Arquivo para ‘Região Sudoeste’ Categoria

ANÉSIA CAUAÇU, LENDA E HISTÓRIA NO SERTÃO DE JEQUIÉ SERÁ LANÇADO NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA BAHIA

Depois do lançamento em Jequié e Ipiaú, o livro que conta a história e as lendas sobre personagens históricos da região de Jequié, episódios que culminaram com a emancipação política do município, antes vinculado a Maracás, será agora lançado em Salvador, mais precisamente, no Saguão Deputado Nestor Duarte da Assembleia Legislativa da Bahia, a partir das 15h30 do dia 19 de dezembro. Além das autoridades convidadas pelo Cerimonial da ALBA, também estão convidados os jequieense que moram em Salvador e os que se interessam pelas histórias de Jequié, Maracás, Ituaçu, Tanhaçu, Ipiaú, Itagibá e Boa Nova,  palcos dos episódios que envolveram as lutas entre facções políticas. A narrativa aborda acontecimentos ocorridos a partir de 1896 a 1917, acrescidos de anotações da imprensa da época, além de relatos ficcionais.

O livro, editado e produzido pela ALBA CULTURAL, através dos editores Paulo Bina e Délio Pinheiro, com projeto gráfico e execução de Bira Paim e capa de Lula Martins, será adquirido mediante doação de produtos de higiene pessoal que serão cedidos à campanha natalina do Instituto Assembleia de Carinho, presidida por Eleusa Coronel. Cerca de 400 exemplares foram disponibilizados para este fim.

APAGÃO DEIXA CIDADES DO SUL E SUDOESTE SEM ENERGIA POR CERCA DE 1 HORA

Ipiaú, Ibirataia, Gandu, Jitaúna, Jequié, Jaguaquara, Itiruçu, Itaquara, são algumas das cidades que ficaram sem energia na noite dessa terça-feira (04). O apagão teve início às 19h23 e durou pouco mais de uma hora.  Especula-se que um problema na Usina do Funil teria sido a causa da interrupção de energia elétrica nessas localidades. O número de cidade atingidas ainda não foi contabilizado, mas acredita-se que passa de 20. Até por volta das 21h35, a Coelba não havia emitido um comunicado sobre o que causou o blecaute nessas cidades.

PF E CGU EXPLICAM EM COLETIVA DE IMPRENSA DESVIOS DOS RECURSOS DA EDUCAÇÃO EM JEQUIÉ

Superintendente da CGU e Delegado da Policia Federal quando falavam à imprensa

A Polícia Federal cumpriu mandados nas cidades de Jequié e Jaguaquara, além de Salvador, na manhã desta terça-feira (5). A operação visa combater crimes de desvio de recursos públicos destinados à área da educação. Cinquenta e oito policiais federais e seis auditores da Controladoria Geral da União cumpriram 23 mandados de condução coercitiva, 18 de busca e apreensão e cinco mandados de medidas cautelares nos três municípios, na Operação Melinoe [que na mitologia grega, é a deusa dos fantasmas]. Entre os alvos da operação está uma ex-vereadora de Jequié, que desviava recursos por meio de um suposto fornecimento de funcionários terceirizados fantasmas, segundo a PF. Entre esses funcionários, que deveriam atuar na Secretaria de Educação do Município, estavam dois sobrinhos da vereadora que não residiam na cidade. O nome da ex-vereadora não foi divulgado pela Polícia Federal. De acordo com o delegado da PF, a empresa, que era regularizada, concorreu a licitação com outros fantasmas – uma delas pertencia a um vereador do município. “A prefeitura contratou essa empresa de terceirização na área da educação e da saúde para gerir o contrato, que foi sendo prorrogado todos os anos. Inclusive continua em vigor”, explicou o delegado Rodrigo Souza Kolbe, durante uma coletiva de imprensa realizada na sede da PF em Vitória da Conquista.

