Arquivo para ‘Política e Políticos’ Categoria

OLHA A FEDERAL!…

Por Carlos Eden*

 

 

 

Um já falecido jornalista jequieense gostava de contar um caso interessante, que teria acontecido aqui em Jequié há muito tempo atrás, numa época em que a administração municipal estava sendo acusada de corrupção, falcatruas, trambicagens, desvio de verbas e outras malandragens administrativas, havendo inclusive o comentário de que a Polícia Federal faria uma “visita” de surpresa à cidade, para apurar tais fatos. Não sei se a história a seguir era uma piada de domínio público, ou se era criação do citado jornalista gozador, entretanto, era assunto tido por alguns, como fato verdadeiro.

O caso interessante contado pelo jornalista era o seguinte: numa bela e ensolarada tarde, em pleno horário de expediente na Prefeitura Municipal, cochichava-se pelos cantos sobre as denúncias da Imprensa a respeito das referidas falcatruas, criando-se assim um clima tenso e de suspense, em todo o ambiente. Qualquer comentário, barulho, ou movimento fora da rotina gerava boatos e ameaçava criar pânico generalizado. Eis que de repente, ouviu-se uma voz ecoando pelos corredores, em alto e bom som: “olha a Federal!… olha a Federal”!…

 Aí o caos tomou conta do ambiente. Foi um “salve-se quem puder” terrível com gente esvaziando gavetas e arquivos, carregando montes de pastas, enchendo porta-malas de veículos e tomando rumos desconhecidos, um desespero total. Falava-se nervosamente, que a Polícia Federal tinha chegado e que a coisa ia ficar preta pra muita “gente fina” por ali, nesse “pega-pra- capar”. A coisa só veio a se acalmar muito mais tarde, quando ficou esclarecido que tudo não passou de um equívoco, pois, alguém descobriu que o alarme fora provocado pelos gritos de um senhor, antigo vendedor de bilhetes da Loteria Federal, que entrara pelo prédio da Prefeitura adentro, na esperança de vender uns bilhetinhos e anunciava gritando: “Olha a Federal!… Olha a Federal”!… Então, esclarecido o assunto, tudo voltou ao “normal”. Fora apenas um susto provocando pânico em quem certamente “tinha culpa no cartório”, ficando assim, realmente provado que quem não deve, não teme.

Mesmo não sendo verídicos em parte, os fatos aqui narrados, o que acredito que ninguém pode confirmar ou não, acho que não é nada recomendável passar na porta de certos órgãos públicos gritando “olha a Federal”, se não quiser ser acusado de criar pânico generalizado.

*Carlos Eden Meira Magalhães é jornalista e chargista

TRE-BA ANULA AÇÃO DA PF CONTRA MARCELO NILO NA “OPERAÇÃO OPINIÃO”

Em sessão na tarde de segunda-feira (4), o Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) anulou por 6 x 1  as buscas e apreensões realizadas durante a “Operação Opinião”, deflagrada pela Polícia Federal (PF) e Ministério Público Eleitoral (MPE), no dia 13 de setembro, e que tinha como alvo principal o deputado estadual e ex-presidente da Assembleia Legislativa (AL-BA), Marcelo Nilo (PSL). Na prática, o TRE anulou a ação da PF.  O MPE suspeitava de que Nilo seria o controlador da Bahia Pesquisa e Estatística – Babesp, também conhecida como ‘Datanilo’, e que poderia estar manipulando os resultados das pesquisas divulgadas pelo instituto. Nos bastidores se dizia, ainda, que havia suspeitas de que Nilo utilizaria a empresa para contabilização fraudulenta de recursos utilizados de maneira ilegal em campanhas políticas, o chamado “caixa 2”, mas isto não consta do processo.

