Arquivo para ‘Poder’ Categoria

EUCLIDES FERNANDES PROPÕE COMENDA DOIS DE JULHO PARA O SECRETÁRIO JERÔNIMO RODRIGUES

Jerônimo Rodrigues, Secretário de Desenvolvimento Rural

A Assembleia Legislativa da Bahia está analisando o projeto de Resolução do deputado Euclides Fernandes (PDT) que concede a Comenda Dois de Julho ao secretário Jerônimo Rodrigues, do Desenvolvimento Rural, em reconhecimento ao intenso trabalho desenvolvido nos últimos três anos, principalmente em benefícios das famílias menos favorecidas, particularmente as que habitam o semiárido.

Nas justificativas o deputado ressaltou o Projeto Pró-Semiárido que na sua primeira etapa previu o atendimento de 40 comunidades quilombolas, 62 comunidades de fundo de pasto, 57 assentamentos rurais além de cerca de 300 comunidades de agricultura familiar, todos distribuídos em 32 municípios do semiárido. Essa etapa envolveu mais de 70 mil famílias. Os resultados favoráveis levaram a expansão do projeto para outros municípios.

Através da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional vem se empenhando no combate à pobreza em comunidades rurais e priorizando o fortalecimento da agricultura familiar desenvolvendo programas que promovam a segurança hídrica para as comunidades e que possam conviver com a seca em condições de habitabilidade compatível com suas necessidades.

Nessa proposta a CAR tem apostado nas potencialidades regionais, incentivado associações e cooperativas que investem em atividades e produtos capazes de gerar efetivamente emprego e renda, e estimula o desenvolvimento de diversas cadeias produtivas, tais como a apicultura, caprinocultura, fruticultura, ovinocaprinocultura, a produção de chocolate e o beneficiamento de leite.

Para levar a termo os vários projetos e programas da Secretaria de Desenvolvimento Rural Jerônimo Rodrigues trouxe a experiência da sua atuação no Movimento de Organização Comunitária (MOC) de 1995 a 2006; foi membro curador da FAPESPB e do Fundo de Combate à Pobreza e do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Baiano. Além de professor-assistente do Departamento de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Estadual de Feira de Santana, traz ainda em seu currículo as funções de assessor especial do Ministro do MDA e Coordenador do Programa de Governo Participativo da candidatura do atual governador Rui Costa.

 Informações: jornalista Renato Ferreira – Assessoria de Comunicação

JEQUIÉ: EM DEBATE O FUNDO DE CAMPANHA FOI ITEM MAIS CONTESTADO NA REFORMA POLÍTICA

Deputado Euclides Fernandes, debate reforma política com o jornalista Wilson Midlej e o advogado Henrique Malta

A criação do Fundo Especial de Financiamento da Democracia, para substituir as doações empresariais, no financiamento de campanhas eleitorais, foi o ponto mais criticado, no debate realizado na manhã deste sábado, 12, no programa A Semana em Revista (93 FM), apresentado pelo deputado estadual e jornalista Euclides Fernandes, tendo como convidados o jornalista e escritor Wilson Midlej e o advogado Henrique Malta. As críticas direcionadas à criação desse fundo de campanha, — que será composto por recursos da União e corresponderá a 0,5% da receita corrente líquida dos últimos 12 meses, em valores atuais, no montante de R$ 3,2 bilhões de reais—são de que não tem justificativa retirar valores que poderiam ser investidos em outras áreas, como saúde e educação, para pagamento de campanhas eleitorais, “cerca de R$ 800 milhões anuais aos cofres públicos. Chega a ser indecente”, esbravejou o apresentador do programa. O texto da reforma foi aprovado na sessão da última quinta-feira, 10 da Câmara dos Deputados, mas a votação será retomada na próxima terça, 15. As medidas que foram aprovadas do texto-base, para vigorarem nas eleições de 2018, terão de passar até outubro, por votações em dois turnos nos plenários da Câmara e do Senado. No programa A Semana em Revista, também foram debatidos as demais alterações previstas nas regras eleitorais do país, a exemplo do chamado “Distritão”, no qual serão eleitos os deputados federais e estaduais mais votados, o mesmo que ocorrerá em relação aos vereadores.

