Arquivo para ‘Jequié’ Categoria

MORRE AOS 70 ANOS TANAJURA, O MAIOR ARTILHEIRO DA HISTÓRIA DA ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA JEQUIÉ (ADJ)

O bancário aposentado João Alberto Tanajura [completaria 70 anos em 12 de janeiro do próximo ano) faleceu na manhã desta segunda-feira, 16, em Salvador, no Hospital da Bahia. Ele foi submetido a uma cirurgia do fígado havia 15 dias. Tanajura era natural de Paramirim e veio jogar na região, na década de 1960, convidado então por Dilermando, para  jogar futebol na equipe do Independente de Ipiaú. Posteriormente foi trazido para Jequié, juntamente com o conterrâneo e anfitrião, Dilermando, [atualmente médico em Feira de Santana] por Maneca Sampaio, que presidia a equipe amadora do Clube Recreativo Jequié, chegando daí, à seleção de Jequié, campeã do Intermunicipal em 1969, de onde ascendeu ao futebol profissional formando a equipe profissional da Associação Desportiva Jequié-ADJ.

Em 1970 envergando a camisa da ADJ chegou à condição de artilheiro. Tanajura em Jequié ingressou nos quadros do extinto Baneb, tendo se casado em Jequié, com Sônia Pinto. Era pai do ex-zagueiro do Vitória e do Flamengo, Flávio Tanajura, atualmente no quadro de comentaristas esportivos da TV Educativa. O sepultamento aconteceu na tarde desta segunda, 16, às 16h30, no Cemitério Jardim da Saudade, em Salvador.

Fica a saudade de um estilo, de um jogador de futebol elegante, cavalheiro, cujos dribles e gols empolgavam a torcida de toda a região. Compunha, junto com Dilermando, Cardoso, Marquinho, Edmilson, Mac Donald, Dermival Lucena, Cléo, Humberto Cabeleira, Everaldo Galvão e tantos outros, os craques de uma época, admirados por uma geração privilegiada por assistir bons jogadores de futebol.

JEQUIÉ: TRÊS SUSPEITOS DE INTEGRAR QUADRILHA MORREM EM CONFRONTO COM A CIPE CENTRAL

Sidnei, também conhecido como Piá, o Barão do Pó, Edvan, o Didiu e Fabrício foram mortos em confronto com a CIPE Central (Fotos: Divulgação)

O traficante de drogas, assaltante de banco e homicida Sidnei Leal de Araújo, 32 anos, conhecido no ramo do crime pelo apelido de ‘Piá, o Barão do Pó’, foi surpreendido, na noite desta sexta feira (13), por guarnições da Companhia Independente de Policiamento Especializado (Cipe) Central e do 19° Batalhão da Polícia Militar (Jequié), quando tentou escapar de uma barreira montada na BR-116, próximo da cidade de Jequié.

Quando visualizaram as forças de segurança, Piá (32), Edvan Alves da Silva, (34), o ‘Didiu’, e Fabrício Félix Silva Ferreira, (30), abandonaram um veículo e se esconderam em um matagal. Durante varredura o trio disparou contra as guarnições e no confronto foi atingido. Os criminosos foram socorridos para o Hospital Geral Prado Valadares, mas não resistiram. Piá, que em 2012 foi apresentado no auditório da Secretaria da Segurança Pública por ter explodido caixas do banco Bradesco em Itatim, liderava uma quadrilha na cidade de Santo Estevão e região. Segundo informações iniciais Sidnei estava escondido fora do país e agia em conjunto com quadrilhas do Sudeste do Brasil em ações de tráfico e explosões de bancos.