Na ocasião, a PF cumpriu mandados em sete locais relacionados a Marcelo Nilo em Salvador, incluindo seu gabinete na AL-BA e residência, de seu genro Marcelo Dantas Veiga e do sócio da empresa Babesp, Roberto Pereira Matos, além da sede da Leiaute Comunicação. Os mandados de busca e apreensão ocorreram para que fossem juntadas provas que pudessem confirmar as suspeitas. Na prática, porém, houve anulação da ação e todos os documentos apreendidos terão de ser devolvidos. O único que ainda não recorreu pela anulação foi Roberto Pereira Matos, sócio da Babesp. O único voto contra Nilo, Veiga e a Leiaute foi o do juiz eleitoral Jatahy Fonseca. (A Tarde)

 

COMITÊ DE IMPRENSA ELEGE DESTAQUES DO PARLAMENTO ESTADUAL BAIANO

Os deputados Angelo Coronel (PSD), Hildécio Meireles (PMDB), Marcelo Nilo (PSL), Fabíola Mansur (PSB), Adolfo Viana (PSDB), Luciano Simões Filho (PMDB), Alex da Piatã (PSD) e José de Arimateia (PRB) foram escolhidos ontem como destaque parlamentar de 2017 pelos jornalistas credenciados junto ao Comitê de Imprensa. Os oito eleitos receberão o Troféu Imprensa no dia 12, às 17h, em solenidade em que serão premiados também os profissionais de imprensa que fizeram a melhor cobertura dos trabalhos da ALBA do ano.

Ambas as votações que definiram foram secretas e resultado oficial foi comunicado ao plenário pelo deputado Aderbal Caldas (PP), através de uma questão de ordem. Esta tradicional premiação integra a confraternização natalina do Legislativo e premia aqueles que se destacam no Parlamento – sejam seus integrantes, os 63 representantes dos baianos, ou os jornalistas, responsáveis pela divulgação e repercussão das atividades no Legislativo. Em 2017 os melhores repórteres setoristas foram Levi Vasconcelos, de A Tarde, Luiz Fernando Lima, do Bocão News, e Itamar Ribeiro, da Rádio Sociedade de Feira de Santana.

Tradicionalmente são eleitos apenas quatro parlamentares, mas é também da tradição do Comitê que congrega a imprensa especializada, nos casos de empate, conferir o Troféu Imprensa às partes envolvidas. Este ano o presidente Angelo Coronel obteve 26 dos 34 votos possíveis, sendo seguido por Hildécio Meireles com 12. Na terceira posição ficaram os deputados Marcelo Nilo e Fabíola Mansur com oito votos cada, enquanto o quarto lugar reuniu os deputados Adolfo Viana, Alex da Piatã, José de Arimateia e Luciano Simões Filho, cada um com sete votos.

Trinta e quatro parlamentares obtiveram votos, numa eleição das mais dispersas já realizadas. Foram registrados três votos incompletos (cada votante poderiam escolher quatro parlamentares) e um voto foi considerado nulo, pois só continha o prenome – Alan – do escolhidos, mas existem dois deputados com esse nome, Alan Sanches e Alan Castro.

Fonte: Ascom-Alba

ASSIM VENCEM OS TIRANOS

 Por Carlos Eden*

 

 

 

 

Não sendo nenhum versado em História, muito menos em Filosofia ou coisas semelhantes, mas, tendo aprendido um pouco ao longo da minha vida, lendo sobre o passado histórico da Humanidade e vivendo alguns momentos importantes da História Contemporânea, os quais, desde a infância, marcaram minha formação de cidadão, vi rolarem diante dos meus olhos, acontecimentos políticos mais ou menos traumáticos, (é claro, já que a maior parte deles eu soube através da imprensa), e que o Brasil felizmente, nunca sofreu um ataque tipo Hiroshima, nem foi invadido por nenhum Hitler e seus asseclas. Entretanto, tivemos ditaduras cruéis, uma delas imposta pela famigerada “guerra fria”, gerada pelo capitalismo imperialista dos EUA e de seus adversários, representada também, pelo expansionismo comunista da URSS. Eu era apenas um adolescente quando deram o golpe de 1964 para “moralizar” o País.

