seus objetivos.

Infelizmente, não somente os bandidos, mas, equivocadamente ou por questões ideológicas, também os homossexuais, negros, índios, intelectuais e artistas, ou quaisquer outras minorias consideradas por eles como “indesejáveis”, são, injustamente alvos desses novos “salvadores da pátria”, podendo surgir desse meio, um novo tirano. Isto ocorreu na Alemanha, pós-Primeira Guerra Mundial, o que resultou naquele horror de Adolf Hitler, o holocausto dos judeus, e na carnificina indescritível gerada durante a Segunda Guerra Mundial. Tenho ouvido de pessoas cultas, conscientes dos horrores acima citados, mas que, assombradas com a violência urbana, com a corrupção crescente e com a falta de alternativas, ainda acham necessárias as intervenções do totalitarismo (de esquerda ou de direita, conforme a ideologia de cada uma delas), para deter o galopante avanço do crime organizado aliado aos hipócritas, larápios insensíveis, criminosos safados, que abusam da democracia para se posicionarem como “representantes do povo”, nas câmaras e assembléias que ocupam. Isto é terrivelmente preocupante.

*Carlos Éden Meira é jornalista e cartunista

FIM DA PALAVRA ‘GOLPE’

Por Ruy Castro*, via Aninha Franco**

 

 

 

 

Rio de Janeiro – No infantilismo político que nos domina, em que só se admite adesão total a este ou àquele lado e a menor restrição a um é tomada como apoio ao outro, o debate racional já pediu o boné. Amigos deixaram de se ver e, se por acaso se encontram, evitam falar de política, em nome do tempo em que suas discordâncias se limitavam ao futebol.

Ou se é de “direita” ou de “esquerda”, não há meios-tons. E, nessa divisão esquemática e burra, até a história leva a breca.

Um jovem conhecido meu, de “esquerda”, empolgado com os cem anos da Revolução Russa, admira por igual Lênin, Trotski e Stálin. Não acreditou quando lhe contei que, morto Lênin em 1924, Stalin não sossegou enquanto não expulsou Trotski da URSS, em 1929 —e que, inclusive no Brasil, os comunistas eram proibidos de falar com trotskistas e tinham de mudar de calçada à aproximação de um deles. Stalin poderia fazer acordo com o próprio Hitler —o que ele fez, em 1939—, mas não com Trotski, que finalmente matou em 1940. O garoto não sabia de nada disso. Só sabia que era de “esquerda”.

A política obriga a ideologia aos piores contorcionismos. Há dias, para surpresa de ninguém, o PT eliminou a palavra “golpe” de seus palanques e declarou “perdoados” os algozes de Dilma. Está certo. Não fica bem insultar os odiados inimigos de véspera com quem se quer fazer espertas alianças eleitorais. Só que, ao ver Lula de novo aos beijos com Renan Calheiros, como ficam as pessoas que levaram os últimos anos se destratando e cortando relações?

Há uma terceira via, que permite manter a coerência pessoal e desagradar os dois lados. Em 1983, perguntei a Millôr Fernandes o porquê de seu atrito permanente tanto com a esquerda como com a direita. Ele respondeu: “Com a direita, por ser de direita. E, com a esquerda, por ser de direita”.

*Ruy Castro é jornalista, biógrafo e escritor.    

*Aninha Franco é escritora, pensadora, poeta, dramaturga, crítica, advogada e ativista cultural.

SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO DO RIO ATACA TAÍS ARAÚJO: “IDIOTICE RACIAL”

No dia da Consciência Negra, o Secretário Municipal de Educação do Rio, César Benjamin, escreveu em seu perfil no Facebook que o racismo é uma “criação dos Estados Unidos”. Ele fez ainda duras críticas a Taís Araújo. Isso porque a atriz disse , durante uma palestra no evento TEDXSão Paulo, que “a cor do meu filho faz com que as pessoas mudem de calçada”.

“Qualquer idiotice racial prospera. A última delas é uma linda e cheirosa atriz global dizer que as pessoas mudam de calçada quando enxergam o filho dela, que também deve ser lindo e cheiroso”.

Veja a postagem de César Benjamim*, na íntegra.

*César de Queiroz Benjamim é um cientista político, jornalista, editor e político brasileiro. Durante a ditadura militar brasileira (1964-1985), participou da luta armada contra o regime, foi perseguido e exilado. Co-fundador do Partido dos Trabalhadores (PT), foi também filiado ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), tendo se desligado dos dois partidos. Atualmente, César Benjamin é o editor da Contraponto Editora, colunista da Folha de S.Paulo e Secretário de Educação do Estado do Rio de Janeiro.