Ainda de acordo com o delegado Kolbe, que estava ao lado do Superintendente da CGU, Ronaldo Machado de Oliveira, a PF constatou também que a mesma vereadora pagou salário a pelo menos, 35 funcionários que nunca atuaram nas escolas que teriam sido designados. De acordo com o levantamento feito durante as investigações, a empresa terceirizada recebeu do município de Jequié, entre 2013 e 2017, cerca de R$ 63 milhões. Deste total, R$ 7 milhões já foram identificados como recursos federais, especificamente de Precatórios do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEF). A PF estima um prejuízo aos cofres públicos de mais de R$ 1,5 milhão. Os cargos foram cedidos por vereadores em troca de apoio político. “Esses pontos (empregos) eram loteados entre vereadores. Eles indicavam quem iria ser lotado, mas não necessariamente trabalhar, então, tinha escolas, por exemplo, que tinha 12 pessoas trabalhando como auxiliar de serviços gerais, mas, na prática, só tinha apenas uma pessoa prestando serviço”, completou o delegado. (Fonte: Wilson Novais Jr.)

 

DONA DETINHA LOMANTO. MISSA DE 7º DIA

A família Lomanto, ainda consternada com o falecimento de sua expressiva e amorável matriarca, convida para a missa de sétimo dia em sufrágio pela alma de Hildete Britto Lomanto. A todos agradece pelo ato de solidariedade e fé cristã.

ASSIM VENCEM OS TIRANOS

 Por Carlos Eden*

 

 

 

 

Não sendo nenhum versado em História, muito menos em Filosofia ou coisas semelhantes, mas, tendo aprendido um pouco ao longo da minha vida, lendo sobre o passado histórico da Humanidade e vivendo alguns momentos importantes da História Contemporânea, os quais, desde a infância, marcaram minha formação de cidadão, vi rolarem diante dos meus olhos, acontecimentos políticos mais ou menos traumáticos, (é claro, já que a maior parte deles eu soube através da imprensa), e que o Brasil felizmente, nunca sofreu um ataque tipo Hiroshima, nem foi invadido por nenhum Hitler e seus asseclas. Entretanto, tivemos ditaduras cruéis, uma delas imposta pela famigerada “guerra fria”, gerada pelo capitalismo imperialista dos EUA e de seus adversários, representada também, pelo expansionismo comunista da URSS. Eu era apenas um adolescente quando deram o golpe de 1964 para “moralizar” o País.

Entretanto, a falência dos valores democrático/republicanos, a decadência institucional e ideológica da esquerda, todas contaminadas pela corrupção que o poder lhes proporciona, causando promiscuidade entre o crime organizado e os poderes da República (no nosso caso), levaram enorme parte das pessoas a perder o respeito pelas instituições ditas livres, o que consequentemente, poderia levar ao caos institucional, à violência absoluta, à busca pela justiça pelas próprias mãos. Seria uma “Revolução Francesa” reeditada.

Porém, grupos radicais de direita já se preparam para “salvar a pátria”, usando suas oportunas razões, para, justificando a incompetência ou conveniência dos nossos políticos, porem em prática uma operação, cujo objetivo seria usar com irrestrito apoio da classe média, grupos radicais violentos, dos quais são alvos os políticos corruptos, os assaltantes, os sequestradores, os cruéis bandidos assassinos cada vez mais odiados pela população, o que para muitos se justifica, já que tais indivíduos visam apenas enriquecer, pouco importa os meios cruéis usados para alcançar seus objetivos.

Infelizmente, não somente os bandidos, mas, equivocadamente ou por questões ideológicas, também os homossexuais, negros, índios, intelectuais e artistas, ou quaisquer outras minorias consideradas por eles como “indesejáveis”, são, injustamente alvos desses novos “salvadores da pátria”, podendo surgir desse meio, um novo tirano. Isto ocorreu na Alemanha, pós-Primeira Guerra Mundial, o que resultou naquele horror de Adolf Hitler, o holocausto dos judeus, e na carnificina indescritível gerada durante a Segunda Guerra Mundial. Tenho ouvido de pessoas cultas, conscientes dos horrores acima citados, mas que, assombradas com a violência urbana, com a corrupção crescente e com a falta de alternativas, ainda acham necessárias as intervenções do totalitarismo (de esquerda ou de direita, conforme a ideologia de cada uma delas), para deter o galopante avanço do crime organizado aliado aos hipócritas, larápios insensíveis, criminosos safados, que abusam da democracia para se posicionarem como “representantes do povo”, nas câmaras e assembléias que ocupam. Isto é terrivelmente preocupante.