Entretanto, a falência dos valores democrático/republicanos, a decadência institucional e ideológica da esquerda, todas contaminadas pela corrupção que o poder lhes proporciona, causando promiscuidade entre o crime organizado e os poderes da República (no nosso caso), levaram enorme parte das pessoas a perder o respeito pelas instituições ditas livres, o que consequentemente, poderia levar ao caos institucional, à violência absoluta, à busca pela justiça pelas próprias mãos. Seria uma “Revolução Francesa” reeditada.

Porém, grupos radicais de direita já se preparam para “salvar a pátria”, usando suas oportunas razões, para, justificando a incompetência ou conveniência dos nossos políticos, porem em prática uma operação, cujo objetivo seria usar com irrestrito apoio da classe média, grupos radicais violentos, dos quais são alvos os políticos corruptos, os assaltantes, os sequestradores, os cruéis bandidos assassinos cada vez mais odiados pela população, o que para muitos se justifica, já que tais indivíduos visam apenas enriquecer, pouco importa os meios cruéis usados para alcançar seus objetivos.

Infelizmente, não somente os bandidos, mas, equivocadamente ou por questões ideológicas, também os homossexuais, negros, índios, intelectuais e artistas, ou quaisquer outras minorias consideradas por eles como “indesejáveis”, são, injustamente alvos desses novos “salvadores da pátria”, podendo surgir desse meio, um novo tirano. Isto ocorreu na Alemanha, pós-Primeira Guerra Mundial, o que resultou naquele horror de Adolf Hitler, o holocausto dos judeus, e na carnificina indescritível gerada durante a Segunda Guerra Mundial. Tenho ouvido de pessoas cultas, conscientes dos horrores acima citados, mas que, assombradas com a violência urbana, com a corrupção crescente e com a falta de alternativas, ainda acham necessárias as intervenções do totalitarismo (de esquerda ou de direita, conforme a ideologia de cada uma delas), para deter o galopante avanço do crime organizado aliado aos hipócritas, larápios insensíveis, criminosos safados, que abusam da democracia para se posicionarem como “representantes do povo”, nas câmaras e assembléias que ocupam. Isto é terrivelmente preocupante.

*Carlos Éden Meira é jornalista e cartunista

FIM DA PALAVRA ‘GOLPE’

Por Ruy Castro*, via Aninha Franco**

 

 

 

 

Rio de Janeiro – No infantilismo político que nos domina, em que só se admite adesão total a este ou àquele lado e a menor restrição a um é tomada como apoio ao outro, o debate racional já pediu o boné. Amigos deixaram de se ver e, se por acaso se encontram, evitam falar de política, em nome do tempo em que suas discordâncias se limitavam ao futebol.

Ou se é de “direita” ou de “esquerda”, não há meios-tons. E, nessa divisão esquemática e burra, até a história leva a breca.

Um jovem conhecido meu, de “esquerda”, empolgado com os cem anos da Revolução Russa, admira por igual Lênin, Trotski e Stálin. Não acreditou quando lhe contei que, morto Lênin em 1924, Stalin não sossegou enquanto não expulsou Trotski da URSS, em 1929 —e que, inclusive no Brasil, os comunistas eram proibidos de falar com trotskistas e tinham de mudar de calçada à aproximação de um deles. Stalin poderia fazer acordo com o próprio Hitler —o que ele fez, em 1939—, mas não com Trotski, que finalmente matou em 1940. O garoto não sabia de nada disso. Só sabia que era de “esquerda”.

A política obriga a ideologia aos piores contorcionismos. Há dias, para surpresa de ninguém, o PT eliminou a palavra “golpe” de seus palanques e declarou “perdoados” os algozes de Dilma. Está certo. Não fica bem insultar os odiados inimigos de véspera com quem se quer fazer espertas alianças eleitorais. Só que, ao ver Lula de novo aos beijos com Renan Calheiros, como ficam as pessoas que levaram os últimos anos se destratando e cortando relações?