Fonte: Brasil 247 e Revista Veja

Por alguns considerarem a imagem da postagem ilegível, reproduzo através do word:

 

 

Pessoal, sei que fui derrotado, sei que sou minoria, sei que vou apanhar de novo. Mas continuo detestando a racialização do Brasil, uma criação – eu vi – do Departamento de Estado dos Estados Unidos.

Nossa maior conquista – o conceito de povo brasileiro – desapareceu entre os bem-pensantes. Quaisquer idiotice racial prospera. A última delas é uma linda e cheirosa atriz global dizer que as pessoas mudam de calçada quando enxergam o filho dela, que também deve ser lindo e cheiroso.

Vocês replicam essa idiotice.

Se os brasileiros mudassem de calçada quando vissem uma pessoa morena ou negra, viveriam em eterno zigue-zague. Nunca chegariam a lugar nenhum.

Por sorte, o conceito de povo brasileiro ainda não desapareceu ali onde importa ao nosso próprio povo.

Luto para preservá-lo. Contra a grande maioria de vocês. Quero que as raças se fodam.

Assim é.

P.S. Me poupem de dizer que os “negros estão nas prisões” isso vale para falar bonito para a classe média. Vivi bastante tempo no meio da massa carcerária de Bangu, como preso comum. Os brancos, como eu, eram pequena minoria. Os negros também eram pequena minoria. A grande maioria era de gente morena, com todas as gradações do nosso povo. As cores dos presos na galeria em que fiquei, e nas demais, e as cores que vejo nas ruas são exatamente as mesmas.

“SARAU DO POETA” EM IPIAÚ: UMA NOITE DE CULTURA E EMOÇÃO

Jackson Costa declama Drummond

Zé Américo interpreta o seu poema “Dez Quartos” sob o olhar de Jackson Costa

Mais uma atividade cultural de qualidade atraiu grande público na noite de sexta feira (17), com o “Sarau do Poeta”, que aconteceu no amplo espaço do Colégio Santo Agostinho, em Ipiaú. Parafraseando o professor Reinaldo Pinheiro, novas peças culturais foram lançadas ao ar: em músicas, poesias, declamação de textos, lembranças e encantos!

O enorme talento do versátil ator e polivalente artista Jackson Costa, preencheu com poesia e interpretação a noite já iluminada pelo vozeirão afinado de Celo, acompanhado por um violão impecável, trazendo clássicos do cancioneiro nordestino e brasileiros dos músicos Joaquim Carvalho (violão e voz); Dinho Santana (violão e violino) e Sidney Argolo (percussão). É preciso ressaltar a participação especial do também sanfoneiro Celo Costa.

Culto, com boa presença cênica, Jackson Costa e suas palavras, sua poesia, conduziu a música, a cena, a plateia. Como disse alguém, sobre o show, inexploradas cadências resgataram a musicalidade e os versos da Bahia eternizados nas obras de Dorival Caymmi, Jorge Amado, Gregório de Mattos e Castro Alves e arrematado pelos textos de João Cabral de Melo Neto e Fernando Pessoa.

Como grapiúna de boa cepa, Jackson Costa declamou os poetas da sua terra, Sosígenes Costa, Ramon Vane e José Delmo.

Para um ambiente lotado, público surpreendentemente numeroso e atento, mesmo com uma impecável iluminação tecnicamente contida, pensada para o cenário, a noite do Santo Agostinho foi uma noite de luz. Não fosse apenas as emoções dos textos de Cecília Meireles e Vinicius de Morais, ainda mais emocionante foi quando o poeta ipiauense, Zé Américo Castro, convidado dos artistas visitantes, foi ao palco e, depois de declamar algumas peças de sua lavra, atendeu ao pedido do público e declamou o poema, uma de suas obras primas, “Dez Quartos”. A obra demonstra a dura realidade de um dos prostíbulos da década de 1950/1960, que misturava prazer e fome; amor, dor e flor… De parabéns a UDV pela iniciativa. Que venham outros eventos para esparzir cultura em toda a região.

“CAMPO DE AVIAÇÃO” DE JEQUIÉ COMPLETA 63 ANOS NESTE DOMINGO

19 de novembro de 1954, data do primeiro pouso de um avião de escala comercial, no aeroporto Vicente Grillo em Jequié

Ao centro, de roupa branca e cabelos grisalhos, o grande benemérito de Jequié, Vicente Grillo.

Multidão acorreu ao “Campo de Aviação” para assistir a aterrissagem e decolagem do Douglas DC-3 da Nacional Linhas Aéreas.

A Jodan foi a primeira agência de passagens e de representação da Nacional

Fotos e textos extraídos de publicação de Messias Memória (Jequié-Bahia).