Major Fábio Rodrigo de Melo Oliveira – Cmte da Cipe Central

Com o grupo foram apreendidos uma pistola calibre 9mm de uso restrito das Forças Armadas e Polícia Federal e dois revólveres calibres 38. “Intensificamos os bloqueios nas principais rodovias da região, principalmente no período noturno, pois é o momento utilizado por criminosos especializados em ataques a instituições financeiras para se locomoverem “, relatou o comandante da Cipe Central, major Fábio Rodrigo de Melo Oliveira. O militar informou ainda que as armas apreendidas foram apresentadas na Delegacia Territorial de Jequié, onde toda a ocorrência foi registrada. “Estamos aqui atentos, sem dar tréguas e com a guarda alta contra as organizações criminosas e seus líderes”, finalizou.

EM CONFERÊNCIA MUNICIPAL, PCDOB DE JEQUIÉ ELEGE NOVA COMISSÃO EXECUTIVA

Mesa Diretora da Conferência do PCdoB de Jequié

Como etapa de seu 14° Congresso Nacional, aconteceu no último domingo, 8 de outubro, a Conferência Municipal do PCdoB de Jequié. Após a solenidade de abertura, Rita Rodrigues, Nilton Vasconcelos e Gidasio Silva, fizeram pronunciamentos de avaliação do atual momento político sob os pontos de vista do partido. Em seguida, a presidente da Comissão Eleitoral, Rita Rodrigues deu início à eleição. Em chapa única, foi eleita a Comissão Executiva com o professor Gidasio Silva  eleito para a presidência municipal do Partido, Rita Rodrigues como vice presidente, Ana Angélica para a secretaria de mulheres, Dilma Santana para a secretaria de finanças e Diran Lima eleito para a secretaria de formação.

Já o Comitê Municipal, com definição de tarefas, foi formado pelos seguintes nomes: Silvino Rodrigues, Valdir Manoel, André Bomfim, Neide Sampaio, Juraci Novato, Noé Macedo.

Depois das discussões onde foram abordados algumas análises e posicionamentos da política nacional e estadual, e antes da proclamação dos resultados da eleição, coube ao professor Gidasio Santos, ainda como Secretário Municipal de Organização do PCdoB, apresentar o ponto da pauta sobre a situação municipal e a realidade do Partido. Para o plenário, Gidasio fez a exposição do Documento-Base que informa a importante participação política do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) no cenário municipal desde 1985.

Por sugestão da Comissão Eleitoral, foram também eleitos como delegados à Conferência Estadual os militantes Gidasio Silva e Dilma Santana, respectivamente como titular e suplente.  

No final do evento, Rita Rodrigues firmou o compromisso da nova direção municipal, agradeceu a presença de todos os delegados e convidados, bem a representação do Comitê Estadual, na pessoa de Nilton Vasconcelos, e também a Élvia Magalhães, da Comissão Estadual de Organização, que deram grandes contribuições para o êxito da Conferência.    

Foto: Gicult divulgação.

DIA DA CRIANÇA!

Por Oscar Vitorino*

 

“A melhor maneira de tornar as crianças boas, é torná-las felizes.” (Oscar Wilde)

 

 

Em 1923, nasceu a ideia de existir uma data para celebrar as crianças. Essa idéia ganhou corpo, e tornou-se projeto de lei depois que o Rio de Janeiro sediou o 3º Congresso Sul-Americano da Criança. Apesar de aprovado e oficializado pelo então presidente da república, Artur Bernardes, o dia 12 de outubro, como data comemorativa, só foi vingar em 1955, por questões comerciais. Por coincidência, a data é a mesma do Dia de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, sendo então um feriado nacional.

Mas criança é criança a qualquer hora, em qualquer lugar, não importa o tempo!

        Criança! Símbolo da inocência e da ternura! Sorriso de anjo, feito de doçura e de meiguices! Botão, que se contempla no mistério de sua essência. A cada criança que nasce, vale a pergunta que os vizinhos de Zacarias e Isabel fizeram quando nasceu João Batista: “o que virá a ser essa criança?” (Lc 1, 66)

        Tudo numa criança é feito de luz: luz auroral, luz nascente, luz fulgurante, que se espalha na suavidade de um sorriso! E quanto mais tenra, mais bela na grandeza do que será, quando crescer! E se nos estende os bracinhos rechonchudos, tal como os braços dos anjos, ninguém há que não se sinta, nesse pedido mudo e significativo, levado a ampará-la, como se retirasse do berço uma flor, tal a doçura do gesto que vem dessa criança.