Há uma terceira via, que permite manter a coerência pessoal e desagradar os dois lados. Em 1983, perguntei a Millôr Fernandes o porquê de seu atrito permanente tanto com a esquerda como com a direita. Ele respondeu: “Com a direita, por ser de direita. E, com a esquerda, por ser de direita”.

*Ruy Castro é jornalista, biógrafo e escritor.    

*Aninha Franco é escritora, pensadora, poeta, dramaturga, crítica, advogada e ativista cultural.

TIME ESCALADO: CHAPA DE RUI TERÁ LEÃO, CORONEL E WAGNER; LÍDICE AMEAÇA SAIR SOZINHA.

Por Bruno Luiz (Bahia Notícias)

Foto Mateus Pereira/GovBa e arquivo.

De um lado, PSD, PSB, PP, PR, PT, PDT e PCdoB disputam a possibilidade de indicar um nome para a chapa majoritária da candidatura à reeleição do governador Rui Costa (PT). Do outro, quando questionado publicamente sobre as tratativas com vistas a 2018, o petista desconversa. Sempre responde que este é o momento de trabalhar e que só conversará sobre o tema no próximo ano. Entretanto, nos bastidores, as movimentações apontam que Rui já bateu o martelo e definiu quem deve marchar ao lado dele no pleito estadual. De acordo com informações obtidas pelo Bahia Notícias, a composição de partidos que participarão da chapa será mesmo aquela que vinha sendo especulada com intensidade, tanto no mundo político, quanto pela imprensa: PT, PP e PSD. No “alto escalão” da chapa, a reedição da parceria que venceu em 2014: Rui e João Leão (PP) sairão como governador e vice, respectivamente. Já no Senado, uma vaga é do ex-governador Jaques Wagner (PT), que abriu mão em 2014 para abrir espaço para a candidatura de Otto Alencar (PSD). A outra será mesmo ocupada pelo presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), Angelo Coronel (PSD). “O jogo já está jogado”, disse ao Bahia Notícias um nome que acompanha de perto as articulações para 2018. Procurado pela reportagem, no entanto, Coronel negou que haja alguma definição sobre o assunto. “Essa é uma questão que fica para o partido definir a posição que devemos jogar. Estou na concentração, aquecido. Se o partido resolver me colocar para jogar, estou pronto”, declarou. Esse desenho da majoritária, como previsto em uma situação na qual há muitos postulantes para pouco espaço, já tem provocado resistências dentro da base governista. Ainda segundo fontes ouvidas pela reportagem, a senadora Lídice da Mata (PSB), que tem sido mais incisiva nas declarações públicas sobre seu desejo de disputar a reeleição ao Senado ao lado de Rui, demonstra inconformismo com a possibilidade de ser preterida. A pessoas mais próximas, ela tem declarado que pode se candidatar sozinha para mais um mandato. “Ela sai candidata ao Senado de qualquer jeito”, afirmou uma outra fonte que participa das conversas. O possível voo solo da socialista, no entanto, não é tratado publicamente e, apesar das negociações avançadas sobre o próximo ano, nenhum dos interlocutores se predispõe a tratar do tema. Mesmo com o cenário inicialmente delineado, eventuais mudanças pontuais podem acontecer a partir das articulações que envolvem outros partidos da base aliada.

Fonte: www.bahianoticias.com.br

MORRE EM SALVADOR, AOS 93 ANOS, DONA HILDETE LOMANTO

O casal Detinha e Lomanto com seus cinco filhos.

Faleceu, na noite de quarta-feira (22), em Salvador, aos 93 anos, a Sra. Hildete de Britto Lomanto, conhecida pelos baianos como Dona Detinha Lomanto. Ela morreu justamente no dia em que completa dois anos do falecimento o seu esposo e companheiro, o  ex-governador da Bahia, Antonio Lomanto Júnior.