Transcrito do Jequié Repórter  www.jequiereporter.com.br  

MILITARES SE REBELAM NO NORTE DA VENEZUELA, MAS SÃO RENDIDOS

Um grupo de militares do chamado Forte Paramacay, no estado de Carabobo, na Venezuela, promoveu um levante neste domingo (6) contra o governo de Nicolás Maduro, mas acabou rendido por outros membros das Forças Armadas, segundo o dirigente chavista Diosdado Cabello. A informação é da Agência EFE. Em um vídeo, um grupo de aproximadamente 20 homens usando uniformes militares e armados acompanham um porta-voz que se identifica como “capitão Juan Caguaripano” e “comandante da operação David Carabobo”. Ele se declarou “em rebeldia” contra “a tirania assassina de Nicolás Maduro”. Além disso, ressaltou que não se trata de um “golpe de Estado”.

A LUTA POR UM PARLAMENTO INDEPENDENTE!

por Ângelo Coronel*

 

 

 

A sociedade está chegando no limite da paciência para com os poderes constituídos. Os poderes a cada dia vêm perdendo a credibilidade. Estamos no olho do furacão. Todos devem fazer exame de consciência e começar a mudar as atitudes, focando sempre no bem estar da sociedade.

Como parlamentar, defendo que o Poder Legislativo não deva se curvar e tornar-se capacho do Executivo. Tudo o que o Executivo planeja e realiza (empréstimos/convênio para construção de estradas/hospitais/escolas, equipamentos para seguranca, etc), depende da aprovação/autorização do Poder Legislativo, pois sem ela o Poder Executivo deixa de executar.

Qual o chefe de Poder Executivo no Brasil que, quando em público, fala: “Essa obra só está sendo possível realizar pois o Parlamento aprovou?”. Na Bahia, todos os governantes que por aqui passaram, com raríssimas exceções, fizeram alguma menção em público sobre a parceria com o Poder Legislativo.

A sociedade deve ser informada de que o Legislativo é sócio “Fifty-Fifty” quando houver o sucesso nas ações executadas pelo Poder Executivo, proveniente das nossas prévias aprovações/autorizações. Basta de sucesso unilateral.

Não executamos, mas damos o direito e autorização para executar. O Parlamento independente deve ser convidado, previamente, para participar dos debates visando sempre buscar ações que objetivem o bem-estar da sociedade. Na essência, esse deve ser o papel do Parlamento, além do de fiscalizar.

Os governos (Federal, Estaduais e Municipais) preferem o Parlamento fraco e subserviente e acham que, com algumas migalhas, se apropriam do Legislativo. E a pior constatação: na maioria dos Estados…é a verdade.

A independência de um Parlamento não significa briga e sim buscar o respeito mútuo, pois quando há esse respeito a harmonia será sempre imperiosa. Mas quando esse respeito é relegado a cizânia entre os Poderes começa a andar em passos largos.

Os 180 dias que completei estando de plantão à frente da Assembleia Legislativa do nosso Estado tenho tentado mudar esse conceito, apesar de ter encontrado algumas resistências. Mas sinto nos olhos, nos gestos e nas palavras da maioria dos colegas a vontade e a determinação de buscarmos a nossa alforria parlamentar.

Tenho a convicção de que já avançamos muito e já começamos a ganhar o respeito da sociedade, não só com as atividades parlamentares, mas com nossas ações sociais, já com repercussão em outras Assembléias do Brasil. A ALBA, nesse novo tempo e com novas atitudes, está fazendo a sua parte no sentido de dar início ao resgate da classe política.

Ainda se tem tempo. É só querer!

* Angelo Coronel é deputado estadual pelo PSD e presidente da Assembleia Legislativa da Bahia.