        Semana da criança! Sete dias a ela consagrados. Sete dias destinados muito mais a condensar todos os benefícios para aquelas que não sentiram, nos primeiros anos da existência, o calor do colo materno, a ternura do abraço de um pai, o amparo dos que lhes trouxeram à vida. Elas necessitam receber todo o apoio, toda a ternura, todo o carinho dos bons corações, porque nada pode confortar mais as almas bem formadas do que servir às crianças – almas ainda um botão, a desabrochar nas primaveras da existência, nesse constante desenrolar de gerações, que se vão formando em alas que se enfileiram e alongam-se no tempo, para subirem os degraus do presente e descerem, no futuro, as ladeiras da outra encosta da montanha, quando chegam os ocasos da vida!

        Mas, as crianças são como as auroras. Nelas há somente luz e esplendor, num contínuo espetáculo de claridade! Do berço ao manifestar-se; dos primeiros passos aos monossílabos; dos monossílabos às palavras mal pronunciadas; daí aos Jardins de Infância até à aprendizagem da leitura e da escrita. Cânticos alegres, e recreios inocentes.  A vida da criança, que é amparada, é sempre rodeada de alegrias. Não há maldade na criança, salvo se, desamparada; nesse caso, ela cai no ‘inferno’ do vício. Cabe-nos, quanto possível, evitar que isso aconteça. E sabe Deus quanta vocação, quanta inteligência, quanta grandeza se perde naquelas pobres criaturas que, abandonadas, transviadas, lançam-se à própria sorte! Sorte?! Que sorte?

        Não! E não! As crianças não podem e não devem ser destinadas a sinas tão cruéis. Ampará-las, educá-las, encaminhá-las deve ser a preocupação de todos em todas as nações. As crianças são os nossos sucessores naturais. Cuidemos das crianças, hoje, para que tenhamos um mundo melhor, mais humano, mais fraterno, no qual seja banida a guerra, o trabalho escravo, a droga. O mundo só será melhor quando for povoado por pessoas melhores; e a paz só reflorescerá em impressionante beleza primaveril, se decidirmos, hoje, preparar em cada lar, em cada escola, em cada fábrica, em cada grupo social, familiar ou religioso, uma geração nova, com valores imutáveis e inegociáveis.

“Só é possível ensinar uma criança a amar, amando-a” (Johann Goethe)

*Oscar Vitorino Moreira Mendes é Médico Veterinário, professor aposentado da UESB e presidente da AMVEJ

PÃO SÍRIO

Também chamado pão “pita”, delicia que complementa a coalhada seca no vidro de azeite de oliva. Delícias feitas por Sara e Lucinha e servidas acompanhadas de quibe cru e homus. Estilo Beatriz, aprendidas com detalhes, como verdadeiras “gringas/brasileiras”.

Para rememorar, a receita foi enviada por Nelsinho, o grande chef que não reluta em ensinar o que sabe. Valeu, primo.  Recomendo: vale a pena conferir.

NOVO PROJETO FM DA RADIO POVO JEQUIÉ DIVULGADO NO PROGRAMA DE MARIO KERTESZ EM SALVADOR

Como parte das novidades, o jornalista Wilson Novaes Júnior, agora integrando a equipe da nova FM de Jequié, a Radio Povo 91.5, discorreu sobre o projeto que vem sendo desenvolvido pelo Sistema Pazzi de Comunicação, no programa de Mario Kertesz, na Radio Metrópole FM de Salvador, na manhã da última segunda feira (2), durante o tradicional programa Jornal da Bahia no Ar.