Dona Detinha foi sempre uma presença marcante em toda a vitoriosa trajetória de Lomanto Júnior, desde que o seu jovem marido, então odontólogo recém-formado, se elegeu vereador na cidade natal de ambos, Jequié, mandato exercido de 1947 a 1950.

Primeira-dama da Bahia entre os anos de 1963 e 1967, Dona Detinha teve a sua vida marcada pelos trabalhos sociais que desenvolveu como presidente da Legião Brasileira de Assistência (LBA) na Bahia, que, posteriormente, deu origem às Voluntárias Sociais, e pela grande legião de amigos que conquistou ao longo da vida.  São filhos do casal, Antonio Lomanto Neto, o ex-deputado federal Leur Lomanto, Tadeu Antonio, Marco Antonio e Lilian Lomanto. Entre os 10 netos, eis que surge a liderança de Leur Lomanto Júnior para prosseguir na tradição de homens públicos da família, mantendo as lições absorvidas do seu pai e seu avô, de honradez, dedicação e lealdade aos princípios democráticos da família, que a partir do tronco, já conta com 12 bisnetos.

O velório acontece no Velatório Pax Internacional, em Jequié, de onde seguirá para sepultamento às 10h de sexta-feira (24) .

PROCURADORIA SE MANIFESTA A FAVOR DA MANUTENÇÃO DA PRISÃO DE GEDDEL

Ex-ministro Geddel Vieira Lima

A Procuradoria Geral da República (PGR) se manifestou a favor da manutenção da prisão preventiva de Geddel Vieira Lima, ex-ministro de Michel Temer.

Em documento encaminhado ao ministro Edson Fachin, do STF Supremo Tribunal Federal (STF), na sexta-feira (17), o vice-procurador-geral Luciano Maia afirmou que uma eventual concessão de liberdade a Geddel “coloca em grave risco a ordem pública e vulnera a garantia da aplicação da lei penal”. Maia ressalta que o ex-ministro é suspeito de ter ocultado quase R$ 52 milhões em um apartamento, que, quando descoberto, “constituiu a maior apreensão de dinheiro vivo da história criminal brasileira”.

O procurador destaca informações apresentadas por Job Ribeiro Brandão, ex-assessor de Geddel e de seu irmão, o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA). As digitais de Job foram identificadas no dinheiro que estava no imóvel.

No documento, Maia afirma que Job disse à Polícia Federal que destruiu anotações, agendas e documentos a pedido de Geddel, de Lúcio e de Marluce, a mãe deles, enquanto o ex-ministro cumpria prisão domiciliar, entre julho e setembro deste ano, em Salvador.

Os documentos destruídos, de acordo com Job, foram “colocados em sacos de lixo e descartados”, e “picotados e colocados na descarga do vaso sanitário”.

O procurador destaca que existe a suspeita de que os irmãos tenham cometido o crime de peculato, pois Job disse que devolvia cerca de 80% do salário como assessor parlamentar (R$ 8.000) aos políticos.

Job disse ter sido contratado como assessor parlamentar, mas que prestava serviços pessoais à família, para a qual trabalhou durante 28 anos. “Tal suposta prática de peculato do patrimônio da União teria perdurado até Job ser sido exonerado da função pública, em 27/10/2017, por efeito desta investigação”, escreveu o procurador. Mais adiante ele conclui: “Ao que tudo indica, portanto, uma relação criminosa de trato sucessivo, levada a efeito também por Geddel, subsistiu à sua prisão domiciliar e à atual prisão preventiva em Brasília/DF –decretada em 17/10/2017”, afirmou.

Maia também destaca que o corretor de valores Lúcio Funaro disse que sua mulher foi procurada por Geddel, que queria evitar que ele fizesse acordo de delação premiada com a Lava Jato.

Geddel foi preso em 5 de setembro, após a PF apreender mais de R$ 51 milhões em um apartamento em Salvador.