*Carlos Éden Meira é jornalista e cartunista

EUCLIDES FERNANDES APRESENTA MOÇÃO DE PESAR PELO FALECIMENTO DE DONA DETINHA LOMANTO

O deputado estadual Euclides Fernandes (PDT), fez inserir na ata dos trabalhos da Assembleia Legislativa da Bahia, na Sessão Ordinária de hoje, 24 de novembro de 2017, uma Moção de Pesar pelo falecimento de Dona Detinha Lomanto, ocorrido na última quarta feira (22), solidarizando-se com a família enlutada, particularmente ao neto da querida nonagenária jequieense, deputado Leur Lomanto Júnior.

Muito ligado à família, especialmente ao ex-deputado federal Leur Lomanto, Euclides Fernandes compareceu ao sepultamento e teve oportunidade de apresentar as condolências ao seu amigo de longas datas, bem como aos demais membros da família. Veja o documento na íntegra:

 

 MOÇÃO

            A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DA BAHIA faz inserir na Ata de seus trabalhos uma MOÇÃO DE PESAR pelo falecimento de D. Hildete Brito Lomanto neste último dia 22 e solidariza-se  com seus familiares, particularmente seu neto o deputado Leur Lomanto Júnior,  e amigos neste momento de dor e sofrimento.

            Aos 93 anos faleceu D. Detinha Lomanto deixando literalmente orfãos todos os filhos de Jequié, por quem ela tinha um amor profundo e sempre que seu esposo, o ex-governador Lomanto Júnior, esteve à frente de um poder Executivo, não mediu esforços para atender às inúmeras demandas que chegavam ao seu conhecimento. Natural de Jequié, dona Detinha, como era chamada, se destacou pelos trabalhos sociais que desenvolveu ao lado do esposo, no interior, na capital baiana e em Brasília. Enquanto primeira-dama, dona Detinha foi presidente da Legião Brasileira de Assistência (LBA), órgão que deu origem às Voluntárias Sociais.

             Dona Detinha teve a sua vida marcada pelos trabalhos sociais que desenvolveu quando Dr. Lomanto Júnior foi governador do Estado e nas duas vezes em que dirigiu a Prefeitura de Jequié, além de ter buscado melhorias para as classes menos favorecidas através também do período que o seu esposo foi Senador da República, São filhos do casal, Antonio Lomanto Neto, o ex-deputado federal Leur Lomanto, Tadeu Antonio, Marco Antonio e Lilian Lomanto e, na relação de 10 netos, dando continuidade à vida pública eleitoral, o deputado estadual Leur Lomanto Júnior e mais 12 bisnetos.

            O seu sepultamento ocorreu no Cemitério São João Batista, em Jequié  nesta sexta-feira (24), dois anos após o falecimento do seu esposo.

            Após a tramitação que seja dado conhecimento desta Moção de Pesar  aos seus familiares e amigos de Jequié, através do deputado Leur Lomanto Júnior, titular desta Casa e do presidente da Câmara Municipal de Jequié.

           Sala das Sessões, 24 de novembro de 2017

                Deputado Euclides Fernandes/PDT

MORRE EM SALVADOR, AOS 93 ANOS, DONA HILDETE LOMANTO

O casal Detinha e Lomanto com seus cinco filhos.

Faleceu, na noite de quarta-feira (22), em Salvador, aos 93 anos, a Sra. Hildete de Britto Lomanto, conhecida pelos baianos como Dona Detinha Lomanto. Ela morreu justamente no dia em que completa dois anos do falecimento o seu esposo e companheiro, o  ex-governador da Bahia, Antonio Lomanto Júnior.

Dona Detinha foi sempre uma presença marcante em toda a vitoriosa trajetória de Lomanto Júnior, desde que o seu jovem marido, então odontólogo recém-formado, se elegeu vereador na cidade natal de ambos, Jequié, mandato exercido de 1947 a 1950.