A nova estratégia de Roberto Pazzi inclui, além da migração da Rádio Povo de Jequié, de AM para FM, a ampliação do quadro de profissionais da emissora. Para isso contratou recentemente os profissionais de rádio Edher Ramos e Wilson Novaes Júnior. Este último estará apresentando o programa Bahia Ponto a Ponto, na Povo, a partir de 16 de outubro corrente,

Em função da parceria da Metrópole com a Povo, Wilson Novaes Júnior obteve visibilidade estadual através do programa que abrange uma extensa rede de emissoras em todo o estado.

Mário Kertézs registrou o encontro ao lado de Wilson Novaes e Zé Eduardo (Bocão)

Mario Kertézs, que durante a entrevista contou com as participações dos jornalistas Luana Montargil, Zé Eduardo (Bocão) e do radialista jequieense Abraão Brito, integrantes da sua equipe de comunicadores, foi muito receptivo ao projeto que considerou “de grande importância para o fortalecimento da comunicação social da Bahia integrando ainda mais a população da capital com a do interior do estado”.  Durante a entrevista que se estendeu por quase todo o programa (das 8h às 9h), Wilson Novaes respondeu a questionamentos dos apresentadores do programa sobre o desenvolvimento de Jequié, administração pública e o cenário político local.

Wilson Novaes Júnior começou sua carreira de radialista na Radio Cidade Sol 94.9 FM, nos idos de 1985, esteve por um longo tempo na 93.3 FM e agora, depois de receber o convite do Sistema Pazzi de Comunicação, resolveu emprestar toda a sua experiência e credibilidade no jornalismo da Rádio Povo, que, diga-se de passagem, já contava com bons profissionais como Fabio Silva, Sergio Monteiro, Jussiara Oliveira e Silvio Júnior.

VEM AÍ… ANÉSIA CAUAÇU: LENDA E HISTÓRIA NO SERTÃO DE JEQUIÉ

Edições ALBA

Anésia Cauaçu: Relatos da histõria. Anésia guerreira ou cangaceira? Quantas famílias remanescentes daquele tempo ainda vivem em Jequié e outras cidades da região? Bandida ou fazendeira? Você saberá o que registra a história. Mais uma edição da ALBA. Confira. Lançamento em breve.

Anésia Cauaçu – Lenda e história no sertão de Jequié

“É a história como base da ficção e a ficção permeando a história, intercambiando os fatos reais, com uma narrativa lúdica, mítica, resultado das representações do imaginário popular e da criatividade”.

Wilson Midlej

 Capa e Mensagem: Lula Martins; Orelhas: Zé Américo Castro; Prefácio: Sergio Mattos Revisão: Dermival Rios, Jussara Midlej.

JEQUIÉ: ACADEMIA DE LETRAS DISCUTIU, EM MESA REDONDA, A OBRA DE WALY SALOMÃO

 

A iniciativa da Secretaria Municipal de Cultura de Jequié, em parceria com a Academia de Letras de Jequié e outras entidades envolvidas, tem o reconhecimento do significativo público que tem acorrido todas as noites ao Museu Histórico.  Foi assim, também, na noite de ontem (21), quando foi dado prosseguimento, no salão da Academia de Letras, a mesa redonda que discutiu a obra de Waly Salomão. Os palestrantes convidados foram os professores Antônio Brito, Anísio Assis, Maurício Bastos e Lucas Ribeiro. O evento fez parte das atividades em homenagem ao poeta jequieense no Museu Histórico de Jequié, que se extende até o fim do mês. De parabéns o secretário de Cultura Alisson Andrade, o presidente da ALJ Júlio Lucas, o diretor de Cultura, Bené Sena, além dos representantes dos vários segmentos culturais da cidade que se irmanaram ao projeto.

Uma pena que mês de aniversário do poeta, escritor, compositor, produtor musical jequieense, quando a comunidade se reúne para discutir a sua obra e lembrar da data do seu nascimento, o seu irmão, Omar Salomão, se encontre no leito do hospital, em Salvador, acometido por uma crise cardíaca.