Hoje, 19 de novembro de 2017, o “Campo de Aviação” de Jequié, transformado em Aeroporto Vicente Grillo, não conta com a infraestrutura correspondente à evolução da aviação comercial brasileira. Não dispõe de sistema de radares, há equipamentos para decolagem e pouso por instrumentos, inexiste conforto para os passageiros e tripulantes das raras aeronaves de pequeno porte que fazem escala por aqui. A economia e a cultura sofrem muito com esta carência, já que a carência de rapidez e segurança, alcançadas pela modalidade de deslocamento em outros centros, inibem a presença constante de investidores, agentes culturais, sem falar das urgências e emergências supridas por estes equipamentos numa sociedade em pleno crescimento demográfico.

Muito já se falou a respeito da modernização e funcionamento do aeroporto Vicente Grillo, inclusive a hipótese de construir-se um novo aeroporto, desta vez regional, para atender a demanda de cerca de 23 municípios. Falou-se em instalações no grande platô natural que existe no entrocamento de Jaguaquara, mas… Entra prefeito, sai prefeito, governadores, senadores e outros figurões que deveriam estar peermanentemente ligado a tais providencias, mas, infelizmente, pelo que se percebe, precisaria que um novo Vicente Grillo renascesse por aqui. Como sou reecarnacionista, não acho impossível tal solução. 

De qualquer maneira, deveríamos comemorar o fato de que há 63 anos atrás podíamos nos deslocar do bairro do jequiezinho para o Rio de Janeiro, Salvador, e, por que não, para o resto do mundo.

 

 

CULTURA: HOJE TEM SARAU DO POETA EM IPIAÚ

Jackson Costa em um momento do espetáculo que tem a participação de Zé Américo e o sanfoneiro Celo Costa.

O “Sarau do Poeta” com o ator Jackson Costa e convidados, acontece na noite desta sexta-feira, 17 de novembro, no Colégio Santo Agostinho, às 21 horas. Neste espetáculo a palavra conduz a música por inexploradas cadências e resgata a musicalidade e os versos da Bahia eternizada nas obras de Dorival Caymmi, Jorge Amado, Gregório de Mattos e Castro Alves. Tem ainda poemas de João Cabral de Melo Neto e Fernando Pessoa.

A poesia grapiuna será representada nos versos de Sosígenes Costa, Ramon Vane e José Delmo.

Acompanhando Jackson e trazendo clássicos do cancioneiro nordestino e brasileiro estarão os músicos Joaquim Carvalho (violão e voz); Dinho Santana (violão e violino) e Sidney Argolo ( percussão). Também tem a participação especial do sanfoneiro Celo Costa.

O Ator

Jackson Costa, o ator, tem mais de 30 anos no teatro, cinema e televisão, com peças que foram sucesso de critica e formadora de publico no teatro baiano a exemplo de Los Catedrásticos, Dona Flor e Seus Dois Maridos, Vixe Maria, Deus e o Diabo na Bahia. Ele foi um dos primeiros atores baianos a fazer atuações expressivas na TV Globo. Trabalhou em novelas e minisséries de sucesso como Renascer, Pedra Sobre Pedra, Duas Caras, Gabriela, Paraíso, Verdades Secretas, A Pedra do Reino, Dalva e Herivelto- Uma Canção de Amor e Tocaia Grande.

Culto, com boa presença cênica, Costa também foi apresentador do programa “Aprovado” transmitido nas manhãs de sábado pela TV Bahia. No cinema atuou nos filmes “Estranhos”, “Revoada”, “Lua Nova”, “O Vestido”, “Darcy”, “Bela Donna”, “Jenipapo” e “O Dono do Mar”, dentre outros. É um dos poucos atores do Brasil a desenvolver um trabalho de interpretação de poemas, explorando-os nas suas diversas maneiras, aproximando a poesia do povo, a ponto de ser chamado, por muitos, de poeta.

A convite de Jackson Costa participam do Sarau os poetas José Inácio Vieira de Melo e José Américo Castro.

SARA E PIPE: OLHAR DE AVÔ…

Tal como revela a música de Flávia Venceslau, a voz e o talento do pai amigo e a mãe singela a orientar, fizeram com que a poesia aflorasse sob o olhar do avô. Sara e Luis Felipe acolhem com benevolência o investimento musical de Mila e Luis. Eles fazem de conta que não trouxeram as tendências todas em sua bagagem espiritual. Pois sim: talentos de ontem, aprendizes de hoje, estrelas de amanhã. Parabéns Pipe e Sara. Não fora o futebol-arte que pratica desde os cinco anos, a flauta doce de Sarinha, os campeonatos de xadrez que ambos disputam sempre classificados nos primeiros lugares. Agora, vem a música na completude do ambiente de estudos e alegria. Parabéns aos quatro. Estamos esperando para o Natal.