AMERICA LATINA SUSPENDE DIREITOS POLÍTICOS DA VENEZUELA NO MERCOSUL POR ROMPER A DEMOCRACIA

“Não importa o que se perca de comércio. O que estamos a dizer aqui é: você não pode matar seu povo, não pode cassar direito”, afirmou o chanceler argentino Jorge Faurie.

Suspensa do exercício de membro do Mercosul desde dezembro por descumprir obrigações com as quais se comprometeu em 2012, a Venezuela agora recebeu uma nova sanção por “ruptura da ordem democrática”.

A decisão foi aprovada por unanimidade de dirigentes da America Latina e anunciada neste sábado (5), após uma reunião em São Paulo, da qual participaram representantes do Brasil, da Argentina, do Uruguai e do Paraguai, os quatro países fundadores do bloco.

Com a medida, a reintegração da Venezuela fica mais complicada. Mesmo que passe a cumprir todos os acordos de 2012, o Mercosul só voltará a incorporar o país depois de “restaurada a ordem democrática”, afirmou o documento da reunião.

“Desde que o governo venezuelano enveredou por um caminho que o levou a se afastar cada vez mais da democracia, nossos países, em diversas instâncias, manifestaram preocupação”, afirmou o chanceler brasileiro Aloysio Nunes.

A decisão foi baseada na cláusula do Protocolo de Ushuaia, assinado em 1996, que afirma que os países do bloco devem respeitar a democracia para fazer parte.

A medida coloca o governo de Nicolás Maduro em uma situação ainda mais isolada em relação aos seus pares latino-americanos.

O comunicado não prevê sanções comerciais, mas cada país pode decidir por retaliações próprias conforme seus acordos bilaterais.

Segundo Nunes, o Brasil não suspenderá a exportação de alimentos para a Venezuela, porque agravaria a crise humanitária. O protocolo de Ushuaia não prevê a expulsão de um membro do Mercosul.

“Queremos que a Venezuela volte. Esse é o objetivo. Queremos que ela se reencontre com a democracia”, afirmou o chanceler brasileiro.


 

Declaração de Maduro

Em pronunciamento à Rádio Rebelde da Argentina, Maduro afirmou que “nunca vão tirar a Venezuela do Mercosul”. “Somos Mercosul de alma, coração e vida. Algumas oligarquias golpistas, como a do Brasil, ou miseráveis, como a que governa a Argentina, poderão tentar mil vezes, mas sempre estaremos aí”, disse.

Ele também acusou o presidente argentino Mauricio Macri de estimular um bloqueio comercial e político contra seu país.

“O Macri não só destrói o povo e agride a classe trabalhadora argentina (…), mas também é a ponta de lança da agressão e agora o porta-bandeira da busca por um bloqueio econômico, financeiro, comercial e político como o que fizeram a Cuba nos anos 60”, afirmou.

DEPOIS DA REJEIÇÃO, DEPUTADOS LIVRAM TEMER DE DENÚNCIA POR CORRUPÇÃO E BARRAM INVESTIGAÇÃO NO STF

A Câmara Federal aprovou na noite desta quarta-feira (2) o relatório da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), de autoria do deputado Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), que recomendava a rejeição da denúncia da Procuradoria Geral da República por crime de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer.

Esse resultado livra Temer de responder a processo no Supremo Tribunal Federal por corrupção. Agora, Temer responderá no STF somente após a conclusão do mandato, em 31 de dezembro de 2018. O procurador-geral Rodrigo Janot, porém, deverá apresentar outra denúncia contra Temer, por organização criminosa e obstrução de justiça.