Mesmo abalada e orando pela recuperação do querido amigo, a sociedade continua celebrando as justas homenagens pela passagem do aniversário de nascimento de Waly.

Vale a pena conferir, até dia 30 de setembro, no Museu de Jequié a programação de homenagens à obra de Waly Salomão com apresentações teatrais, shows da Orquestra Municipal, espetáculos de dança, cordéis, saraus, mesas redondas e a esquete itinerante, que continuará rodando os coletivos e praças públicas do município. A homenagem a Waly Salomão será encerrada com um show musical com Rosy & Banda, com um repertório pinçado das composições criadas pelo artista.

Waly Salomão, era casado com Marta, pai de dois filhos, Omar e Khalid, irmão de Guilherne, Jorge, Omar, Kadija, Rilene e Samira, jequieense, filho de pai sírio e mãe sertaneja, foi um poeta que agitou o Rio de Janeiro nos anos 70, 80, 90 nasceu em 3 de setembro de 1943 e morreu precocemente em 2003, quando perdeu a luta contra um câncer. Foi também o compositor de canções como “Vapor Barato”, gravada por Jards Macalé, Gal Costa e O Rappa; “Mel”, sucesso gravado por Maria Bethânia e Caetano Veloso; e “Assaltaram a Gramática”, interpretada por Lulu Santos e Paralamas do Sucesso, entre muitos outros. A homenagem pública organizada pela Prefeitura de Jequié ganhará ainda exposições multimídias no Museu Histórico de Jequié João Carlos Borges, intituladas “Algaravias” e “Janela de Marinetti”, nomes de obras literárias do poeta.

Foi secretário nacional do Livro e Leitura, nasceu em 3 de setembro de 1943, em Jequié (BA), e notabilizou-se por escrever letras muito disputadas por cantores e cantoras nacionais.

Participou do movimento cultural Tropicália, na década de 60, protagonizado por Caetano Veloso, Gilberto Gil, Tom Zé, Torquato Neto, Jards Macalé, Gal Costa e Maria Bethânia. A Tropicália misturava temáticas e termos americanos aos utilizados pela popular Bossa Nova, sofrendo crítica na época.

Espera-se que a comunidade cultural, não apenas de Jequié, mas de toda a região, prestigie com suas presenças as atividades que a gestão do prefeito Sergio da Gameleira promove em Jequié, em homenagem a este artista nacional e poeta extemporâneo.

JORNALISTA WILSON NOVAES JÚNIOR AGORA É DA RÁDIO POVO

Wilson Novaes Júnior é mais um profissional a integrar a excelente equipe da Radio Povo FM

Finalmente as negociações que vinham sendo mantidas em sigilo e que eram consideradas notícias falsas, foram concretizadas e o jornalista e radialista Wilson Novaes Júnior assinou contrato com a Radio Povo.

A emissora, que transmitia originalmente em AM – Amplitude Modulada, desde a antiga Radio Bahiana de Jequié, agora passa a contar com transmissores da faixa FM, de Frequência Modulada, que se caracteriza pela melhora considerável da qualidade do som, bem como a estética da programação.

Como parte dessa modernização e repaginação da emissora, o diretor do grupo, Roberto Pazzi, contornou os obstáculos e conseguiu contratar o experiente profissional de imprensa de todas as mídias, Wilson Novaes Jr. Assim, a Radio Povo de Jequié, 91.5FM, que já contava com um plantel de excelência, liderado por Fabio Silva e integrado por Jussiara Oliveira, Sergio Monteiro, Silvio Júnior, Marta Faustino e tantos outros, agora recepciona o mais novo companheiro, decano do rádio em Jequié e, por isso mesmo, especialista em Marketing, apresentador versátil e jornalista ético e de credibilidade.

Parabéns aos envolvidos nesta nova conquista, vida longa e bastante sucesso para a Radio Povo FM e todos os integrantes do seu quadro.