Primeira-dama da Bahia entre os anos de 1963 e 1967, Dona Detinha teve a sua vida marcada pelos trabalhos sociais que desenvolveu como presidente da Legião Brasileira de Assistência (LBA) na Bahia, que, posteriormente, deu origem às Voluntárias Sociais, e pela grande legião de amigos que conquistou ao longo da vida.  São filhos do casal, Antonio Lomanto Neto, o ex-deputado federal Leur Lomanto, Tadeu Antonio, Marco Antonio e Lilian Lomanto. Entre os 10 netos, eis que surge a liderança de Leur Lomanto Júnior para prosseguir na tradição de homens públicos da família, mantendo as lições absorvidas do seu pai e seu avô, de honradez, dedicação e lealdade aos princípios democráticos da família, que a partir do tronco, já conta com 12 bisnetos.

O velório acontece no Velatório Pax Internacional, em Jequié, de onde seguirá para sepultamento às 10h de sexta-feira (24) .

“SARAU DO POETA” EM IPIAÚ: UMA NOITE DE CULTURA E EMOÇÃO

Jackson Costa declama Drummond

Zé Américo interpreta o seu poema “Dez Quartos” sob o olhar de Jackson Costa

Mais uma atividade cultural de qualidade atraiu grande público na noite de sexta feira (17), com o “Sarau do Poeta”, que aconteceu no amplo espaço do Colégio Santo Agostinho, em Ipiaú. Parafraseando o professor Reinaldo Pinheiro, novas peças culturais foram lançadas ao ar: em músicas, poesias, declamação de textos, lembranças e encantos!

O enorme talento do versátil ator e polivalente artista Jackson Costa, preencheu com poesia e interpretação a noite já iluminada pelo vozeirão afinado de Celo, acompanhado por um violão impecável, trazendo clássicos do cancioneiro nordestino e brasileiros dos músicos Joaquim Carvalho (violão e voz); Dinho Santana (violão e violino) e Sidney Argolo (percussão). É preciso ressaltar a participação especial do também sanfoneiro Celo Costa.

Culto, com boa presença cênica, Jackson Costa e suas palavras, sua poesia, conduziu a música, a cena, a plateia. Como disse alguém, sobre o show, inexploradas cadências resgataram a musicalidade e os versos da Bahia eternizados nas obras de Dorival Caymmi, Jorge Amado, Gregório de Mattos e Castro Alves e arrematado pelos textos de João Cabral de Melo Neto e Fernando Pessoa.

Como grapiúna de boa cepa, Jackson Costa declamou os poetas da sua terra, Sosígenes Costa, Ramon Vane e José Delmo.

Para um ambiente lotado, público surpreendentemente numeroso e atento, mesmo com uma impecável iluminação tecnicamente contida, pensada para o cenário, a noite do Santo Agostinho foi uma noite de luz. Não fosse apenas as emoções dos textos de Cecília Meireles e Vinicius de Morais, ainda mais emocionante foi quando o poeta ipiauense, Zé Américo Castro, convidado dos artistas visitantes, foi ao palco e, depois de declamar algumas peças de sua lavra, atendeu ao pedido do público e declamou o poema, uma de suas obras primas, “Dez Quartos”. A obra demonstra a dura realidade de um dos prostíbulos da década de 1950/1960, que misturava prazer e fome; amor, dor e flor… De parabéns a UDV pela iniciativa. Que venham outros eventos para esparzir cultura em toda a região.

“CAMPO DE AVIAÇÃO” DE JEQUIÉ COMPLETA 63 ANOS NESTE DOMINGO

19 de novembro de 1954, data do primeiro pouso de um avião de escala comercial, no aeroporto Vicente Grillo em Jequié

Ao centro, de roupa branca e cabelos grisalhos, o grande benemérito de Jequié, Vicente Grillo.

Multidão acorreu ao “Campo de Aviação” para assistir a aterrissagem e decolagem do Douglas DC-3 da Nacional Linhas Aéreas.