Segundo a secretaria da Câmara, votaram 492 deputados dos 513 deputados: 263 a favor do relatório, 227 contra e duas abstenções. Houve 19 ausências. Ainda de acordo com o órgão, um deputado – Adail Carneiro (PP-CE) – está licenciado para tratamento de saúde e não houve convocação de suplente. Com base no regimento da Câmara, o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) não votou. Leia mais em http://g1.globo.com/politica/noticia/votacao-denuncia-temer-camara.ghtml

Com o grifo para os que são votados na região, veja como votaram os deputados baianos:

Afonso Florence (PT) – NÃO

Alice Portugal (PCdoB) – NÃO

Antonio Brito    (PSD) – NÃO

Antonio Imbassahy (PSDB) – SIM

Arthur Oliveira Maia (PPS) – SIM

Bacelar (PTN) – NÃO

Bebeto (PSB) – NÃO

Benito Gama (PTB) – SIM

Cacá Leão (PP) – SIM

Caetano     (PT) – NÃO

Claudio Cajado (DEM) – SIM

Daniel Almeida (PCdoB) – NÃO

Elmar Nascimento (DEM) – SIM

Erivelton Santana (PEN) – SIM

Félix Mendonça Júnior (PDT) – NÃO

Fernando Torres (PSD) – NÃO

Irmão Lazaro (PSC) – NÃO

João Carlos Bacelar (PR) – SIM

João Gualberto (PSDB) – NÃO

Jorge Solla (PT) – NÃO

José Carlos Aleluia (DEM) – SIM

José Carlos Araújo (PR) – SIM

José Nunes (PSD) – NÃO

José Rocha (PR) – SIM

Josias Gomes (PT) – NÃO

Jutahy Junior (PSDB) – NÃO

Lucio Vieira Lima      (PMDB) – SIM

Márcio Marinho (PRB) – SIM

Mário Negromonte Jr.  (PP) – SIM

Nelson Pellegrino (PT) – NÃO

Pastor Luciano Braga   (PRB) – SIM

Paulo Azi (DEM) – SIM

Paulo Magalhães (PSD) – NÃO

Roberto Britto (PP) – SIM

Ronaldo Carletto (PP) – AUSENTE

Sérgio Brito (PSD) – NÃO

Uldurico Junior (PV) – NÃO

Valmir Assunção       (PT) – NÃO

Waldenor Pereira (PT) – NÃO

CANDIDATURA DE PINHEIRO A DEPUTADO FEDERAL DEIXA ROBINSON E AFONSO EM PÂNICO

Segundo a Tribuna da Bahia, a decisão do senador licenciado Walter Pinheiro, atual secretário estadual de Educação, de concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados deixa em pânico os deputados federais Afonso Florence e Robinson Almeida. Apesar de Pinheiro ter se desfiliado do PT, os três disputam votos na mesma corrente do partido, da qual o senador não se desvinculou mesmo depois da polêmica saída do PT. Na época em que anunciou o desligamento, Pinheiro foi duramente atacado por Robinson por meio das redes sociais.

MARCELO NILO, RONALDO CARLETTO, JOSÉ ROCHA E ZÉ RONALDO NEGOCIAM COM O PR COMPOSIÇÃO DA CHAPA 2018

A confirmação do ingresso de parlamentares federais e estaduais, além de prefeitos, no Partido da República – PR, deve fortalecer a legenda na disputa por mais espaço na reforma administrativa do governo já agora e principalmente na chapa com que Rui Costa (PT) vai concorrer à reeleição, em 2018. A entrada na agremiação do ex-presidente da Assembleia, deputado estadual Marcelo Nilo (PSL), por exemplo, deve colocá-lo naturalmente no campo dos que podem disputar no partido a indicação para uma vaga ao Senado, ao lado do deputado federal Ronaldo Carletto, que também discute a adesão ao PR, e do parlamentar republicano José Rocha. Outro que poderá disputar o mesmo espaço é o prefeito de Feira de Santana, José Ronaldo, se deixar o DEM para se filiar à legenda. Neste caso, Ronaldo fortaleceria a ala republicana que defende uma aproximação com o prefeito ACM Neto (DEM), candidato natural da chapa oposicionista na sucessão do ano que vem. Animado com a movimentação, o presidente estadual do PR, José Carlos Araújo, antecipa, no entanto, que, antes de definir a indicação do partido a qualquer das chapas, o partido vai montar critérios, dos quais o primeiro é que o interessado esteja apto a concorrer. “Mas temos outros (critérios), a exemplo de pesquisas, número de prefeitos e apoios (que o candidato a candidato) venha a agregar dentro da agremiação”, afirma.