O caso era investigado na primeira instância, mas foi deslocado para o STF depois que surgiram indícios de participação do deputado federal Lúcio Vieira Lima.

Informações Bocão News e Folhapress

“CAMPO DE AVIAÇÃO” DE JEQUIÉ COMPLETA 63 ANOS NESTE DOMINGO

19 de novembro de 1954, data do primeiro pouso de um avião de escala comercial, no aeroporto Vicente Grillo em Jequié

Ao centro, de roupa branca e cabelos grisalhos, o grande benemérito de Jequié, Vicente Grillo.

Multidão acorreu ao “Campo de Aviação” para assistir a aterrissagem e decolagem do Douglas DC-3 da Nacional Linhas Aéreas.

A Jodan foi a primeira agência de passagens e de representação da Nacional

Fotos e textos extraídos de publicação de Messias Memória (Jequié-Bahia).

Hoje, 19 de novembro de 2017, o “Campo de Aviação” de Jequié, transformado em Aeroporto Vicente Grillo, não conta com a infraestrutura correspondente à evolução da aviação comercial brasileira. Não dispõe de sistema de radares, há equipamentos para decolagem e pouso por instrumentos, inexiste conforto para os passageiros e tripulantes das raras aeronaves de pequeno porte que fazem escala por aqui. A economia e a cultura sofrem muito com esta carência, já que a carência de rapidez e segurança, alcançadas pela modalidade de deslocamento em outros centros, inibem a presença constante de investidores, agentes culturais, sem falar das urgências e emergências supridas por estes equipamentos numa sociedade em pleno crescimento demográfico.

Muito já se falou a respeito da modernização e funcionamento do aeroporto Vicente Grillo, inclusive a hipótese de construir-se um novo aeroporto, desta vez regional, para atender a demanda de cerca de 23 municípios. Falou-se em instalações no grande platô natural que existe no entrocamento de Jaguaquara, mas… Entra prefeito, sai prefeito, governadores, senadores e outros figurões que deveriam estar peermanentemente ligado a tais providencias, mas, infelizmente, pelo que se percebe, precisaria que um novo Vicente Grillo renascesse por aqui. Como sou reecarnacionista, não acho impossível tal solução. 

De qualquer maneira, deveríamos comemorar o fato de que há 63 anos atrás podíamos nos deslocar do bairro do jequiezinho para o Rio de Janeiro, Salvador, e, por que não, para o resto do mundo.

 

 

CORONEL VOLTA DA CHINA, REASSUME A PRESIDÊNCIA DA ALBA EM CLIMA DE FESTA

O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia – ALBA – Angelo Coronel, reassumiu na última segunda feira (13.11), a chefia do Legislativo, depois de 25 dias de viagem à China, Japão, Singapura e Emirados Árabes. Os servidores da Casa fizeram uma grande festa para o presidente, recebido com cartazes, aplausos e abraços na entrada principal do Palácio Luís Eduardo Magalhães. Antes de retornar à ALBA, Coronel foi recebido em almoço pelo governador Rui Costa, junto com líderes partidários, no prédio da Governadoria.

Funcionários passaram a chamar o deputado Ângelo Coronel de presidente “Anjo” Coronel.

Ontem, quarta feira (14). Coronel  promulgou o Plano de Cargos e Salários dos servidores da Assembleia Legislativa. “Fiquei emocionado com o carinho demonstrado por todos nesse meu retorno. São atitudes como essas que realmente nos recompensam e mostram que estamos no caminho certo. Não posso querer um poder independente e soberano, com pessoas insatisfeitas. Com o PCS, corrigimos distorções de mais de 30 anos”, diz Coronel. Os funcionãrios da Assembleia Legislativa da Bahia mandaram fazer camisetas comemorativas à promulgação do tão sonhado Plano de Cargos e Salãrios, trazendo no peito escrito a palavra “Anjo” numa alusão ao prenome Ângelo, do presidente da ALBA.