A Jodan foi a primeira agência de passagens e de representação da Nacional

Fotos e textos extraídos de publicação de Messias Memória (Jequié-Bahia).

Hoje, 19 de novembro de 2017, o “Campo de Aviação” de Jequié, transformado em Aeroporto Vicente Grillo, não conta com a infraestrutura correspondente à evolução da aviação comercial brasileira. Não dispõe de sistema de radares, há equipamentos para decolagem e pouso por instrumentos, inexiste conforto para os passageiros e tripulantes das raras aeronaves de pequeno porte que fazem escala por aqui. A economia e a cultura sofrem muito com esta carência, já que a carência de rapidez e segurança, alcançadas pela modalidade de deslocamento em outros centros, inibem a presença constante de investidores, agentes culturais, sem falar das urgências e emergências supridas por estes equipamentos numa sociedade em pleno crescimento demográfico.

Muito já se falou a respeito da modernização e funcionamento do aeroporto Vicente Grillo, inclusive a hipótese de construir-se um novo aeroporto, desta vez regional, para atender a demanda de cerca de 23 municípios. Falou-se em instalações no grande platô natural que existe no entrocamento de Jaguaquara, mas… Entra prefeito, sai prefeito, governadores, senadores e outros figurões que deveriam estar peermanentemente ligado a tais providencias, mas, infelizmente, pelo que se percebe, precisaria que um novo Vicente Grillo renascesse por aqui. Como sou reecarnacionista, não acho impossível tal solução. 

De qualquer maneira, deveríamos comemorar o fato de que há 63 anos atrás podíamos nos deslocar do bairro do jequiezinho para o Rio de Janeiro, Salvador, e, por que não, para o resto do mundo.

 

 

CULTURA: HOJE TEM SARAU DO POETA EM IPIAÚ

Jackson Costa em um momento do espetáculo que tem a participação de Zé Américo e o sanfoneiro Celo Costa.

O “Sarau do Poeta” com o ator Jackson Costa e convidados, acontece na noite desta sexta-feira, 17 de novembro, no Colégio Santo Agostinho, às 21 horas. Neste espetáculo a palavra conduz a música por inexploradas cadências e resgata a musicalidade e os versos da Bahia eternizada nas obras de Dorival Caymmi, Jorge Amado, Gregório de Mattos e Castro Alves. Tem ainda poemas de João Cabral de Melo Neto e Fernando Pessoa.

A poesia grapiuna será representada nos versos de Sosígenes Costa, Ramon Vane e José Delmo.

Acompanhando Jackson e trazendo clássicos do cancioneiro nordestino e brasileiro estarão os músicos Joaquim Carvalho (violão e voz); Dinho Santana (violão e violino) e Sidney Argolo ( percussão). Também tem a participação especial do sanfoneiro Celo Costa.

O Ator

Jackson Costa, o ator, tem mais de 30 anos no teatro, cinema e televisão, com peças que foram sucesso de critica e formadora de publico no teatro baiano a exemplo de Los Catedrásticos, Dona Flor e Seus Dois Maridos, Vixe Maria, Deus e o Diabo na Bahia. Ele foi um dos primeiros atores baianos a fazer atuações expressivas na TV Globo. Trabalhou em novelas e minisséries de sucesso como Renascer, Pedra Sobre Pedra, Duas Caras, Gabriela, Paraíso, Verdades Secretas, A Pedra do Reino, Dalva e Herivelto- Uma Canção de Amor e Tocaia Grande.

Culto, com boa presença cênica, Costa também foi apresentador do programa “Aprovado” transmitido nas manhãs de sábado pela TV Bahia. No cinema atuou nos filmes “Estranhos”, “Revoada”, “Lua Nova”, “O Vestido”, “Darcy”, “Bela Donna”, “Jenipapo” e “O Dono do Mar”, dentre outros. É um dos poucos atores do Brasil a desenvolver um trabalho de interpretação de poemas, explorando-os nas suas diversas maneiras, aproximando a poesia do povo, a ponto de ser chamado, por muitos, de poeta.

A convite de Jackson Costa participam do Sarau os poetas José Inácio Vieira de Melo e José Américo Castro.