Informaçoes do política Livre

JEQUIÉ: RUI COSTA ACOMPANHARÁ PRESIDENTE DA FBF EM INSPEÇÃO AO WALDOMIRÃO

Rui Costa e Ednaldo Rodrigues farão inspeção no estádio Waldomiro Borges

O governador Rui Costa incluiu, na agenda da sua visita a Jequié neste sábado (22), uma visita de inspeção ao estádio municipal Waldomiro Borges, acompanhado do presidente da Federação Baiana de Futebol, Ednaldo Rodrigues Gomes.

Segundo informações do blog do radialista Waldemir Vidal, o propósito da visita de inspeção é a intenção do governador celebrar um convênio entre o governo do Estado, através da Sudesb e a Prefeitura de Jequié, visando a execução de obras e melhoramentos do estádio Waldomiro Borges, adequando-o às exigências da FBF para a disputa, pela ADJ – Associação Desportiva Jequié, na série A do campeonato baiano de 2018.

Na oportunidade, o governador será recepcionado pelo prefeito de jequié, Sérgio da Gameleira, deputados, bem como a imprensa jequieense e outras autoridades locais.

Para a execução de reestruturação do estádio de futebol, o deputado federal Antonio Brito fez a destinação de uma emenda no orçamento da União, para a Prefeitura de Jequié, na ordem de R$ 500 mil. O governador começa a agenda assinando ordem de serviço para execução da obra de conclusão da construção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e em seguida, inaugura a segunda etapa do Centro de Diagnóstico por Imagem do Hospital Prado Valadares, com os equipamentos para realização de Tomografia Computadorizada e Ressonância Magnética. Assina também, autorização através da Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR) e a Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), a celebrar convênio do Programa Bahia Produtiva com Associações do Assentamento Flor da Terra, no cultivo do cacau e visita as instalações do frigorífico Vale do Sol que foi recentemente reaberto cumprindo exigências da fiscalização sanitária federal e estadual.

Rui Costa encerra a visita a Jequié, participando de uma entrevista coletiva no estúdio da Rádio 93 FM.

Fonte: Blog de Waldemir Vidal

OU MEU NOME É CONSENSO NO PSD OU NÃO SOU CANDIDATO’, DIZ CORONEL

Cotado para integrar chapa do governador Rui Costa em 2018, presidente da AL-BA admite não ter densidade eleitoral “no momento”

Um dos nomes lembrados nos bastidores, para integrar a chapa do governador Rui Costa (PT) na disputa pela reeleição em 2018, o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Ângelo Coronel, afirmou, na tarde desta sexta-feira (21), que não vai brigar dentro do PSD para ser o candidato do partido na composição.

Ao site bahia.ba, o parlamentar foi enfático ao dizer que ou nome dele é “consenso” na legenda ou prefere não concorrer ao próximo pleito. “Eu estou trabalhando para que haja um nome de consenso dentro do partido. E eu prefiro, até confesso, ficar fora, porque não gosto de muita disputa não. Ou é consenso ou não me arvoro a ser candidato a nada. Fico fora do processo político totalmente”, afirmou chefe da AL-BA, que disputou neste ano uma das eleições mais acirradas pelo comando do Legislativo baiano.

Coronel admite “não ter densidade eleitoral no momento” para ser o postulante na coligação majoritária, pré-requisito posto pelo presidente do PSD e senador, Otto Alencar. “Só vou ser candidato se eu demonstrar ter conseguido densidade eleitoral e se for consenso”, pontuou.

De acordo com o deputado pessedista, o partido vai fechar um nome após o carnaval, em uma convenção no auditório da União dos Municípios da Bahia (UPB), que vai reunir os vereadores, prefeitos, deputados estaduais e federais da sigla. “Essa é a primeira vez que haverá um encontro dessa natureza. Necessário, porque o partido chegou a um exponencial político grande e terá que todo mundo ser ouvido”, concluiu.

Com informações do site bahia.ba

Veja o vídeo